DIÁRIOS: A ESCRITA CONFESSIONAL DE LÚCIO CARDOSO À LUZ DA TEORIA DE PHILIPPE LEJEUNE

Cinthia Lopes de Oliveira, Javer Wilson Volpini, Adriana Kelly Furtado Lisboa

Resumo


Partindo-se dos estudos de Philippe Lejeune sobre a escrita de si, inseridos na obra intitulada O pacto autobiográfico (2014), a presente pesquisa lança um olhar sobre Diários (2012) de Lúcio Cardoso, em sua mais recente edição organizada por Ésio Macedo Ribeiro. Em seu estudo, Lejeune dedica um capítulo à escrita confessional, considerando-a um subgênero da autobiografia, e discorreu sobre as várias utilidades de se manter um diário. Cruzando os escritos íntimos de Lúcio Cardoso com a proposta de Lejeune, procura-se elucidar o texto de Cardoso, visto aqui como ponto de partida para compreensão de suas concepções literárias, políticas, religiosas, e outros temas abordados em seus diários. 


Texto completo:

PDF

Referências


BARCELLOS, Sérgio. Aproximações: teorias contemporâneas da literatura, identidade e diários. Terra roxa e outras terras: Revista de Estudos Literários, Londrina, v. 9, p. 44-55, 2007. Disponível em: . Acesso em 20 jan. 2014.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

COMPAGNON, Antoine. Literatura para quê? Trad. Laura Taddei Brandini. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

CARDOSO, Lúcio. Diários. Organização de Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

FOUCAULT, Michel. “A escrita de si”. In: FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens, 1992: 129-160.

GLIKSOHN. J.-M. “Julgar”. In: BRUNEL, P. et al. A crítica literária. Trad. Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 1988. p. 59-78.

LEJEUNE, Philippe. “Um diário todo seu”. In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Organização Jovita Maria G. Noronha. Tradução Jovita Maria G. Noronha, Maria Inês C. Guedes. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2014: 297-309.

MARTINS, Anna Faedrich. “Os perfis da literatura de introspecção: o diário em Vergílio Ferreira e a autoria na autoficção”. Desassossego, São Paulo, v. 1, jun. 2013: 125-138.

MEIRA, Mauritônio. “Vida literária”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 31 maio1960: 6

PIRES, Antônia Cristina de Alencar. “A voragem da escrita: considerações sobre o diário de Lúcio Cardoso”. In: BRANDÃO, Ruth Silviano (Org.). Lúcio Cardoso – a travessia da escrita. Belo Horizonte: UFMG, 1998: 94-105.

RIBEIRO, Ésio Macedo. “Apresentação”. In: CARDOSO, Lúcio. Diários. Organização de Ésio Macedo Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012: 9-19.

SANTOS, Cássia dos. “Vicissitudes de uma obra: o caso do Diário de Lúcio Cardoso”. Centro de Estudos Portugueses, Belo Horizonte, v. 8, n. 39, jan./jun. 2008: 51-78.

SEFFRIN, André. “Uma gigantesca espiral colorida”. In: CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 7-13.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrelaces - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFC

ISSN: 1980-4571

Qualis B2