Os parques tecnológicos como agentes imobiliários na América Latina

  • Stephanie Torres Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
  • Silvana Alves Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
  • Francisco Vidal Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Palavras-chave: Parques tecnológicos. Gestão Imobiliária. Inovação.

Resumo

Parques tecnológicos são espaços físicos que articulam as atividades entre o governo, a academia e empresas para promoverem a disseminação de conhecimento e a competitividade regional e nacional, por meio da oferta de novos processos, produtos e serviços. Embora muito se tenha discutido sobre eles, ainda são poucos os estudos que se ocupam de sua análise no contexto da América Latina. Perante esse cenário, realizou-se um estudo de casos múltiplos para avaliar e comparar qualitativamente oito parques naquela região geográfica. Com base no conceito de habitat de inovação, foram identificados pontos-chave condicionantes que estão incorporados à gestão imobiliária de tais empreendimentos. Evidenciou-se, ainda, os macro- e microambientes que influenciam a sustentabilidade dos parques, o que permitiu traçar recomendações para viabilizar a cooperação e a integração dos pontos-chave na efetiva geração e transferência de tecnologias dos parques latino-americanos.

Biografia do Autor

Stephanie Torres, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (2016) / Integrante de: Grupo de Pesquisa “Semillero de Pensamiento Estratégico” vinculado ao grupo de pesquisa (GEOS) da USB Cali; Grupo de Pesquisa Empreendedorismo, Inovação, Conhecimento, Inteligência e Sustentabilidade (EICIS) e Núcleo de Pesquisa, Ensino em Marketing e Estratégia de Operações (NUME), ambos da UFMG.
Silvana Alves, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Doutoranda no Centro de Pós-graduação e Pesquisa em Administração (CEPEAD) da UFMG / Administradora do CEFET-MG.
Francisco Vidal, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Professor titular da UFMG / Coordenador do Grupo de Pesquisa Empreendedorismo, Inovação, Conhecimento, Inteligência e Sustentabilidade (EICIS) / Coordena projetos de Intercâmbio Internacional com universidades de diversos países: Alemanha, Argentina, EUA, Finlândia, México.

Referências

ABREU, L. B.; VALE, S. F.; CAPANEMA, L.; BOLOGNA, C. G. Parques tecnológicos: panorama brasileiro e o desafio de sus financiamento. Revista do BNDES. Rio de Janeiro, n. 45, p. 99-154, jun., 2016. Disponível em: < https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/9414>. Acesso em: 7 set. 2017.

ANGULO, G.; CHARRIS, M.; CAMANHO, J. Estudio cuantitativo de los factores que afectan el desempeño de los parques científico-tecnológicos (PCT). Universidad & Empresa, Bogotá: Colombia, v. 27, n. 16, p. 231-257, 2014.

ANGULO, G.; CAMACHO, J.; CHARRIS, M.; ROMERO, E. Prácticas de Gestión en Parques Tecnológicos: Un análisis comparativo entre Colombia y otros países. In: Congreso Internacional de Gestión Tecnológica e Innovación – COGESTEC, 4., 2014, Cartagena de Indias. Anais... Cartagena de Indias: 2014, p.21.

ANPROTEC; SEBRAE. Glossário dinâmico de termos na área de tecnópoles, parques tecnológicos e incubadoras de empresas / ANPROTEC; SEBRAE; Coordenação José Eduardo Azevedo Fiates e Sheila Oliveria Pires; Organização Adelaide Maria Coelho Baêta e Rosa Maria Neves da Silva. Brasília, 2002, p.124.

APTE. Asociación de parques Científicos y Tecnológicos de España. Definición de parque. Disponível em: <http://www.apte.org/es/definicion-de-parque.cfm>. Acesso em: 14 set. 2017.

ARGENTINA. Lei n. 23.877, de 28 de setembro de 1990. Regulamenta a promoção e fomento da inovação tecnológica. InfoLEG. Disponível em: <http://www.infoleg.gob.ar/infolegInternet/anexos/0-4999/277/norma.htm>. Acesso em: 15 ago. 2015.

AURP. Association of University Research Parks. What is a Research Park? Disponível em: <http://www.aurp.net/what-is-a-research-park>. Acesso em: 14 set. 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Trad. Luiz Antera Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BH-TEC. PARQUE TECNOLÓGICO DE BELO HORIZONTE. Linha do tempo. 2016. Disponível em: <http://bhtec.org.br/linha-do-tempo/>. Acesso em: 20 mar. 2016.

BIGLIARDI, B.; DORMIO, A. I.; NOSELLA, A.; PETRONI, G. Assessing science parks performances: directions from selected Italian case studies. Technovation, v. 26, n. 4, p.489-505, 2006.

BUENO, C. E. Los parques científicos y tecnológicos como espacios de encuentro multidisciplinar para la innovación. Encuentros multidisciplinares, n. 37, p. 1-9, 2011. Disponível em: <http://www.encuentros-multidisciplinares.org/Revistan%BA37/Eduardo_Bueno_Campos.pdf>. Acesso em: 14 set. 2017.

CHENG F.; OORT, F.; GEERTMAN, S.; HOOIMEIJER, P. Science Parks and the Colocation of High-tech Small- and Medium-sized Firms in China’s Shenzhen. Urban Studies, v. 51, n. 5, p. 1073-1089, 2013.

CHIOCHETTA, J. C. Proposta de um Modelo de Governança para Parques Tecnológicos. 2010. 209 f. Tese (Doutorado) Universidade Rio Grande do Sul, Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Porto Alegre. 2010.

CORREIA, A.; GOMES, M. Habitat’s de inovação na economia do conhecimento: identificando ações de sucesso. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 2, p. 32-54, 2012. Disponível em: <https://core.ac.uk/download/pdf/82825432.pdf>. Acesso em: 14 set. 2017.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. Tradução Magda Lopes, 3a ed. Porto Alegre: Artmed, 2010, p. 296.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: Universidade-Indústria-Governo: Inovação em Movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

EUROPEAN COMMISSION. Setting up, managing and evaluating EU science and technology parks: an advice and guidance report on good practice. Luxembourg: Publications Office of the European Union. 2014. Disponível em: <https://www.iasp.ws/ref.aspx?id=8513&action=show>. Acesso em: 07 set. 2017.

FARIA, F.; ALMEIDA, F.; ALVARENGA, L.; SUKUMI, S.; VELASQUEZ, S. Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais: Empresas, incubadoras de empresas e parques tecnológicos. 2017. Viçosa: NTG /UFV Disponível em: <http://www.centev.ufv.br/Recursos/Imagens_CK/files/EstudoAmbInova%C3%A7%C3%A3o-MG.pdf>. Acesso em: 07 set. 2017.

FIGLIOLI, A; SILVEIRA, G. Financiamento de parques tecnológicos: um estudo comparativo de casos brasileiros, portugueses e espanhóis. Revista de Administração, São Paulo, v. 47, n.2, p.290-306, abr./maio/jun. 2012.

GAINO, A. A. P.; PAMPLONA, J. B. Abordagem teórica dos condicionantes da formação e consolidação dos parques tecnológicos. Production Jornal, São Paulo , v. 24, n. 1, p. 177-187, mar. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/prod/v24n1/aop_prod_0174-11.pdf>. Acesso em: 14 de set. 2017.

GARGIONE, L. A.; PLONSKI, G. A.; LOURENÇÃO, P. T. M. Elementos críticos para modelagem de parques tecnológicos privados no Brasil. In: Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 24, 2006, Gramado. Disponível em: <http://www.anpad.org.br/admin/pdf/IPP819.pdf>. Acesso em: 24 jan. 2016.

GIUGLIANI, E. Modelo de Governanças para parques Científicos e Tecnológicos no Brasil. 2011. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão de Conhecimento, Florianópolis, 2011.

IASP. International Association of Science Parks and Areas of Innovation. Statistics. Disponível em: <http://www.iasp.ws/statistics>. Acesso em: 12 set. 2017.

LASTRES, H. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de Arranjos Produtivos e Inovativos Locais. Arranjos Produtivos Locais: uma nova estratégia de ação para o SEBRAE. Quarta Revisão, novembro, 2004.

MINCOMERCIO. Ministerio de Comercio, Industria y Turismo de Colombia. Políticas de parques tecnológicos. 2003. Bogotá: Ministerio de Desarrollo. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

MONCK, C.; PETERS, K. Science Parks as an Instrument of Regional Competitiveness: Measuring Success and Impact. In: XXVI IASP World Conference on Science and Technology Parks. Daedeok, 2009.

OLIVEIRA, F. H. P. O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos – parte 1: Alinhando expectativas: parques tecnológicos são exclusivos para pesquisa ou devem abrigar produção? 2008a (Artigo técnico). Disponível em: <http://4bfpc23fr6po2asm8o3tg4lh.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2010/07/O-desafio-de-implantar-Parques-Tecnologicos-Parte-1.pdf>. Acesso em: 5 de jul. 2016.

OLIVEIRA, F. H. P. O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos – parte 2: A escolha do terreno e o planejamento urbano como fatores de sucesso. 2008b (Artigo técnico). Disponível em: <http://4bfpc23fr6po2asm8o3tg4lh.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2010/07/O-desafio-de-implantar-Parques-Tecnologicos-parte-2.pdf>. Acesso em: 5 de jul. 2016.

OLIVEIRA, F. H. P. O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos – parte 3: Delimitando o foco de um parque tecnológico: os estudos de demanda e oferta tecnológica. 2008c (Artigo técnico). Disponível em: <http://4bfpc23fr6po2asm8o3tg4lh.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2010/07/O-desafio-de-implantar-Parques-Tecnologicos-parte-3.pdf>. Acesso em: 5 de jul. 2016.

OLIVEIRA, F. H. P. O Desafio de Implantar Parques Tecnológicos – parte final: Delimitando o framework de um parque tecnológico. 2009 (Artigo técnico). Disponível em: <http://4bfpc23fr6po2asm8o3tg4lh.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2010/07/930Delimitando_o_framework_de_implantacao_de_parques_tecnologicos_parte4.pdf >. Acesso em: 5 de jul. 2016.

PARQUE BIOPACÍFICO. PARQUE AGROINDUSTRIAL CIENTÍFICO Y TECNOLÓGICO DEL PACÍFICO. Localización. Disponível em: <http://www.parquebiopacifico.com/acerca/localizacion>. Acesso em: 20 mar. 2016.

PCTP. PARQUE CIENTÍFICO Y TECNOLÓGICO DE PANDO. Acerca del parque. Disponível em: <http://www.pctp.org.uy/es/acerca-de-pctp>. Acesso em: 20 mar. 2016.

PIETROVSKI, E. F.; ISHIKAWA, G.; CARVALHO, H. A.; LIMA, I. A.; RASOTO, V. I. Habitats de inovação tecnológica. In: Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica. 5. 2010. Maceió. Anais... Maceió: 2010. Disponível em: <http://connepi.ifal.edu.br/ocs/anais/>. Acesso em: 27 jan. 2016.

PTLC. PARQUE TECNOLÓGICO LITORAL CENTRO. Institucional. Disponível em: <http://www.ptlc.org.ar/institucional.php>. Acesso em: 20 mar. 2016.

PTG. PARQUE TECNOLÓGICO DE GUATIGUARÁ. Localización estratégica. Disponível em: <http://gtechpark.com/secciones-36-s/localizacin-estratgica.htm>. Acesso em: 20 mar. 2016.

PTS. PARQUE TECNOLÓGICO SONORA SOFT. About us. Disponível em: <http://www.sonorasoft.com.mx/about-us.aspx>. Acesso em: 20 mar. 2016.

REYES, S. T. GOVERNANÇA EM parques TECNOLÓGICOS: Um estudo multicaso comparativo na América Latina (Brasil, México, Argentina, Colômbia e Uruguai). 2016. 293 f. (Dissertação) Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Pós-graduação em Administração, Belo Horizonte, 2016.

REYES, S. T.; ALVES, S.; BARBOSA, F. V. governança corporativa de parques tecnológicos na América Latina. Revista Espacios, v. 38, n. 33, p. 25 jun./ago. 2017. Disponível em: <http://www.revistaespacios.com/a17v38n34/a17v38n34p25.pdf>. Acesso em 07 set. 2017.

RODRÍGUEZ-POSE, Andrés. Los parques científicos y tecnológico de América Latina: Un análisis de la situación actual. Washington: Banco Interamericano de Desarrollo, Jun. 2012. Disponível em: <https://publications.iadb.org/bitstream/handle/11319/3132/Los%20parques%20cient%C3%ADficos%20y%20tecnol%C3%B3gicos%20en%20Am%C3%A9rica%20Latina%20%282%29.pdf?sequence=1>. Acesso em 06 set. 2016.

SECRETARIA DE ECONOMIA. Reporte sobre parques tecnológicos. 2009. Disponível em: <http://amiti.org.mx/wp-content/uploads/2011/10/2009_Parques-tecnol%C3%B3gicos_EconomiaDigital.pdf >. Acesso em: 27 jan. 2016.

SONORA SOFT. Parque Tecnológico Sonora Soft. 2016. Disponível em: <http://www.sonorasoft.com.mx/>. Acesso em: 20 Dez. 2015. Acesso em: 14 jan. 2016.

TECNOPARQ. PARQUE TECNOLÓGICO DE VIÇOSA. Quem somos. Disponível em: <http://www.centev.ufv.br/tecnoparq/pt-br/quem-somos>. Acesso em: 20 mar. 2016.

TECNOSINOS. PARQUE TECNOLÓGICO DE SÃO LEOPOLDO. Histórico. Disponível em: <http://www.tecnosinos.com.br/o-parque/historico/>. Acesso em: 20 mar. 2016.

TONELLI, D.; MARQUESINI, M.; ZAMBALDE, A.; ALMEIDA, R. Implementação de parques tecnológicos como política pública: Uma revisão sistemática sobre seus limites e potencialidades. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 15, n. 2, p. 113-134, maio/ago., 2015.

UKSPA. United Kingdom Science Park Asso¬ciation. About UKSPA. Disponível em: <http://www.ukspa.org.uk/our-association/about-us>. Acesso em: 12 set. 2016.

UNESCO. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. Science and Technological Parks: Concept and Definition. Disponível em: <http://www.unesco.org/new/en/natural-sciences/science-technology/university-industry-partnerships/science-and-technology-park-governance/concept-and-definition/>. Acesso em: 20 jan. 2015.

ZEN, A.; HAUSER, G.; VIEIRA, C. parques tecnológicos: três modelos internacionais e a perspectiva para o movimento no Brasil. Anais... XIV Seminário ANPROTEC. Porto de Galinhas: ANPROTEC, 2004.

Publicado
2017-09-18
Como Citar
Torres, S., Alves, S., & Vidal, F. (2017). Os parques tecnológicos como agentes imobiliários na América Latina. Contextus – Revista Contemporânea De Economia E Gestão, 15(1), 84-121. https://doi.org/10.19094/contextus.v15i1.883
Seção
Artigos