O ANTIPLATONISMO PRÁTICO DE MAX STIRNER: APROPRIAÇÃO PESSOAL VS. EMANCIPAÇÃO HUMANA

José Crisóstomo de Souza

Resumo


Stirner é melhor entendido como um crítico da Modernidade, mas sobretudo como um filósofo existencial da apropriação de ou do retorno a si mesmo, o que para ele envolve uma espécie de perspectivismo em primeiro lugar corpóreo e individual. Como jovem (anti-)hegeliano, ao lado – e concorrente - de Marx, Feuerbach e Bruno Bauer, Stirner volta-se contra a alienação de si na sociedade concebida como substância e igualmente contra o humano concebido como sua essência e medida, tarefa e vocação. Daí decorrem suas posições a favor da livre associação dos indivíduos enquanto únicos (já no interior da sociedade vigente, “tradicional”), a favor de uma rebeldia entendida como soerguimento e florescimento pessoais (ainda que eventualmente dentro de uma revolução social, coletiva, que aquele soerguimento teria necessariamente que completar), e de uma apropriação e fruição de si mesmo, que só dependeria em última análise dele próprio. O indivíduo é então agora, para si, senhor e medida de si mesmo, ainda que isso possa parecer muito pouco de um lado, ou intoleravelmente ofensivo de outro. O que Stirner chama provocativamente de egoísmo não é muito mais do que isso. Frente a seus rivais “teóricos”, ele se recusa a dar a sua posição egoísta o caráter de Crítica mais verdadeira, já que todas as críticas teóricas dependeriam sempre em última análise de um dogma e de um pensamento. Mas apenas o caráter de uma atitude de espontaneidade recuperada/desenvolvida, desejante mais do que pensante, de apropriação, de criação e de autocriação pessoais.

Palavras-chave


Modernidade. Antiessencialismo. Apropriação. Crítica. Egoísmo.

Texto completo:

PDF

Referências


CORNU, Auguste. Carlos Marx & Federico Engels. V. 4. La Habana: Editora de Ciencias Sociales, 1975.

DE SOUZA, José Crisóstomo. A questão da individualidade: a crítica do humano e do social na polêmica Stirner-Marx. São Paulo: Editora da UNICAMP, 1993.

DE SOUZA, José Crisóstomo. Ascensão e queda do sujeito no movimento jovem hegeliano. Salvador: Editora da UFBA, 1992.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche et la philosophie. Paris: Presses Universitaires de France, 1970.

ESPINOSA, Baruch de. Tratado político. In: Espinosa (Col. Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. 303-66.

FERRY, L. e RENAUT, A. Pensamento 68: ensaio sobre o anti-humanismo contemporâneo. São Paulo: Editora Ensaio, 1988.

FEUERBACH, Ludwig. “Contribution à la Critique de la Philosophie de Hegel.” In Manifestes philosophiques: textes choisis (1839-1845). Paris: Presses Universitaries de France, 1960, p. 11-56.

HESS, Moses. “Die letzten Philosophen.” (Os Últimos Filósofos). In: Löwith, Karl. Die hegelsche Linke. Stuttgart: Friedrich Frommann Verlag, 1962, p. 47-62. Trad. ing.: The Recent Philosophers. In: The young hegelians, an anthology. Cambridge: Cambridge University Press, 1983, p. 359-76.

HOBBES, Thomas. Leviathan. In: Great Books, v. 23. Chicago: Britannica, 1952, p. 39-283.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

LYOTARD, Jean-François. “Derives”. In: Dérive à partir de Marx et Freud. Paris: UGE, 1973, col. 10/18.

MARX, Karl. Manuscrits de 1844 (Manuscritos Econômicos e Filosóficos). Paris: Éditions Sociales, 1972.

MARX, Karl, e ENGELS, Friedrich. Die deutsche Ideologie. Marx & Engels Werke, v. 3. Berlim: Dietz Verleg, 1958. Trad. francesa L’Ideologie allemande. Paris: Editions Sociales, 1968.

MARX, Karl, e ENGELS, Friedrich. La sainte famille. Paris: Éditions Sociales, 1972.

NAVILLE, Pierre. De l’aliénation à la jouissance. Paris: Éditions Anthropos, 1974.

NIETZSCHE, FRIEDRICH. La gaia scienza. Roma: Editora Riuniti, 1983.

ROSSI, Mario. Da Hegel a Marx – IV: La concezione materialistica della storia. Roma: Feltrinelli, 1975

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Du contrat social. Paris: Editions Sociales, 1971.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Projeto de constituição para a Córsega. In: Obras, v. II. Porto Alegre: Editora Globo, 1962, p. 191-253.

STIRNER, Max. Der Einzige und sein Eigentum. Stuttgart, Philip Reclam, 1972. Trad. francesa: L‟Unique et sa proprieté, trad. de Robert Réclaire. Paris: Stock et Plus, 1978.

STIRNER, Max. “Rezensenten Stirners” ou “L’Anticritique”. Edição bilingue. Paris: Aubier Montagne, 1974, p. 41-77.

THOMAS, Paul. Marx and the Anarchists. Londres: Routledge and Kegan Paul, 1980.




DOI: http://dx.doi.org/10.30611/2018n12id33207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2317-2010

Indexadores:


Portal de Periódicos da UFC

Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - SEER

Sistema Regional de Información en Linea para Revistas Cientificas de America Latina, Caribe, España y Portugal - LATINDEX

CNEN Revista de Livre Acesso - LivRe

Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - CLASE

Elektronische Zeitschriftenbibliothek - EZ3

Information Matrix for the Analysis of Journals - MIAR

European Reference Index for the Humanities and Social Sciences - ERIHPLUS

Academic Resource Index – Research Bible

Sumários de Revistas Brasileiras – Sumários.org

Academic Keys Humanities - Professional and Technical Journals

OAJI.net – Open Academic Journals Index

Beluga

WorldCat OCLC

SIS – Scientific Indexing Services

InfoBase Index

Portal de Periódicos CAPES

Biblat - Bibliografía Latinoamericana

Diadorim