LIVROS E LIBERDADE: REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E SALA DE AULA

Vandemberg Simão Saraiva

Resumo


Este ensaio busca compreender as interferências de agentes vindos de dentro e fora do ambiente escolar que cerceiam e censuram tanto textos literários quanto discussões sobre eles na escola. Defende-se a tese de que, no cerne dessa situação, há a crença equivocada do que deve acontecer em uma sala de aula, destacadamente em aulas de literatura. Essa crença professa que a sala de aula é um espaço neutro, onde há a veiculação indistinta de conteúdos não ideológicos, e que a literatura busca a reafirmação de valores hegemônicos. O ensaio analisa o caráter errôneo dessas ideias. Assim, argumenta-se que, para o aprimoramento do educando como pessoa humana, deve-se buscar a formação ética, o desenvolvimento da autonomia intelectual e o pensamento crítico. Sob esse viés, considera-se a sala de aula, sob a regência do professor, como um espaço de reflexão, democracia e inclusão, em que a literatura impõe-se como elemento eficaz dessa educação, sendo as discussões sobre os textos práticas imprescindíveis para o crescimento cidadão e humano dos alunos.


Texto completo:

PDF

Referências


AYRES, Nicole. Pais censuram livro paradidático por conteúdo erótico. 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2018.

BLOOM, Harold. Como e por que ler. Trad. José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? São Paulo: Brasiliense, 2007. (Coleção Primeiros passos; 20)

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: 2017. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2018.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio) – Bases Legais. Brasília, 2000. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2018.

______. PCN + Ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2018.

CAMARA JR, Mattoso. Dicionário de linguística e gramática referente à Língua Portuguesa. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1988.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. Remate de Males, Campinas, SP, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2018.

______. O direito à literatura. In: ______. Vários escritos. 5a. ed. corrigida pelo autor. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de análise do discurso. Coordenação da tradução Fabiana Komesu. 2. ed., São Paulo: Contexto, 2008.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 13 ed. São Paulo: Editora Ática, 2005.

DAVILA, Denise; SOUZA, Renata Junqueira. O uso de textos polêmicos em sala de aula: formação e prática docente. Educação & realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 1207-1220, out./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2018.

DEARO, Guilherme. A literatura está censurada?. 2017. Disponível em: . Acesso em: 1º nov. 2018.

FARIA, Maria Lúcia Guimarães de. Literatura: uma forma superior de conhecimento. Metamorfoses, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 143-156, 2015.

FRANZIN, Adriana. #voltasara: Pais de alunos protestam contra retirada de livro sobre "novas famílias". 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

GUARESCHI, Neuza. Ideologia e discurso. Educação & realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 22, p. 165-185, jun./dez. 1997. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2018.

HORRILLO, Elena. 15 livros que seu filho adolescente deve ler (mesmo que você não queira). El País, Madri, 15 jul. 2016. Cultura, s. p. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

MANGUEL, Alberto. Toda biblioteca é uma autobiografia. Revista Educação. São Paulo, s. p., set. 2011. Entrevista concedida a Luiz Costa Pereira Junior. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.

MANSUR, Rafaela. Indicação de livro gera polêmica. O tempo, Belo Horizonte, 11 ago. 2016. Cidades, s. p. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

MEC decide recolher das escolas livro infantil que aborda incesto. O Globo, Rio de Janeiro, 08 jun. 2017. Sociedade, s. p. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

MEDRANO, Sandra. Porque literatura não rima com censura. 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2018.

NAGIB, Miguel. Quem somos. ESCOLA SEM PARTIDO. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2018.

NOVELLI, Pedro Geraldo. A sala de aula como espaço de comunicação: reflexões em torno do tema. Interface, Botucatu, SP, v. 35, n. 2, p. 43-50, ago. 1997. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2018.

PAIS de alunos de escola no RJ tentam censurar livro sobre cultura africana. 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2018.

PENNAC, Daniel. Como um romance. Tradução de Leny Werneck. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

PINTO, Iris Rosana Farinha. Atividades promotoras de pensamento crítico: sua eficácia em alunos de ciências da natureza do 5.º ano de escolaridade. 2011. 190 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Educação de Lisboa, 2011. Disponível em: . Acesso em 16 jun. 2018

SAGAN, Carl; DRUYAN, Ann. O caminho para a liberdade. In: ______. O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no escuro. Tradução de Rosaura Eichemberg. São Paulo: Companhia das Letras. 2006.

SARTESCHI, Rosangela. Literatura na escola: de que autores falamos. In: SIQUEIRA, Ana Márcia Alves. Ensino de literatura: reflexões, diálogos e interdisciplinaridade. Fortaleza: Expressão gráfica e editora, 2016.

SESI de Volta Redonda volta atrás e vai manter livro sobre Princesas Africanas. 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

SILVA, Adriana Nunan do Nascimento. Homossexualidade e discriminação: o preconceito sexual internalizado. 2007. 2 v. 390 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2018.

TJ/SP PROÍBE distribuição de livro a alunos da rede pública. Migalhas. Ribeirão Preto, SP, 19 de novembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2018.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Tradução de Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

RYBACK, Timothy. Hitler: o ditador era um leitor fanático. Público, Lisboa, 1 mar. 2011. Ípsilon, s. p. Entrevista concedida a Maria João Guimarães. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrelaces - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFC

ISSN Digital 2596-2817

ISSN Impresso 1980-4571

Avaliação Qualis B2 (2013-2016) - LINGUíSTICA E LITERATURA

Indexadores de Base de Dados (IBDs)