ESPACIALIZAÇÃO DAS CAPTURAS DE ROBALO (Centropomus spp) ( CENTROPOMIDAE - PERCIFORMES ) NO ESTUÁRIO DO RIO SERGIPE

Jonathas Rodrigo Dos Santos Pinto, Maria Lúcia Góes Araújo, Robson Andrade Rosa, Jadson Pinheiro Santos, Ana Rosa da Rocha Araújo, José Milton Barbosa

Resumo


Os robalos ocorrem no estuário do rio Sergipe e têm importância nas capturas da pesca artesanal, no porto do Bairro Industrial, em Aracaju, com total desembarcado de 1,62 t em 2014. O objetivo deste trabalho foi analisar as capturas de robalo, no estuário do Rio Sergipe. Os dados de produção foram obtidos através dos registros de desembarques, no Bairro Industrial, de Abril/2016 a Dezembro/2017. Um total de 562 indivíduos foi coletado para obtenção de dados biométricos (CT, PT) e identificados.  Para as duas espécies mais representativas, nos desembarques, foram estabelecidas a distribuição de frequência, a relação peso-comprimento e a média mensal do fator de condição K. Os dados de captura por unidade de esforço (CPUE), calculados para cada desembarque, foram LOG transformados (LOGCPUE+1) e comparados com ANOVA. As espécies de robalos presentes nas capturas foram o robalo-corcunda Centropomus parallelus (62% dos indivíduos), robalo-furador C. undecimalis (35%) e robalo-alfaiate C. pectinatus (3%). C. parallelus apresentou amplitude de CT de 20,0 a 60,0 cm. A média do fator de condição K para os indivíduos com CT > 28,0 cm foi de 10,7±1,1. A amplitude de CT de C. undecimalis foi de 20,0 a 105,0 cm, com K médio de 3,25±0,28. Para ambas as espécies, houve uma contribuição significativa de indivíduos abaixo do tamanho de primeira maturação. O pequeno tamanho de malha do arrasto de praia (20 mm) pode estar contribuindo para presença significativa de indivíduos de pequeno porte nas capturas. As principais áreas de captura de robalo, no Rio Sergipe, estão situadas em locais com alta concentração de matéria orgânica e baixos teores de oxigênio. Para rede de arrasto de praia, o período pluviométrico influenciou na variação da CPUE. A maioria das capturas das redes de emalhe se concentrou no canal do rio Sergipe e foi menos influenciada pela redução do habitat, no período seco.


Palavras-chave


Pesca-artesanal; Produção pesqueira; Monitoramento pesqueiro.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, A. R. R.; Barbosa, J. M.; Santos, J. P.; Carvalho, B. L. F.; Garcia filho, E. B.; Deda, M.S.; Silva, C. O.; Chammas, M. A. (2016). Boletim estatístico da pesca nos litorais de Sergipe e extremo norte da Bahia 2014. São Cristóvão:Editora UFS. 2016.

Barletta, M.; Barletta-Bergan, A.; Saint-Paul, U.; Hubold, G. The role of salinity in structuring the fish assemblages in a tropical estuary. Journal of Fish Biology, v. 66, p. 45–72. 2005.

BRASIL. (2011) MPA - Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura 2010- Brasília. 2011.

Carvalho, M. E. S., & Fontes, A. L.Caracterização geomorfológica da zona costeira do Estado de Sergipe. Anais do VI Simpósio Nacional de Geomorfologia/Regional Conference on Geomorphology, 6 ed., Goiânia, GO, Brasil. 2006.

Cerqueira, V. R. Cultivo de Robalo: aspectos de reprodução, larvicultura e engorda. 1.ed. Florianópolis: UFSC/LAPMAR. 2002.

Cerqueira, V.R. (1989). Análise e perspectiva para o cultivo do robalo, Centropomus sp, no litoral brasileiro. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. 1989.

Cerqueira, V.R.; Tsuzuki, M.Y. A review of spawning induction, larviculture, and juvenile rearing of the fat snook, Centropomus parallelus. Fish Physiology Biochemistry, v. 35, p. 17-28. 2009.

Cervigón, F.; Cipriani, R.; FischeR, W.; Garibaldi, L; Hendrickx M.; Lemus, A.J.; Márquez, R.; Poutiers, J.M.; Robaina, G.; Rodriguez, B. (1992). Fichas FAO de Identificación de Especies para los Fines de la Pesca. Guía de Campo de las Especies Comerciales Marinas y de Aquas Salobres de la Costa Septentrional de Sur América. FAO, Rome. 1992.

Dantas, D. V.; Barletta, M. Habitat use by Centropomus undecimalis in a rocky area of estuarine beach in north-east Brazil. Journal of Fish Biology. 2016.

FAO. The State of World Fisheries and Aquaculture 2016. Contributing to food security and nutrition for all. Rome. 200 pp. 2016.

Freire, K. M. F.; Araújo, A. R. R.. Analysis of marine catches off the state of sergipe (1950-2010). Arq. Ciên. Mar. Fortaleza, v. 49(1), p. 13 – 29. 2016.

Freire, K. M. F.; Bispo, M. C. S.; Luz, R. M. C. A. Competitive Marine Fishery in the State of Sergipe. Acta Fish. Aquat. Res., v. 2(1), p. 59-72. 2014.

Froese, R. Cube law, condition factor and weight–length relationships: history, meta‐analysis and recommendations. Journal of applied ichthyology, v. 22(4), p. 241-253. 2006.

Giglio, V. J.; Freitas, M. O. Caracterização da Pesca Artesanal com Rede de Camboa na Reserva Extrativista de Cassurubá, Bahia. Biotemas, v.26, (2), p. 249-259. 2013.

IBAMA (2006). Monitoramento da atividade pesqueira no litoral do Estado de Sergipe. In: Boletim da Estatística da Pesca Marinha e Estuarina no Nordeste do Brasil. IBAMA: Brasília. 2006.

Itagaki, M. K. (2005). Potencial de recrutamento das larvas e juvenis de Robalo-peva, Centropomus parallelus (Teleostei: Centropomidae) no sistema Cananéia-Iguape, São Paulo, Brasil (Doctoral dissertation). 2005.

Ivo, C. T. C.; Fontelles-Filho, A. A. Estatística pesqueira: Aplicação em Engenharia de Pesca. Fortaleza: Tom gráfica e Editora. 1997.

King, M. Fisheries biology assessment and management: Fishing New Books Osney Mead, Oxford, England. 1995.

Lessa, M.M.D.; Silva; A.A.G. Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe – Brasil. Anais do VII Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe. Aracaju, SE, Brasil. 2014.

Lima-Junior, S. E.; Cardone, I. B.; Goitein, R. Determination of a method for calculation of Allometric Condition Factor of fish. Acta Scientiarum, Maringá, v. 24(2), p. 397-400. 2002.

Mendonça, M.C.F.B. (2004). Autoecologia do amorim Centropomus undecimalis (Bloch, 1972); (Perciformes: Centropomidae) em ambiente hipersalino em Galinhos, RN, Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo. 2004.

Monteiro-Neto, C.; Tubino, R. A.; Moraes, L. E. S.; Mendonça-Neto, J. P.; Esteves, G. V.; Fortes, W. L. Associações de peixes na região costeira de Itaipu, Niterói, RJ. Iheringia, Sér. Zool. Porto Alegre, v. 98(1). 2008.

Nóbrega, M. F.; Lessa, R. P. Descrição e Composição das Capturas da Frota Pesqueira Artesanal da Região Nordeste do Brasil. Arq. Ciên. Mar, Fortaleza, v. 40(2), p. 64-74. 2007.

Nogueira, A. B. (2009). Biologia de Centropomus parallelus poey, 1860 no Sistema Baía de Guaratuba, Paraná, Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2009.

Peterson, M. S.; Gilmore, G. R. Eco-physiology of juvenile snook Centropomus undecimalis (Bloch): life-history implications. Bulletin of Marine Science. v. 48(1), p. 46-57. 1991.

Rivas, L. R. Systematic review of the perciform fishes of the genus Centropomus. Copeia, v. 1986 p. 579-611. 1986.

Soares, E. C.; Sousa-Bruno, A. M. S.; Lemos, J. M.; Santos, R. B. Ictiofauna e Pesca no Entorno de Penedo, Alagoas. Biotemas, v. 24(1), p. 61-67. 2011.

Thome-Souza, M. J. F.; Deda, M.; Santos, J. P.; Carvalho, B. L. F.; Araujo, M. L. G.; Garciov Filho, E. B.; Félix, D. C. F; Santos, J. C. Estatística Pesqueira da Costa do Estado de Sergipe e Extremo Norte da Bahia 2011. 01. ed. São Cristóvão: Editora da Universidade Federal de Sergipe. 2013.

Vasconcelos Filho, A. L.; Oliveira, A. M. E. Composição e Ecologia da Ictiofauna do Canal de Santa Cruz (Itamaracá–PE, Brasil). Tropical Oceanography, v. 27(1). P. 101-113. 1999.

Vasconcelos, M. D. A. C.; Diegues, A. C., & Sales, R. R. D. Alguns aspectos relevantes relacionados à pesca artesanal costeira nacional. Brasília: Seap/PR-Pnud. 2007.

Ximenes-Carvalho, M.O. (2006). Idade e Crescimento do Robalo Flecha, Centropomus undecimalis (bloch, 1792) e Robalo-Peva, Centropomus parallelus (poey, 1860) (osteichthyes: centropomidae), no Sudeste do Brasil. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Zar, J.H. Biostatistical Analysis. 5th Edition, Prentice-Hall/Pearson, Upper Saddle River, xiii, 944 p. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.32360/acmar.v51i2.33177

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Arquivos de Ciências do Mar

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.