TRABALHO FUNDANTE E SUBSTÂNCIA DO SER SOCIAL SEGUNDO O ÚLTIMO LUKÁCS – OBSERVAÇÕES PRELIMINARES

Palavras-chave: Ontologia do Ser Social, Trabalho Fundante, Substância, Lukács, Marx

Resumo

O artigo, tem por objetivo demonstrar que Lukács, em sua Para uma Ontologia do Ser Social, situa a categoria trabalho (universal/geral) como fundante do Ser Social, categoria acionadora do processo de afastamento da barreira natural que associa-se ao processo de humanização do ser humano. A humanização do ser humano se revela como a substância específica do ser social. Substância que é continuidade na mudança, mas que também se modifica de acordo com cada formação social específica em que se apresenta e manifesta fenomenicamente. Decorre que a compreensão de substância oferecida por Lukács é totalmente distinta da apreensão idealista-religiosa predominante em amplos setores da tradição filosófica ocidental. Para Lukács, a possibilidade de se identificar a permanência, permite que se capture a coisa enquanto essência. Ainda assim, trata-se de uma essência em permanente devir e que se instaura a partir da protoforma do agir humano – o trabalho geral/universal. Por fim, o artigo expõe o tratamento dado por Lukács ao conceito de liberdade e como esse conceito de liberdade se associa ao de substância do ser social.

Referências

ARAUJO, P. H. F.. Dominação Abstrata. Capital: Sujeito Histórico. GERMINAL: Marxismo e Educação em Debate, v. 12, p. 348-362, 2020a.

ARAUJO, P. H. F. As categorias classes sociais e Estado no Livro Primeiro de O capital. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, v. 56, p. 21-47, 2020b.

ARAUJO, P. H. F. Notas Críticas à compreensão de Lênin sobre o Estado: revisitando O Estado e a Revolução. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, v. 50, p. 114-141, 2018.

ARAUJO, P. H. F. Marx: Capital, Estado e política: notas. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, v. 43, p. 37-62, 2016.

CHASIN, J. Marx: Estatuto Ontológico e Resolução Metodológica, São Paulo: Boitempo, 2009, 253p.

DUAYER, M.; ARAUJO, P. H. F. Trabalho Abstrato, Objetivação, Alienação, Fetiche – Marx lido por Postone. In: Anais do XXV Encontro Nacional de Economia Política, Salvador, 2020a.

DUAYER, M.; ARAUJO, P. H. F. Valor como Forma de Mediação Social: Interpretação de Marx a partir de Postone. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, v. 57, p. 45-82, 2020b.

DUAYER, M.; ARAUJO, P. H. F. Para a crítica da centralidade do trabalho: contribuições de Lukács e Postone. Revista Em Pauta, v. 13, p. 15-36, 2015.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I, São Paulo: Boitempo, 2012, 436p.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II, São Paulo: Boitempo, 2013, 845p.

LUKÁCS, G. História e Consciência de Classe – Estudos sobre a dialética marxista, São Paulo: Martins Fontes, 2003. 598p.

MARX, K. H. O capital: crítica da economia política: livro 1: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2017. 894p.

MARX, K. H. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011b. 788p.

POSTONE, Moishe. Tempo, trabalho e dominação social: uma reinterpretação da teoria crítica de Marx. São Paulo: Boitempo, 2014. 483p.
Publicado
2021-08-28