CITTÀ DI ROMA, "LIVRO DE MEMÓRIAS"?

  • Sheila dos Santos Silva Universidade Vale do Rio Verde

Resumo

A escritora Zélia Gattai escolheu escrever e compartilhar com os leitores suas lembranças. Em virtude disso, suas obras são formadas, em sua maioria, por narrações de suas lembranças e das recordações de sua família. Partindo disso, este artigo tem o objetivo de analisar e discutir a classificação da obra Città di Roma (2000), da referida autora, uma vez que este livro apresenta características de narrativas biográficas, autobiográficas, memorialísticas e autoficcionais. Ao analisar as fichas catalográficas de diferentes edições e de editoras distintas foi possível observar a divergência na classificação da obra. Além disso, o presente trabalho visa ponderar o papel – autora, personagem, narradora – que a escritora assume ao narrar suas memórias e as características que são utilizadas para conferir veracidade aos fatos narrados.  Dessa forma, foi possível concluir, a partir da obra em questão, que não há uma fórmula a ser seguida para se narrar a própria vida, nem uma pureza de elementos que permitam apontar esta narrativa como sendo apenas um livro de memórias, uma autobiografia, uma biografia, uma autoficção, entre outras possibilidades alcançadas pela combinação entre esses gêneros.

Biografia do Autor

Sheila dos Santos Silva, Universidade Vale do Rio Verde

Programa de Mestrado em Letras (UNINCOR);

Área de concentração: Literatura, História e Cultura

Referências

ARAGÃO, Maria Lucia. Memórias literárias na modernidade. Letras, Santa Maria, n. 3, jan./jun. 1992. Disponível em: <http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/letras/article/view/11423/6898>. Acesso em: 10 ago. 2015.

AMARAL, Glaucy Cristina do. A narração memorialística em A casa do Rio Vermelho, de Zélia Gattai: uma meta-memória. 2010. 85 f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: <https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/14929>. Acesso em: 10 ago. 2015.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas de subjetividade contemporânea. Tradução Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2010.

BEVILAQUA, Ceres Helena Ziegler. História e memória em Um Chapéu para Viagem de Zélia Gattai. In: SEMINÁRIO NACIONAL MULHER E LITERATURA, 12, 2007, Ilhéus, BA. Anais... Ilhéus: UESC, 2007. Disponível em: <http://www.uesc.br/seminariomulher/anais/PDF/CERES%20HELENA%20ZIEGLER%20BEVILAQUA.pdf>. Acesso em: 15 out. 2015.

BRAGA, Kassiana. A senhora dona da memória: autobiografia e a construção da memória em dois livros de Zélia Gattai – “Anarquistas graças a Deus” e um “Chapéu para viagem”. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 21, 2012, Campinas, SP. Anais... São Paulo: ANPUH-SP, 2012. p. 1-11. Disponível em: <http://www.encontro2012.sp.anpuh.org/resources/anais/17/1342557520_ARQUIVO_ResumoUnicamp.pdf>. Acesso em: 03 set. 2016.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Memórias de uma jovem anarquista. In: MYRIAM, Fraga. Gênero e Memória. Salvador: FCJA/Museu Carlos Costa Pinto, 2002. p. 39-54.

GATTAI, Zélia. Cittá di Roma. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GATTAI, Zélia. Città di Roma. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GEDOZ, Sueli; COSTA-HUBES, Terezinha da Conceição. A leitura do gênero discursivo memórias literárias a partir de um olhar bakhtiniano. Signum: estudos da linguagem, Londrina, v. 13, n. 2, p. 253-273, 2010. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/6528/6978>. Acesso em: 03 set. 2016.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014.

LIMA, Luiz Costa. Persona e sujeito ficcional. In: LIMA, Luiz Costa. Pensando nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 1991. p. 40-56.

MARTINS, Anna Faedrich. Uma discussão teórica acerca da autoficção: a ficcionalização de si em O filho eterno, de Cristóvão Tezza. Letrônica, Porto Alegre. v. 4, n. 1, p. 181-195, 2011. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/fo/ojs/index.php/letronica/article/view/7984>. Acesso em: 10 set. 2016.

MENDES, Enoi Maria Miranda. Zélia Gattai em “A” Senhora dona do Baile: uma autobiografia. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ORBIUS TERTIUS DE TEORÍA Y CRÍTICA LITERARIA, 8, 2012, La Plata, Argentina. Actas... La Plata: UNLP, 2012. Disponível em: <http://citclot.fahce.unlp.edu.ar/viii-congreso/actas-2012/Miranda%20Mendes-%20Enoi%20Maria.pdf/view?searchterm=None>. Acesso em: 15 out. 2015.

MOISÉS, Massaud. Memórias. In: MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 2013. p. 289.

ROSSINI, Igor; SOUZA, Ana Carolina Cruz de. O “eu” e os “outros de si”: automemoriografias em Anarquistas, graças a deus, de Zélia Gattai. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC: INTERNACIONALIZAÇÃO DO REGIONAL, 13, 2013, Campina Grande, Paraíba. Anais... Campina Grande: UEPB, 2013. Disponível em: <http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2013_1434327683.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2016.

Publicado
2017-12-01
Seção
Estudos Literários