PARQUES EÓLICOS OFFSHORE NO BRASIL E OS POTENCIAIS IMPACTOS SOCIAIS: APLICAÇÃO DE MATRIZES SWOT

Resumo

Com o constante aumento dos investimentos no setor elétrico, surgiram iniciativas internacionais para introdução de turbinas eólicas em ambientes marinhos (offshore). No Brasil, tem-se articulado três iniciativas distintas para a construção de parques eólicos marinhos. Estima-se que surjam diferentes impactos sociais envolvendo as populações costeiras que fazem uso dos recursos oceânicos e marítimos próximos. O objetivo da pesquisa foi analisar, de forma participativa, a introdução de um projeto de parque eólico offshore em
águas litorâneas da costa oeste cearense. Utilizou-se a elaboração de Matrizes SWOT com os pescadores das comunidades próximas ao projeto como ferramenta para a realização do diagnóstico participativo local. Foram indicadas 36 forças, 27 fraquezas, 20 oportunidades e 13 ameaças. Foi possível entender que garantir a inserção social promove consideráveis ganhos. O efetivo engajamento público deve seguir métodos que permitam transparecer as informações relevantes aos moradores, promovendo discussões fluidas e didáticas e tomadas de decisão de forma participativa, garantindo o diálogo entre empreendedores,
Estado e comunidades atingidas.


Palavras-chave: avaliação de impacto social, Matrizes SWOT, participação pública, parque eólico offshore.

Biografia do Autor

Adryane Gorayeb Nogueira Caetano, Universidade Federal do Ceará

Professora Associada I do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceará, Coordenadora do Laboratório de Geoprocessamento e Cartografia Social, coordenou de 2015 a 2017 a Pós-Graduação em Geografia (nota 6/CAPES) onde atualmente é vice-coordenadora. É membro do Conselho Universitário-CONSUNI e editora de seção da Revista Mercator (Qualis/CAPES A1). Orienta trabalhos de Mestrado e Doutorado há mais de uma década nas temáticas de gerenciamento integrado de bacias hidrográficas, mapeamento colaborativo, cartografia social e impactos socioambientias da energia eólica. Em 2016, concluiu Pós-Doutorado em Geografia pela Texas A&M University/EUA na temática de Energias Renováveis com bolsa do CNPq e, atualmente, coordena/ integra dois projetos de caráter internacional com pesquisadores daquela universidade: Tecnologias sociais e ações integradas de sustentabilidade para a garantia da segurança hídrica, energética e alimentar em nível comunitário no semiárido cearense (MCTIC/CNPqNEXUS I n. 19/ TEXAS A&M/ UNIVERSITY OF BATH) e Análise socioambiental da implantação de parques eólicos no Nordeste: perspectivas para a sustentabilidade da geração de energia renovável no Brasil (PRONEM/FUNCAP/CNPq/TEXAS A&M). Lidera a coordenação do Observatório da Energia Eólica (http://www.observatoriodaenergiaeolica.ufc.br/) e integra o Projeto reFUEL (European Research Council/ Institute for Sustainable Economic Development da University of Natural Resources and Life Sciences (BOKU) - Viena) (https://refuel.world/).

Christian Brannstrom, Decano Associado de Assuntos Acadêmicos, Faculdade de Geociências, Texas A&M University: College Station, TX, EUA

Possui graduação em International Relations - University Of California Davis (1990), mestrado em Geography - University of Wisconsin - Madison (1992) e doutorado em Geography - University of Wisconsin - Madison (1998). Atualmente é Professor - Texas A&M University System. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia da Energia e Geografia Historica.

Publicado
2021-01-19