Implications of managed life and civil war on the political thinking of Arendt and Agamben

  • Daniel Nery da Cruz Doutorando pela UNISINOS e professor da UEFS.
Keywords: Arendt. Agamben. Stasis. Policy. Action.

Abstract

In this article we will make an investigation about the life managed in Hannah Arendt and Giorgio Agamben, elaborating an understanding of the political philosophy of the two authors in the conception that each one develops on the civil war and the political space. For this, we will highlight how Arendt relates political life to a public liberty of the people and not an inner freedom based on philosophical contemplation. Freedom and revolution are closely intertwined for the understanding of politics. On the concept of civil war in his work On the Revolution, Arendt affirms that it is necessary to deny the naturalization of equality and any form of alienating power. When the revolution is directed in a way that is not life, but the democratic principles and institutions that are the centrality, there is a space for the new, for political action or what we call anarchic action. The understanding of the notion of life and its relation to politics is the debate Arendt makes about civil war or revolution, so we have also sought to reflect on what Agamben calls the stasis or civil war in Greek and how he interprets the biopolitics with this concept, even with a critique of Arendt herself by the confusion between the concepts of revolution and war.

Author Biography

Daniel Nery da Cruz, Doutorando pela UNISINOS e professor da UEFS.

Mestre em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA. Doutorando em Filosofia – UNISINOS. Pesquisador do Núcleo Avançado de Estudos da Contemporaneidade – UESB. Integrante do grupo de pesquisa ética, biopolítica e alteridade CNPQ. Bolsista PROSUC/CAPES.

References

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.1984.

______. Da revolução. Trad. Fernando Dídimo Vieira. São Paulo: Ática, 1988.

______. Sobre a Revolução. Tradução de I. Morais. Lisboa: Relógio D’Água. 2001.

______. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. Entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Editora Perspectiva S.A., 2014.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. 2. ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007a.

______. Stasis: a guerra civil como paradigma político, (Homo sacer II, 2). (17-34). Trad. Oliveira, M. V. X. In: DANNER, L. F. OLIVEIRA, M. V. X. (Orgs.). Filosofia do direito e contemporaneidade. Porto Alegre: Editora Fi, 2015.

ASSMANN, Stasis. A Guerra Civil como paradigma. IHU On-Line. São Leopoldo – RS. 15/abri. 2015. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/541769-- stasis-a-guerra-civil-lida-por-agamben. Acesso em 8 ago. 2018.

AGUIAR. Odílio Alves. A recepção biopolítica na obra de Hannah Arendt. Conjectura, v. 17, n. 1, p. 139-158, jan./abr. 2012.

CANTISTA, Maria José. O juízo político de Hannah Arendt segundo Paul Ricoeur. Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Porto, v. 23-24, 2007.

CHAVES, Edneila R. Modernidade, Revolução e Fundação da Liberdade: as Revoluções Americana, Francesa e Alemã. João Pessoa: SAECULUM – Revista de Histórian. 13, p. 54-62, jul./ dez. de 2005.

FRY, Karen A. Compreender Hannah Arendt. Trad. Paulo Ferreira Valério. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

GIÃOBORTOLOTTI, Ricardo. A propósito da noção de revolução em Hannah Arendt. VI Congresso Internacional de História. Assis. 25 a 27/set. 2013. Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2013/trabalhos/147_trabalho.pdf. Acesso em: 9 ago. 2018.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: a contribuição de Hannah Arendt. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 30, maio-ago.

NASCIMENTO, Marisangela. Soberania, poder e biopolítica: Arendt. Foucault e Negri. Griot – Revista de Filosofia, v. 6, n. 2, dezembro – 2012.

VILLA, Dona. Politcs, philosophy and terror. Essays on the thought of Hannah Arendt. Princeton: University Press, 1996.

Published
2019-04-22
Issue
Section
Varia