CLIO NO PALÁCIO DE MINERVA: DIÁLOGOS EPISTEMOLÓGICOS

Palavras-chave: Ensino, História, Ciência, Conhecimento

Resumo

Este artigo parte do pressuposto de que o debate sobre se a História é Ciência é sempre atual e necessário. Desse modo, esta escrita tem por objetivo principal explicitar as principais concepções e acepções sobre História e Ciência na perspectiva teórico-metodológica do conhecimento. Para tanto, buscou-se fundamentação em fontes secundárias de livros e artigos de periódicos científicos que abordam qualitativamente as principais categorias expostas no título desta pesquisa de cunho teórico-bibliográfico. No tocante à interpretação das fontes, aplicou-se a análise do conteúdo e do discurso como técnicas no âmbito de um processo histórico-dialético-crítico. Em conclusão, percebe-se que o conteúdo textual buscou atender às demandas suscitadas na problemática e no objetivo principal, visando trazer uma contribuição acadêmico-científica de forma relevante. Por fim, restou demonstrado que a História é Ciência de raciocínio e essencialmente investigativa, que busca o conhecimento das ações ou omissões dos viventes no tempo e no espaço, seus efeitos, impactos ou sentidos nos diferentes contextos da sociedade.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BACHELARD, Gaston. A intuição do instante. Campinas: Verus, 2007.

BACON, Francis. Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza: Nova Atlântida. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

BARROS, Aidil Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia. São Paulo: Makron, 2000.

BARROS, José D’Assunção. Teoria da História. Petrópolis: Vozes, 2011.

BLOCH, March. Apologia da História ou O ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRAUDEL, Fernand. Reflexões sobre a História. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales: 1929-1989. São Paulo: Unesp, 1991.

CARR, Edward Hallett. Que é história?. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

CARRETERO, Mario. Documentos de identidade: a construção da memória histórica em um mundo globalizado. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DEMO, Pedro. Saber pensar é questionar. Brasília, DF: Liber, 2010.

DOSSE, François. A História. Bauru: Edusc, 2003.

FARACO, Carlos Alberto. Linguística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola, 2005.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. A razão na História: uma introdução geral à Filosofia da História. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2001.

HOBSBAWM, Eric J. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). Leopold Von Ranke: História. São Paulo: Ática, 1979.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LE GOFF, Jacques. História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

LUFT, Celso Pedro et al. Minidicionário Luft. São Paulo: Ática, 2000.

MARTINHO RODRIGUES, Rui. História, fontes e caminhos da educação e da cultura. In: CAVALCANTE, Maria Juraci Maia et al. (Org.). Escolas e culturas: políticas, tempos e territórios de ações educacionais. Fortaleza: UFC, 2009. p. 422-441.

MARTINHO RODRIGUES, Rui. Teorias, fontes e período na pesquisa histórica. In: CAVALCANTE, Maria Juraci Maia et al. (Org.). História da educação – vitrais da memória: lugares, imagens e práticas culturais. Fortaleza: UFC, 2008. p. 435-454.

MARTINHO RODRIGUES, Rui. Pesquisa acadêmica: como facilitar o processo de preparação de suas etapas. São Paulo: Atlas, 2007.

MORAIS, Regis de. Filosofia da ciência e da tecnologia: introdução metodológica e crítica. 5. ed. Campinas: Papirus, 1988.

MOTA, Myriam Becho; BRAICK, Patrícia Ramos. História: das cavernas ao Terceiro Milênio. São Paulo: Moderna, 1997.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 1972.

POPPER, Karl. Conjecturas e refutações. Brasília, DF: UnB, 1982.

QUEIROZ, Tânia Dias. Dicionário prático de pedagogia. São Paulo: Rideel, 2003.

RIBEIRO, Paulo Rodrigues. A História científica do século XIX. In: ALENCAR, Maria Amélia Garcia de (Org.). A história da história. Goiânia: UEG, 2005. p. 43-64.

SOUSA, Raylane Marques; CHAGAS, Eduardo F. Nietzsche, o intempestivo: sobre os excessos da história científica e o não-histórico. Revista Dialectus, Fortaleza, v. 4, n. 10, p. 232-247, 2017. DOI: https://doi.org/10.30611/2017n10id19931. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/dialectus/article/view/19931/30572. Acesso em: 2 out. 2020.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

XAVIER, Antônio Roberto; FIALHO, Lia Machado Fiuza; VASCONCELOS, José Gerardo. História, memória e educação: aspectos conceituais e teórico-metodológicos. Fortaleza: UECE, 2018.
Publicado
2021-08-28
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação (III)