OS USOS DA TECNOLOGIA COMO MECANISMO BIOPOLÍTICO

Palavras-chave: Tecnologia, Biopolítica, Ética, Máquinas Inteligentes

Resumo

O presente artigo busca problematizar os impactos dos usos da tecnologia no que se refere ao desenvolvimento social. Ou seja, compreender quais as consequências das chamadas máquinas inteligentes e das ferramentas de informação e gestão utilizadas para a administração das relações e das produções na contemporaneidade. Esses usos serão tematizados a partir de Feenberg pela discussão do envolvimento tecnológico com o mundo e da mudança de nossa perspectiva de abordagem, entendimento e relacionamento com a realidade em função desse novo modo; e a partir de Foucault, discutindo os usos da tecnologia como parte de um fazer político orientado para o atendimento das demandas mercadológicas, que repercute em controle subjetivo e não administração dos problemas da realidade. Como resultado do artigo se apresenta a necessidade da aplicação da perspectiva ética como condição para qualificação dos usos da tecnologia e seu o comprometimento com os processos de emancipação humana.

Referências

ANDREOTTI, Bruno. Biopoder, biopolítica e multidão: Uma análise do desdobramento conceitual de Foucault em Antônio Negri. REU, Sorocaba, SP, v. 37, n. 2, p. 59-79, dez. 2011.

CAMILO, Juliana Aparecida de Oliveira e FURTADO, Rafael Nogueira. O conceito de biopoder no pensamento de Michel Foucault. Revista Subjetividades, vol.16 n. 3 - Fortaleza / Dezembro de 2016. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2359-07692016000300003.

CASSIANO, Jeferson Martins. Fazer produzir e deixar consumar: as tecnologias de poder em Michel Foucault. Ipseitas, São Carlos, 2016, vol. 2, n. 2, p. 154-177.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. 238 p.

DOMINGOS, Pedro. O algoritmo mestre. São Paulo: Novatec Editora, 2017.

DURÁN, Juan Manuel. Ciencia de la computación y filosofía. Epistemology and Logic Research Group, Federal University of Santa Catarina (UFSC), Brazil, 2018. 227 p. Disponível em : https://www.researchgate.net/publication/330642140_Ciencia_de_la_computacion_y_filosofia_unidades_de_analisis_del_software

FEENBERG, Andrew. Tecnologia, modernidade e democracia. Org. e Trad. Eduardo Boeira. MIT Portugal, 2015. 233 p. Disponível em https://www.sfu.ca/~andrewf/TECNOLOGIA_MODERNIDADE_DEMOCRACIA.pdf.

_________. Ciencia, tecnología y democracia: distinciones y conexiones. Revista Latino-Americana de Filosofia e História da Ciência. São Paulo, v. 7, n. 1, março de 2009. 184 p.

FEENBERG, Andrew. A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Org. e Trad. Ricardo T. Neder. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/CDS/UNB/Capes, 2010.

FRANSSEN, Maarten, LOKHORST, Gert-Jan and VAN DE POEL, Ibo. Philosophy of Technology. The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2018 Edition), Edward N. Zalta (ed.), forthcoming. https://plato.stanford.edu/archives/fall2018/entries/technology/.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 4a ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

________________. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LUGER, George F. Inteligência Artificial. Estruturas e estratégias para a solução de problemas complexos. 4ª ed. Porto Alegre: Boookmann, 2004. 774 p.

MACCARTHY, Jonh. The philosophy of AI and the AI of philosophy. Stanford University – Computer Science Department. 2006. Disponível em http://jmc.stanford.edu/articles/aiphil2.html.

________________. Some philosophical problems from the standpoint of artificial intelligence. Computer Science Department, 1969. Disponível em http://www-formal.stanford.edu/jmc/mcchay69.ps.

MACKENZIE, Adrian. Machine learners: archaeology of a data practice. Cambridge, MA: The MIT Press, 2017. 267 p.

MARX, Karl. O capital.
Disponível em https://www.marxists.org/portugues/marx/1867/ocapital-v1/index.htm. Versão HTML por José Braz, 2005.

MITCHELL, Tom Michael. Machine Learning. United States: McGraw-Hill International Editions, 1997, 413 p.

NOVAES, Henrique; DAGNINO, Renato. The fetish of technology. Revista ORE & DEMO (Marília), v.5, n.2, p. 189-210, 2004.

O´NEIL, Cathy. Weapons of math destruction: how big data increases inequality and threatens democracy. New York: Crown Publishers, 2016. Disponível em https://we.riseup.net/assets/404114/Weapons+of+Math+Destruction+Cathy+O%27Neil.pdf.
Publicado
2021-08-28
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação (III)