Trilhas na avaliação para gestão de programas

o aprender ao fazer

  • Paulo Germano de Frias
  • Lygia Carmen de Moraes Vanderlei
Palavras-chave: Avaliação em saúde, Políticas públicas, Sistema de saúde, Gestão em saúde

Resumo

O artigo apresenta considerações sobre a avaliaçãoem saúde com suas múltiplas facetas, abordagens conceituais emetodológicas, apreendidas pelos autores nas suas trajetóriasprofissionais experimentadas nas instâncias interfederativas doSistema Único de Saúde e como membros do Grupo de Estudos deAvalição em Saúde do Instituto de Medicina Integral Prof. FernandoFigueira. Discorrem sobre o aprendizado em serviços a partirdo exercício de desenhar propostas de avaliação fundadas nasnecessidades institucionais, em contextos organizacionais ondese inseriam de diferentes formas, associados ao intercâmbio cominstituições e grupos de pesquisas. As trilhas do aprendizado sobrea avaliação para gestão foram incorporadas às suas práticas aoaceitar desafios de realizá-las mesmo em cenários adversos. Entreas vivências instigadoras incluiu-se entender sobre os papéis deavaliador interno e externo, negociar questões avaliativas relevantese facilitar o uso dos resultados.

Biografia do Autor

Paulo Germano de Frias

Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira. Diretoria de Ensino e Pesquisa. Programa de Pós-graduação de Avaliação em Saúde

Lygia Carmen de Moraes Vanderlei

Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira. Diretoria de Ensino e Pesquisa. Programa de Pós-graduação de Avaliação em Saúde

Referências

ALBUQUERQUE, A.C.; MOTA, E.L.A.; FELISBERTO, E.
Descentralização das ações de vigilância epidemiológica
em Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, p.
861-873, 2015.
ALKIN, M.C. Evaluation Roots: Tracing Theorists’ Views and
Influences. Thousand Oaks: Sage Publications, 2004.
68 69 R E V I S T A A V A L J A N E I R O/J U N H O • V O L. 3 • Nº 17 • 2020
BEZERRA, L.C.; CAZARIN, G.; ALVES, C.K.A. Modelagem de
Programas: da teoria à operacionalização. In: SAMICO, I et al.
(Org.). Avaliação em Saúde: Bases conceituais e operacionais.
Rio de Janeiro: Medbook, 2011. p.15-28.
BRIDIS, C. et al. The use of formative evaluation to assess
integrated services for children. Eval Health Prof , v. 21, p. 77-90,
1998.
CENTERS FOR DESEASE CONTROL AND PREVENTION. Framework
for Program Evaluation in Public Health. MMWR, v. 48(11), p. 17,
1999.
CHAMPAGNE, F. et al. A avaliação no campo da saúde:
conceitos e métodos. In: BROUSSELE, A. (Org.). Avaliação:
Conceitos e Métodos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011.p.
41-60.
CHEN, H.T. Practical Program Evaluation: Assessing and
Improving, Planning, Implementation and Effectiveness.
London: Sage, 2005.
COSTA, J.M.B. et al. Monitoramento do desempenho da
gestão da vigilância. Ciência e Saúde Coletiva, v. 18, p. 1201-
1216, 2013.
DEZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. O planejamento da Pesquisa
Qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed,
2006.
DONABEDIAN, A. Evaluating the quality of medical care. Milbank
Mem Fund.,v. 44(3), p. 166-206, 1966.
______. Measuring and evaluating hospital and medical care.
Bulletin of the New York Academy of Medicine, v. 52(1), p. 51–59, 1976.
FALBO, G.H.; FRIAS, P.G. Le Diseguaglianze nella salute all’ interno
di una nazione Brasile. In: A Cro prezzo: Le diseguaglianze nella
salute. Pisa: Edizioni ETS, 2006.
FELICIANO, K.V.O. Abordagem qualitativa na avaliação em Saúde.
In: SAMICO, I et al. (Org.). Avaliação em Saúde: Bases conceituais e
operacionais. Rio de Janeiro: Medbook, 2010.
FELISBERTO, E. Da teoria à formulação de uma Política
Nacional de Avaliação em Saúde: reabrindo o debate.
Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, p. 553-563, 2006.
______. et al. Contribuindo com a institucionalização da
avaliação em saúde: uma proposta de auto-avaliação.
Cadernos de Saúde Pública, v. 24(9), p. 2091-2102, 2008.
______. et al. Política de monitoramento e avaliação da
atenção básica no Brasil de 2003 a 2006: contextualizando
implantação e efeitos. Revista Brasileira de Saúde Materno
Infantil, v. 9, p. 339-357, 2009.
______. et al. Evaluation Model for developing effective
indicators for health surveillance actions in Brazil. Revista
Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 18, p. 653-664, 2018.
FIGUEIRÓ, A.C. et al. A avaliação no contexto das mudanças
na organização e nas práticas de saúde. In: Freese E.
Municípios: a gestão da mudança em saúde. Recife: Ed.
Universitária UFPE, 2004.
______; FRIAS, P.G.; NAVARRO, L.M. Avaliação em Saúde: conceitos
básicos para a prática nas instituições. In: SAMICO I. et al. (Org.).
Avaliação em Saúde: Bases conceituais e operacionais. Rio de
Janeiro: Medbook, 2011.
FRIAS, P.G. et al. Avaliação da notificação de óbitos infantis ao
Sistema de Informações sobre Mortalidade: um estudo de caso.
Rev Bras Saude Matern Infant., v. 5, p. S43-51, 2005.
______. et al. Aleitamento Materno: intervenção no sistema local
de saúde no contexto SUS. In: ISLER H. O aleitamento Materno no
contexto atual. São Paulo: Sarvier, 2008.
______; LIRA, P.I.C.; HARTZ, Z.M.A. Evaluación de la implantación
de um proyecto para la reducción de la mortalidade infantil. In:
HARTZ & VIEIRA DA SILVA. Evaluación en Salud. Buenos Aires: Lugar
editorial, 2009.
______. et al. Utilização das informações para a estimação de
indicadores de mortalidade no Brasil: da busca ativa de eventos
70 71 R E V I S T A A V A L J A N E I R O/J U N H O • V O L. 3 • Nº 17 • 2020
vitais ao desenvolvimento de métodos. Cad Saude Publica, v.
33(3), e00206015, 2017.
FURTADO, J.P.; VIEIRA-DA-SILVA, L.M. A avaliação de programas
e serviços de saúde no Brasil enquanto espaço de saberes e
práticas. Cad. Saúde Pública, v. 30(12), p. 2643-2655, 2014.
GATES, E.F. Toward Valuing With Critical. Systems Heuristics.
American Journal of Evaluation, v. 39(2), p. 201-220, 2018.
GUBA, E.G.; LINCOLN, Y.S. Effective evaluation. San Francisco:
Jossey-Bass, 1981.
______. Fourth generation evaluation. Newbury Park: Sage
Publications, 1989.
HARTZ, Z.M.A. Avaliação em Saúde: dos modelos conceituais
à prática na análise de implantação de programa. Rio de
Janeiro: editora Fiocruz, 1997.
HOLMES, C. et al. Mortalidade infantil:análise da
heterogeneidade espacial em Olinda. 1994. Monografia
(Especialização Epidemiologia). CPqAM, Fiocruz, Recife, 1994.
MCLAUGHLIN, J. A.; JORDAN, G. B. Using logic models. In:
WHOLEY, J. S.; HATRY, H.P.; NEWCOMBER, K.E. (Ed.). Handbook of
Practical Program Evaluation. San Francisco: Jossey-Bass, 2010.
PATTON, M.Q. What is Utilization-Focused Evaluation?
In:______ (Org). Utilization Focused Evaluation. 4 th Edition.
Thousand Oaks: Sage Publications, 2008.
______. Evaluation Science. American Journal of Evaluation.
v.39(2), p.183-200, 2018.
PERNAMBUCO. Secretaria de Saúde. Mortalidade infantil em
Pernambuco (1980-1991): geografia, magnitude e significados.
Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1996a. (Série Salva Vidas, 2).
______. ______. Avaliação das ações de atenção integral à
saúde da criança: situação atual, grau de implantação e gestão
municipal. Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1996b. (Série Salva
Vidas, 4).
______. ______. Coletânea de Projetos relacionados a Mortalidade
infantil. Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1997a. (Série Salva
Vidas, 7).
______. ______. Salva Vidas: divulgação em jornais. Cadernos de
Avaliação. Recife: SES, 1997b. (Série Salva Vidas, 6).
______. ______. Aspectos da avaliação da estrutura
organizacional: rede de serviços, atenção materno infantil e
mortalidade infantil. Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1997c.
(Série Salva Vidas, 5).
______. ______. Registro Civil - direito de todos. Cadernos de
Avaliação. Recife: SES, 1997d. (Série Salva Vidas, 8).
______. ______. Diálogo de Saberes. Caderno de Educação em
Saúde, 2. Recife:SES, 1998a.
______. ______. Percepções teóricas e metodológicas. Caderno de
Educação em Saúde, 1. Recife: SES, 1998b.
______. ______. Condição de Vida e Mortalidade Infantil em
Pernambuco. Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1998c. (Série
Salva Vidas, 15).
______. ______. Diagnóstico estrutural das maternidades de
Pernambuco. Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1998d. (Série
Salva Vidas, 12).
______. ______. Avaliação sobre o manejo das infecções
respiratórias agudas em menores de 5 anos. Cadernos de
Avaliação. Recife:SES, 1998a. (Série Salva Vidas, 10).
______. ______. Atenção integral as doenças prevalentes
na infância- processo de implantação da estratégia em
Pernambuco. Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1998f. (Série
Salva Vidas, 14).
______. ______. Anais do IV Seminário sobre Mortalidade Infantil.
Cadernos de Avaliação. Recife: SES, 1998g. (Série Salva Vidas, 11).
ROSSI, P.H.; LIPSEY, M.W.; FREEMAN, H.E. Evaluation: a systematic
approach. 7. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2004.
72 73 R E V I S T A A V A L J A N E I R O/J U N H O • V O L. 3 • Nº 17 • 2020
RUGG, D. et al. Advances in Monitoring and Evaluation of HIV/
AIDS: from AIDS Case Reporting to Program Improvement.
In: ______(Org). Global Advances in HIV/ AIDS: Monitoring and
Evaluation. New Directions for Evaluation. N o 103, Fall 2004.
SAMICO, I.; FIGUEIRÓ, A.C.; FRIAS, P.G. Abordagens
Metodológicas na avaliação em Saúde. In: SAMICO. I. et al.
(Org.). Avaliação em Saúde: Bases conceituais e operacionais.
Rio de Janeiro: Medbook, 2010.
______. et al. Formação Profissional e Avaliação em Saúde:
Desafios na Implantação de Programas. Rio de Janeiro:
Medbook, 2015.
SCRIVEN, M. Hard-won lessons in program evaluation. New
Directions for Program Evaluation, 58. San Francisco: Jossey-
Bass, 1993.
SIMÕES, C.C. Estimativas da mortalidade infantil por
microrregiões e municípios. Brasília: Ministério da Saúde, 1999.
SOUSA, M.G.G.; SANTOS, E.M.; FRIAS, P.G. Avaliação do
grau de implementação do Projeto Nascer- Maternidades
relacionadas a sífilis congênita. In: SANTOS & CRUZ.
Avaliação em Saúde. Dos modelos teóricos à prática da
avaliação de programas de controle de processos endêmicos.
Rio de Janeiro: editora Fiocruz, 2014.
STUFFLEBEAM, D.L.; CORYN, C.L.S. Overview of the Evaluation
Field. In:____ (org.). Evaluation Theory, Models & Applications.
Second Edition. San Francisco: Jossey-Bass, 2014.
SZWARCWALD, C.L. Strategies for improving the monitoring of
vital events in Brazil. Int J Epidemiol., v. 37, p. 738-744, 2008.
______ et al. Correction of vital statistics based on a
proactive search of deaths and live births: evidence from
a study of the North and Northeast regions of Brazil. Popul
Health Metr., 12:16, 2014.
TANAKA, O.Y.; MELO, C. Reflexões sobre a avaliação em
serviços de saúde e a adoção das abordagens qualitativa
e quantitativa. In: BOSI, M.L.M.; MERCADO, F.J. (Org.).
Pesquisa Qualitativa de Serviços de Saúde. Petrópolis:
EditoraVozes, 2004.
VIDAL, S. A. et al. Estudo exploratório de custos e
consequências do pré-natal no Programa Saúde da Família.
Rev. Saúde Pública, v. 45 (3) p. 467-474, 2011.
WORTHEN, B.R.; SANDERS, J.R.; FITZPATRICK, J.L. O objetivo,
os usos e as distinções conceituais básicos da avaliação.
In:______ (Org.). Avaliação de Programas: Concepções e
Práticas. São Paulo: Editora Gente, 2004.
VANDERLEI, L.C.M.; BRAGA, M.C. A visita domiciliar como
estratégia de acompanhamento da saúde da criança
menor de 5 anos de idade - uma experiência com apoio do
Unicef. In: III Congresso Brasileiro de Pediatria. Anais. Rio de
Janeiro, 1986.
______.; NAVARRETE, M.L.V. Mortalidade infantil evitável e
barreiras de acesso a atenção básica no Recife, Brasil. Rev
Saúde Publica, v. 47(2), 379–389, 2013.
VÁZQUEZ, M.L. et al. Doctors’ experience of coordination
across care levels and associated factors. A cross-sectional
study in public healthcare networks of six Latin American
countries. Social science & medicine, v. 182, p. 10-19, 2017.
Publicado
2020-07-31
Seção
Artigos Inéditos