UMA BREVE INVESTIGAÇÃO SOBRE O ETHOS CIENTÍFICO EM UM MUNDO HIPERMODERNO

Palavras-chave: Hipermodernidade, Cultura, Progresso Científico

Resumo

Ao tratar do ethos científico, o artigo tenciona discutir os novos sentidos hipermodernos que dirigem a conduta social e, por conseguinte, o “fazer científico”, por vezes limitado à prática experimental que prescinde das discussões prévias sobre suas condições sociais. Não se pretende subalternar a ciência, enquanto corpo de conhecimento, à mera condição de algo dependente do caráter social em que se encontra nem reduzir e converter a ciência a questões sociológicas, mas de destacar como o ethos científico, produto de seu contexto social e, desse modo, posterior a todo um movimento primariamente humano, pode alterar o que entendemos por ciência. Com isso, esse trabalho pretende não discorrer sobre o que é a ciência, afinal, ou sobre as estruturas que compõem as revoluções científicas, mas sobre as condições sociais e os valores intrínsecos a novas urgências, sem, no entanto, provocar a redução ingênua da metodologia científica ao que se destacou aqui como “ethos científico”.

Referências

ARON, R. As etapas do pensamento sociológico. Tradução de Sérgio Bath. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CHALMERS, A. F. O que é ciência, afinal? Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Brasiliense, 1993.

_____. a fabricação da ciência. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1994.

HUME, D. Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

FREITAS, R. S. Sociologia do conhecimento, pragmatismo e pensamento evolutivo. Bauru, SP: EDUSC, 2003.

GIACOIA JR, Oswaldo. Nietzsche: fim da metafísica e os pós-modernos. In: Metafísica Contemporânea, por Guido Imaguire, Custódio Luis S. Almeida, Manfredo Araújo de Oliveira (Org.), p. 13-39. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1986.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2013.

LIPOVETSKY, G. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. Tradução de Victor Silva. Edições 70, 2010.

_____. Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

_____. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LIPOVETSKY, Gilles; GANITO, Carla – Entrevista a Gilles Lipovetsky. Entrevista de Carla Ganito. Comunicação & Cultura. Lisboa. ISSN 1646-4877.9 (Primavera-Verão 2010) 155-163.

NIETZSCHE, F. Obras Incompletas. Tradução de Rubens R. T. Filho. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

_____. Genealogia da Moral: uma polêmica. Tradução de Paulo César Lima de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 1998.

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, A. A filosofia da práxis. Tradução de Luiz Fernando Cardoso. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1977.

_____. Ética. Tradução de João Dell’Anna. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2008.

_____. Entre a realidade e a utopia. Tradução de Gilson B. Soares. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2001.

VATTIMO, G. La fin de La modernitè: nihilisme et herméneutique dans la culture postmoderne. Traduit de L’italien par Charles Alunni. Garzanti Editore, 1985.
Publicado
2021-08-28
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação (III)