Uma proposta de arranjo documental para o acervo pessoal de Pedro Moacir Maia

“retratos” a partir de uma memória individual

  • Letícia Oliveira de Araújo Mosteiro de São Bento da Bahia
  • Gillian Leandro de Queiroga Lima Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Arquivo Pessoal. Pedro Moacir Maia. Memória – preservação. Teorias arquivísticas. Normas – Arquivologia

Resumo

Este artigo possui como objetivo propor um quadro de arranjo com base nos procedimentos, técnicas e teorias arquivísticas para potencializar o processo de construção da memória individual do acervo pessoal de Pedro Moacir. Para isto, utilizou-se das teorias arquivísticas como parâmetro para investigação do objeto de pesquisa. Nesse sentido, a metodologia do trabalho consiste em uma pesquisa descritiva. Quanto aos procedimentos metodológicos, o estudo caracteriza-se como uma pesquisa bibliográfica, pois foi realizado o levantamento de publicações para embasar o trabalho; é uma pesquisa documental, por trabalhar os documentos do acervo pessoal de Pedro Moacir; e uma pesquisa de campo, porque o processo ocorreu no acervo do titular. Com base nos resultados do trabalho, constatou-se que a identificação das espécies e tipologias do conjunto documental contribui para o desenvolvimento do arranjo, além de revelar as atividades do titular do acervo pessoal, colaborando, assim, para a disseminação da memória. Ademais, a apresentação do quadro de arranjo representa a organização do acervo e a relação de hierarquia entre os grupos existentes, de maneira que a aplicação de normas e teorias arquivísticas garantem a preservação da memória do titular, pois, para lembrar, faz-se necessário saber o que existe em um arquivo pessoal. Ao final do trabalho, averiguou-se que, embora a teoria e as normas da Arquivologia sejam necessárias para o tratamento documental, ainda existe um olhar arquivístico voltado para os arquivos administrativos, dificultando a aplicação das teorias e normas nos arquivos pessoais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Oliveira de Araújo, Mosteiro de São Bento da Bahia

Graduada em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal da Bahia (2015) e graduada em Arquivologia pela mesma universidade (2019), atua como bibliotecária do Mosteiro de São Bento da Bahia, administrando o setor de referências e o setor de obras raras da instituição. Possui ampla experiência na catalogação de obras raras, bem como na realização de mediação em bibliotecas de valor histórico.

Gillian Leandro de Queiroga Lima, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Difusão do Conhecimento pelo Programa de Doutorado Multi-Institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento - DMMDC/UFBA. Possui Bacharelado em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Pós-graduação no MBA em Gestão da Informação da Universidade Salvador (UNIFACS) e Mestrado em Ciência da Informação pelo Instituto de Ciência da Informação da UFBA. Atualmente é Professor Adjunto da UFBA e Chefe do Departamento de Fundamentos e Processos Informacionais (DFPI) do Instituto de Ciência da Informação da UFBA. Integrante do Grupo Temático Informação, Saúde e População da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (GTISP/Abrasco) e do Grupo de Estudos de Políticas de Informação, Comunicações e Conhecimento (GEPICC). Possui experiência em pesquisas na área de teorias arquivísticas, informações em saúde, gestão de arquivos e serviços arquivísticos, gestão de documentos e em organização de arquivos.

Referências

ALVES, A. T. (Org). Minidicionário Soares Amora da língua portuguesa. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

ARAÚJO, F. da C. M.; OLIVEIRA, L. M. V. de. Arquivos pessoais de valor histórico: o acervo de Américo Lourenço Jacobina Lacombe. In: ANDRADE, A. C. N. de. Arquivos, entre tradição e modernidade. 2. ed. São Paulo: ARQ-SP, 2017. Disponível em: http://arqsp.org.br/wp-content/uploads/2017/09/XI-CAM-VOL.-2_e-book.pdf. Acesso em: 2 out. 2019.

ARAÚJO, L. O. de. Arquivo pessoal de Pedro Moacir Maia: um estudo de caso. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arquivologia) – Instituto de Ciência da Informação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

ARQUIVO NACIONAL (BRASIL). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BELLOTTO, H. L. Arquivos pessoais em face da teoria arquivística tradicional debatendo com Terry Cook. Revista estudos históricos, v. 1, n. 21, 1998.

BELLOTTO, H. L. Como fazer analise diplomatica e analise tipologica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 2002. 120 p.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: Ed. FGV, 2006.

CAMARGO, A. M. A. Arquivos pessoais: questões para um debate. In: MATOS, E. et al. (Org.). A presença de Castello. São Paulo: Humanitas, 2003. v. 1.

COOK, T. O conceito de fundo arquivístico: teoria, descrição e proveniência na era pós-custodial [recurso eletrônico]. Tradução de Silvia Ninita de Moura Estevão e Vitor Manoel Marques da Fonseca. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2017. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/virtuemart/product/Terry%20Cook%20publicacao_tecnica%20593.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). ISAAR (CPF): norma internacional de registro de autoridade arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Arquivo Nacional, 2004.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (BRASIL). NOBRADE: Norma Brasileira de Descrição Arquivística. Rio de Janeiro: CONARQ, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVO (CONARQ). Glossário: documentos arquivísticos digitais. 2014. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/images/ctde/Glossario/2014ctdeglossario_v6_public.pdf. Acesso em: 02 out. 2019.

CRENI, G. Editores artesanais brasileiros. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

DUCHEIN, M. O respeito de fundos em arquivo: princípios teóricos e problemas
práticos, 1992. Disponível em: http://www.brapci.inf.br. Acesso em: 17 set. 2019.

DUCROT, A. A classificação dos arquivos pessoais e familiares. Revista Estudos Históricos, v. 1, n. 21, 1998.

FERREIRA, L. E. O fundo de arquivo e o princípio de proveniência: uma observação entre a teoria e a prática. 2012. 147 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/93666. Acesso em: 15 out. 2019.

GAMA, F. A.; FERNEDA, E. A mediação da informação nos arquivos permanentes: serviços
de referência arquivística no ambiente digital. Inf. Inf., Londrina, v. 15, n. 2, p. 148 - 169, jul./dez. 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vertice, 1990. 189 p. (Biblioteca Vertice. Sociologia e política).

HOBBS, C. Vislumbrando o pessoal: reconstruindo traços de vida individual. In:
Terry, E.; McNEIL, H. (Org.). Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2016. p. 303-329.

JARDIM, J. M. A Invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação, v. 25, n. 2, 1995.


LE GOFF, J. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990. Disponível em: https://www.ufrb.edu.br/ppgcom/images/Hist%C3%B3ria-e-Mem%C3%B3ria.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

MURGUIA, E. I (Org.). Memória: um lugar de diálogo para Arquivos, Bibliotecas e Museus. São Carlos: Compacta, 2010.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Proj. História, São Paulo, v. 10, dez. 1993.

OLIVEIRA, L. M. V. de. Modelagem e status científico na descrição arquivística no campo dos arquivos pessoais. 2010. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Acesso em: 1º out. 2019.

OLIVEIRA, L. M. V. de. Descrição arquivística e os arquivos pessoais: conhecer os arquivos pessoais para compreender a sociedade. Arquivo e administração, v. 12, n. 2, 2013.

OLIVEIRA, L. M. V. de; MACÊDO, P. L. P.; SOBRAL, C. C. de. Arquivos pessoais e intimidade: da aquisição ao acesso. Revista do Arquivo, São Paulo, n. 4, p. 1-13, 2016. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/revista_do_arquivo/04/pdf/OLIVEIRA__L_M_V__MACEDOPLPSOBRALCCArquivospessoaiseintimidadedaaquisicaoaoacesso.pdf. Acesso em: 21 out. 2019.

PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997. 225 p. ISBN 9788522502202.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.


RONDINELLI, R. C. Gerenciamento arquivístico de documentos eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

RONDINELLI, R. C. O documento arquivístico ante a realidade digital: uma revisão conceitual necessária. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

RODRIGUES, A. M. L. A teoria dos arquivos e a gestão de documentos. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.11 n.1, p. 102-117, jan./abr. 2006.

SILVA, M. C. S. de M. e. Glossário de espécie e tipos documentais em arquivos de laboratórios. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, Arquivo de História da Ciência, 2014.

SISTEMA DE ARQUIVOS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Glossário de espécies/formatos e tipos documentais. 1997. Disponível em: https://sites.usp.br/arquivogeral/wp-content/uploads/sites/39/2015/02/glossario1.pdf. Acesso em: 25 set. 2019.
Publicado
2020-12-29
Como Citar
ARAÚJO, L. O. DE; LIMA, G. L. DE Q. Uma proposta de arranjo documental para o acervo pessoal de Pedro Moacir Maia. Informação em Pauta, v. 5, n. 2, p. 178-200, 29 dez. 2020.

Artigos do(s) mesmo(s) autor(es) mais lidos