CONHECIMENTO “SEM MAIS” E A QUESTÃO DO PRINCÍPIO DA CIÊNCIA NOS SEGUNDOS ANALÍTICOS DE ARISTÓTELES

Palavras-chave: Conhecimento, Demonstração, Princípios, Aristóteles, Platão

Resumo

Aristóteles inicia o livro dos Segundos Analíticos afirmando que a relação inerente ao ensino/aprendizagem é oriunda de um conhecimento prévio. Também, diz que o conhecimento científico demonstrativo, ao possibilitar um conhecimento sem mais, escapa da dificuldade presente no Mênon, de Platão. Basicamente, essa aporia expressa a impossibilidade de se conhecer, de fato, algo, uma vez que, ao se assumir um dos seguintes dois pontos de partida, nos perceberemos sem saída: 1) a ignorância: se não se sabe algo, como buscar conhecê-lo? Ou, se ao encontrá-lo, como saber se isso era o que se estava a procurar? 2) conhecimento prévio: se se conhece previamente algo, podemos chamar de conhecimento aquilo que se alcança à medida que já sabíamos? Pelo fato de Aristóteles, além de estar consciente da aporia do Mênon, indicar o conhecimento científico demonstrativo como livre da problemática do Diálogo de Platão, buscaremos neste artigo compreender, tanto o que é o conhecimento sem mais nos Segundos Analíticos, como, em que medida, ele, partindo de um conhecimento prévio, supera a aporia supracitada. Veremos que é razoável afirmar que na demonstração de um silogismo obtemos um certo tipo de conhecimento, muito embora isto não seja suficiente para sanar as dúvidas e os impasses que surgem do próprio fundamento desse conhecimento científico por demonstração.

Referências

ANGIONI, L. Conhecimento e opinião em Aristóteles (Segundos Analíticos 1.33), s/d, GT – Aristóteles, Unicamp, pp. 329-341.

ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. Edson Bini, Edipro, 2012.
_______. Posterior analytics. Trad. Jonathan Barnes, Clarendon Press, Oxford, 1993.

_______. Segundos analíticos, Livro I. Trad. Lucas Angioni, Clássicos da Filosofia: Cadernos de Tradução, nº 7, UNICAMP, 2004a.

_______. Segundos analíticos, Livro II. Trad. Lucas Angioni, Clássicos da Filosofia: Cadernos de Tradução, nº 7, UNICAMP, 2004b.

GUEDES, A. O conceito de nous e sua relação com o conceito de dianoia no pensamento de Aristóteles. In: Inquietude, vol. 06, nº 02, p. 52-74, Goiânia, jul/dez 2015.

LESHER, J.H., The Meaning of ΝΟΥΣ in the Posterior Analytics. In: Phronesis, Vol. 18, Nº 1, pp. 44-68, 1973.

PLATÃO. Teeteto. Trad. Adriana Manuela Nogueira e Marcelo Boeri, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2010.

PORCHAT, O. Sobre a doutrina aristotélica dos princípios das ciências, Réplica a Francis Wolff. In: Analytica, V. 8, nº1, 2004b, pp. 189 – 238.

_______. Voltando à dialética de Aristóteles, réplica a Marco Zingano. In: Analytica, V. 8, nº1, 2004, p. 143.

ZINGANO, M. Dialética, indução e na aquisição dos primeiros princípios. In: Analytica, V. 8, nº1, 2004, pp. 27-41.
Publicado
2021-08-28
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação (III)