OS "EUS" NAS MEMÓRIAS NARRADAS DE GRACILIANO RAMOS

Gabriela Pacheco Amaral

Resumo


O objetivo do presente trabalho é analisar os múltiplos eus que podem ser observados em duas autobiografias de Graciliano Ramos, Infância (1945) e Memórias do Cárcere (1980). Em Infância, as memórias narradas correspondem a infância do autor até os 14 anos. Já em Memórias do Cárcere, obra póstuma, são contadas as lembranças do autor enquanto o mesmo estava preso na época da ditadura. Acreditamos que no processo de escritura de uma autobiografia, as memórias relembradas e contadas podem servir para um processo de afirmação do “eu” do autor. Nesse caso, a afirmação do “eu” de Graciliano Ramos será observada por intermédio dos posicionamentos do autor. Para isso, em um primeiro momento iremos conceber a noção de memória sob a ótica de HALBWACHS (2006), para investigar como o “eu” do passado, em Memórias do Cárcere, será narrado a partir dos conceitos de memória individual e memória coletiva do sociólogo. Em um segundo momento, sob a luz de MACHADO (2014), iremos analisar como se revelam diversos “eus” do autor a partir das memórias narradas em Infância.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEL, Carlos Alberto dos Santos. Graciliano Ramos: cidadão e artista. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

BAKTHIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 5ª ed. São Paulo: Editora Hucitec Annablume, 2002.

BASTOS, Hemegerildo. Prefácio In: BRUNACCI, Maria Izabel. Graciliano Ramos: um escritor personagem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

BRUNACCI, Maria Izabel. Graciliano Ramos: um escritor personagem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. 2ª ed. São Paulo: Contexto, [1983] 2014.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

MOIRAND, S. Discours, mempories et contexts: à propôs du fonctionnement de l’ allusion dans l apresse. In: Estudos da lingua(gem). Vitoria da Conquista, V. 6, n. 1, p. 7 -46, 2008.

MACHADO, Ida Lucia. A ironia como estratégia comunicativa e argumentativa. Bakhtiniana, São Paulo, Número 9 (1): 108-128, Jan./Jul. 2014.

_______. Percursos de vida que se entremeia a percursos teóricos. In: SANTOS, S.P. & MENEZES, W. A. Discurso, Identidade, Memória. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2015, p. 83-96.

________.Notas tomadas no curso STV em Linguística do Texto e do Discurso: Identidades, Emoções e Imaginários discursivos ministrado pela Professora Doutora Ida Lucia Machado, no Poslin da FALE/UFMG, no primeiro semestre de 2016.

MORAES, Dênis de. O velho Graça: uma biografia de Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3 ed. Campinas, SP: Pontes, 2001.

RAMOS, Graciliano. Cartas. Rio de Janeiro: Record, 1980.

_______. Infância. 41ª ed. Rio de Janeiro: Record, [1945] 2008.

_______. Angústia. 64ª ed. Rio, São Paulo: Record, [1936] 2009.

_______. Memórias do Cárcere. Rio de Janeiro: Record, [1980] 2008.

_______. Entrevista de Graciliano Ramos concedida em 1948. Trecho em versão eletrônica da Revista Travessias Ed. XIV. ISSN 192-5935. P. 268-273. Publicada em 2008. Disponível em: acesso em 26 de Julho de 2014.

PAVEAU, M. A. Retrouver la mémoire. Parcours épistémologique et historique. Université de Paris, 13, Villetaneuse, 2005. http://www.discurso.ufrgs.br/sead/simposios.html. Acesso em Setembro de 2016.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

SANTOS, J. B. C. O pathos da memória na identificação de práticas de leitura. In: MENDES, E., MACHADO, I. L. Emoções no discurso volume II. Campinas –SP: Mercado de Letras, 2010, p. 113 – 122.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrelaces - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFC

ISSN: 1980-4571

Qualis B2