Atração de pessoas nas startups: Discursos de sedução

Palavras-chave: startups, atração de talentos, retenção de talentos, processos seletivos, estratégias discursivas

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar estratégias de persuasão das startups para seduzir e atrair potenciais candidatos. Foram selecionadas oito startups por acessibilidadee, entrevistados os responsáveis pela Gestão de Pessoas destas. O corpus da pesquisa foi analisado pela Análise do Discurso. Os resultados apontaram para sete estratégias de persuasão no recrutamento, que são as oposições no discurso:nós versus eles, as redes sociais e o employer branding, os modismos do pop management, a diversidade como discurso, a flexibilidade, o ambiente descontraído e o discurso do crescimento. Todos estes temas aparecem como estratégias de persuasão e sedução que torna o discurso organizacional sutil e envolvente. As startups estabelecem implicitamente relações interdiscursivas com o discurso capitalista.

Biografia do Autor

Sabrina Guimarães de Faria, Universidade Federal de Viçosa

Graduada em Administração pela UFV

Bolsista de Iniciação Científica do CNPq

Adriana Ventola Marra, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Docente da Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Administração

Bruno Medeiros Ássimos, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutorando de Adminstração na PUC MINAS

Mariana Mayumi Pereira de Souza, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Administração

Professora Adjunta da UFV/CAF

Referências

Amber, T., & Barrow, S. The employer brand. Journal of Brand Management, 4(3), 185-206. https://doi.org/10.1057/bm.1996.42

Andrade, D. P. (2011). Empresa humana ou humano empresa? GV-Executivo, 10(1), 38-41. https://doi.org/10.12660/gvexec.v10n1.2011.22943

Blank, S. (2013). the Lean Startup Changes Everything? Harvard Business Review, 91(5), 63-72.

Bortolini, R. F., Cortimiglia, M. N., Danilevicz, A. D. M. F., & Ghezzi, A. (2018). Lean startup: a comprehensive historical review. Management Decision, 10(2), 1-19. https://doi.org/10.1108/MD-07-2017-0663

Cox, T., Jr. (1993). Cultural diversity in organizations: Theory, research and practice. San Francisco: Berrett-Koehler. Publishers.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto (2. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dabirian, A., Paschen, J., & Kietzmann, J. (2019). Employer branding: Understanding employer attractiveness of IT companies. IT Professional, 21(1), 82-89. https://doi.org/10.1109/MITP.2018.2876980

Davel, E., & Vergara, S. C. (2014). Gestão com Pessoas e Subjetividade (7. ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Demo, G., Fogaça, N., & Costa, A. C. (2018). Políticas e práticas de gestão de pessoas nas organizações: Cenário da produção nacional de primeira linha e agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, 16(2), 251-263. https://doi.org/10.1590/1679-395159073

Enriquez, E. (1997). O indivíduo preso na armadilha da estrutura estratégica. Revista de Administração de Empresas, 37(1), 18-29. https://doi.org/10.1590/S0034-75901997000100003

Faria, A. D. (2009). Aspectos de um discurso empresarial. In A. P. Carrieri, L. A. S. Saraiva & T. D. Pimentel (Orgs.). Análise do discurso em Estudos Organizacionais (pp. 45-52). Curitiba: Juruá.

Fiorin, J. L. (2013). Elementos de análise do discurso (15. ed.). São Paulo: Contexto.

Fiorin, J. L. (1998). Linguagem e ideologia (6. ed.). São Paulo: Editora Ática.

Fiorin, J. L., & Savioli, F. P. (1996). Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática.

Gergen, K. J. (2009). Realities and relationships: Soundings in social construction. Harvard: Harvard University Press.

Gergen, K. J. (1997). The place of the psyche in a constructed world. Theory & Psychology, 7(6), 723-746. https://doi.org/10.1177%2F0959354397076001

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de Pesquisa Social. (6. ed.). São Paulo: Atlas.

Godoi, C. K., & Mattos, P. L. C. L. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In C. K. Godoi, R. B. Melo & A. B. Silva. Pesquisa qualitativa em Estudos Organizacionais - Paradigmas, estratégias e métodos (pp. 301-323). São Paulo: Saraiva.

Itam, U., Misra, S., & Anjum, H. (2020). HRD indicators and branding practices: a viewpoint on the employer brand building process. European Journal of Training and Development, 44(6/7), 675-694. https://doi.org/10.1108/EJTD-05-2019-0072

Jorgensen, M. W., & Phillips, L. J. (2002). Discourse analysis as theory and method. Sage.

Karnes, R. E. (2009). A change in business ethics: The impact on employer–employee relations. Journal of Business Ethics, 87(2), 189-197. https://doi.org/10.1007/s10551-008-9878-x

Maffia, L. F. C. M., Couto, M. H. G., Santos, R. F., Oliva, F. L., Grisi, C. C. H., & Corrêa, H. L. (2018). Premissas e benefícios do modelo de gestão colaborativo em 'startups’. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(1), 71-94. https://doi.org/10.18226/23190639.v6n1.04

Marra, A. V., Faria, S. G., Oliveira, I. T., & Almeida, N. V. (2019). “Lobo em pele de cordeiro”: o que dizem as startups para atrair talentos. Horizontes Interdisciplinares da Gestão, 4(1), 65-83.

Miranda, J. Q., Santos, C. D., Jr, & Dias, A. T. (2016). A influência das variáveis ambientais e organizacionais no desempenho de Startups. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 5(1), 28-65. https://doi.org/10.14211/regepe.v5i1.256

Merton, R. K. (1970). Sociologia: Teoria e Estrutura. São Paulo: Mestre Jou.

Lacombe, B. M. B., & Reis, G. G. (2016). Atraindo talentos por meio do Employer Branding. GV-Executivo, 15(1), 18-21.

Lima, M. P. (2013). As mulheres na Ciência da Computação. Revista Estudos Feministas, 21(3), 793-816. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000300003

Mulvey, T. (2013). SHRM survey findings: Social networking websites and recruiting/selection. Washington DC: Society for Human Resource Management.

Oliveira, A. C. (2017). Nem sempre as startups são uma boa escolha para sua carreira. Exame, 8 ago 2017. https://exame.abril.com.br/carreira/nem-sempre-as-startups-saouma-boa-escolha-para-sua-carreira

Oliveira, F. B., & Zotes, L. P. (2018). Valuation methodologies for business startups: a bibliographical study and survey. Brazilian Journal of Operations & Production Management, 15(1), 96-111. https://doi.org/10.14488/BJOPM.2018.v15.n1.a9

Oltramari, A. P., Córdova, R., & Tonelli, M. J. (2019). Trabalhador-consumidor: a atração de jovens pelo employerbranding na escolha profissional. Cadernos EBAPE. BR, 17(SPE), 750-764. https://doi.org/10.1590/1679-395176652

Ployhart, R. E., Schmitt, N., & Tippins, N. T. (2017). Solving the supreme problem: 100 years of selection and recruitment at the Journal of Applied Psychology. Journal of Applied Psychology, 102(3), 291-304. https:// doi.org/10.1037/apl0000081

Pabst, F., & Siqueira, M. V. S. (2008). Discurso organizacional como manifestação de poder: um estudo com executivos de empresas modernas. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 10(29), 376-390.

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V., & Descendre, D. (1993). O poder das organizações. São Paulo: Atlas.

Pinochet, L. H. C., Souza, I., Lopes, E. L., & Bueno, R. L. P. (2018). Fatores antecedentes da tomada de decisão na criação de startups na perspectiva de jovens estudantes universitários. Revista da Micro e Pequena Empresa, 12(1), 33-50. https://doi.org/10.21714/19-82-25372018v12n1p3350

Rocha, R. O., Olave, M. E. L., & Ordonez, E. D. M. (2019). Estratégias de innovación para empresas startups. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 13(1), 46-62. https://doi.org/10.12712/rpca.v13i1.27394

Rhodes, C., & Brown, A. D. (2005). Narrative, organizations and research. International Journal of Management Reviews, 7(3), 167-188. https://doi.org/10.1111/j.1468-2370.2005.00112.x

Russell, S., & Brannan, M. J. (2016). “Getting the right people on the bus”: Recruitment, selection and integration for the brandedorganization. European Management Journal, 34(2), 114-124. https://doi.org/10.1016/j.emj.2016.01.001

Siqueira, M. V. S. (2004). O discurso organizacional em recursos humanos e a subjetividade do indivíduo: uma análise crítica (tese de doutorado). Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/2552/98399.pdf?sequence=2&isAllowed=y

Siqueira, M. V. S. (2006) Gestão de pessoas e discurso organizacional: Crítica à relação indivíduo-empresa nas organizações contemporâneas. Goiânia: Editora da UCG.

Souza, F. A. S., Lemos, A. H. C., Cavazotte, F. S. C. N., & Malva, T. R. J. (2015). Atraindo novos funcionários para empresas de alta performance: Uma crítica às razões dos profissionais de recursos humanos. Cadernos EBAPE.BR, 13(1), 103-120. https://doi.org/10.1590/1679-395111500

Souza, M. M. P., & Carrieri, A. P. (2014). Análise do discurso em estudos organizacionais. In E. M. Souza (Org.). Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: Uma abordagem teórico-conceitual. Vitória: EDUFES.

Van Dijk, T. (2000). El discurso como interacción social (2. ed.). España: Gedisa Editorial.

Vieira, F. O. (2014). “Quem vê cara, não vê coração”: Aspectos discursivos e eufemísticos dasedução organizacional que disfarçam violência e sofrimento no trabalho. Revista Economia & Gestão, 14(36), 194-220.

Watson, T. J. (2009). Narrative, life story and manager identity: A case study in autobiographical identity work. Human Relations. 62(3), 425-452. https://doi.org/10.1177%2F0018726708101044

Wood, T., Jr., & Paes de Paula, A. P. (2006). A mídia especializada e a cultura do management. Organizações & Sociedade, 13(38), 91-105. https://doi.org/10.1590/S1984-92302006000300006

Publicado
2021-03-08
Como Citar
Faria, S. G. de, Marra, A. V., Ássimos, B. M., & Souza, M. M. P. de. (2021). Atração de pessoas nas startups: Discursos de sedução. Contextus – Revista Contemporânea De Economia E Gestão, 19, 59-70. https://doi.org/10.19094/contextus.2021.61610
Seção
Artigos