A ESCRITA DE SI EM SYLVIA MOLLOY: UM ATO DE LEITURA OU A MEMÓRIA EM RUÍNAS

Lygia Barbachan de Albuquerque Schmitz

Resumo


Neste artigo, a escrita de si será mostrada como um ato de leitura, a partir de dois textos da escritora argentina Sylvia Molloy: o ensaio Vale o Escrito: a escrita autobiográfica na América Hispânica e o romance Desarticulaciones. Em ambos, a memória está em ruínas. No primeiro, constrói, a partir da concepção de Paul De Man, um panorama da escrita autobiográfica hispano-americana dos séculos XIX e XX, que dá voz aos mortos, aos ausentes e aos marginais, ruindo a memória oferecida pela visão eurocêntrica da escrita autobiográfica; no segundo, por meio do Mal de Alzheimer, problematiza a questão da memória na escrita autobiográfica, mostrando os limites de se ler uma vida quando o objeto de escrita (a memória) está em ruínas. Operando, portanto, como “desvio de rota”, segundo Silviano Santiago, por meio de estilhaços, trânsitos e restos, a autora trabalha com uma escrita de si irreverente, crítica, que abre as possibilidades de leitura da vida e, portanto, de uma escrita autobiográfica suplementar ao cânone europeu, porque, enfim, “estampa e revela a vida”.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário. Losango Cáqui. In: ______. Poesias Completas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013. v. I.

DE MAN, Paul. A autobiografía como des-figuração. Trad. Jorge Wolff. Sopro, 71, Florianópolis, maio 2012.

DERRIDA, Jacques. (1967). A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz Marques Nizza da Silva, Pedro Leite Lopes e Pérola de Carvalho. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

______. (1967). Gramatologia. Trad. Miriam Schniderman e Renato Janini Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

KLINGER, Diana Irene. Escritas de si, escritas do outro: autoficção e etnografia na narrativa latino-americana contemporânea. 2006. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: . Acesso em: dez. 2014.

MOLLOY, Sylvia. Desarticulaciones. Buenos Aires: Eterna Cadencia Editora, 2010.

______. El común olvido. Bogotá: Grupo Editorial Norma, 2006.

______. Memoria de una juventude en Olivos [2003a]. Entrevistador: Bruno Massare. Buenos Aires: Clarin.com, 26 jul. 2003a. Disponível em: http://edant.clarin.com/suplementos/cultura/2003/07/26/u-00601.htm>. Acesso em: fev. 2015.

______ [2013]. Recordações Literárias de Sylvia Molloy. Entrevistador: Helder Ferreira. Revista Cult, São Paulo, 5 ago. 2013. Seção Espaço Cult. Disponível em: . Acesso em: fev. 2015.

______. Vale o escrito: a escrita autobiográfica na América Hispânica. Tradução Antônio Carlos Santos. Chapecó: Argos, 2003b.

______. Varia Imaginación. Rosario: Beatriz Viterbo Editora, 2003c.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. (1789). As Confissões. São Paulo: Atena, 1959. 2v.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTIAGO, Silviano. Das margens sobre as margens. In: MOLLOY, Sylvia. Vale o escrito: a escrita autobiográfica na América Hispânica. Tradução Antônio Carlos Santos. Chapecó: Argos, 2003.

______. O falso mentiroso. Memórias. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

______. Histórias mal contadas. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

______. Literatura para mim é ruptura [2014]. Entrevistador: Schneider Carpeggiani. Revista Continente, Pernambuco, edição 164, 7 ago. 2014. Disponível em: < http://www.revistacontinente.com.br/index.php/component/content/article/477-entrevista/9024-literatura-para-mim-e-ruptura.html>. Acesso em: jan. 2015.

______. (1978). Uma Literatura nos Trópicos. Ensaios sobre dependência cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

______. Meditação sobre o ofício de criar. Aletria, Belo Horizonte, v. 18, jul./dez. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Entrelaces - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFC

ISSN: 1980-4571

Qualis B2