QUAL O LUGAR DAS MULHERES NO MUNDO? O PESO DOS ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO SOBRE AS MULHERES MIGRANTES E REFUGIADAS

Marli Marlene Moraes da Costa, Simone Andrea Schwinn

Resumo


Ao longo de suas vidas, mulheres e homens são confrontados com expectativas sobre seu comportamento e seu “lugar” na sociedade. Essas “expectativas de gênero” (ADICHIE, 2015) costumam partir de pré-conceitos que limitam a vida das mulheres, seja por enfatizar seu papel como esposa e mãe, ou sobre que tipo de atitude ela deve ter tanto no espaço doméstico, quanto no ambiente de trabalho. Esses estereótipos, baseados em gênero, tem reflexos na divisão sexual do trabalho, nas diferentes formas de violência sofrida pelas mulheres, na determinação de quais espaços elas podem ocupar, na pressão sobre o tipo de vida e comportamentos (casamento, maternidade, vestuário...), na objetificação dos corpos femininos e na dificuldade de superação das estruturas de poder que ordenam a sociedade. Tais situações são comuns a todas as mulheres, mas para aquelas em situação de migração são um agravante, na medida em que estão mais desprotegidas para reivindicar e ter acesso a direitos. O presente trabalho objetiva então, a partir do questionamento sobre qual o lugar das mulheres no mundo, analisar qual o peso dos estereótipos de gênero sobre as mulheres migrantes e refugiadas. Desta forma, primeiramente irá tratar dos estereótipos de gênero e sua influência na vida das mulheres de forma geral, para depois abordar a vida das mulheres em um mundo de homens (NAÇÕES UNIDAS, 2015), tendo em vista a visão androcêntrica (MORENO, 1999) de mundo constantemente reforçada em diferentes espaços. Finalmente, analisará o peso dos estereótipos de gênero sobre as mulheres migrantes e refugiadas. Trata-se de um trabalho de revisão bibliográfica, baseado no método dedutivo, visando corroborar a hipótese de que mulheres e homens são colocados frente à estereótipos de gênero, mas o peso negativo sobre as mulheres é muito maior devido à concepção de masculino e feminino socialmente reproduzida, que se refletirá também no contexto migratório. 


Palavras-chave


Estereótipos de gênero; Migrações; Mulheres; Migrantes.

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda N. Sejamos todos feministas. Tradução de Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ALBORNOZ, Suzana. As mulheres e a mudança nos costumes. Porto Alegre: Movimento; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2008.

ALVES, José E. D. Desafios da equidade de gênero no século XXI. Revista Estudos Feministas. Florianópolis: Estudos Feministas, maio-agosto 2016. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1805-9584-2016v24n2p629.

CAMPOS, Amini H.; CORRÊA, Lindinalva R. Direitos Humanos das Mulheres. Curitiba: Juruá, 2012.

EUR-LEX. Jornal Oficial da União Europeia. Papel e lugar das mulheres imigradas na União Europeia. Resolução do Parlamento Europeu sobre a imigração feminina: o papel e a posição das mulheres imigrantes na União Europeia (2006/2010(INI)). Publicado em 20 dez. 2006. Disponível em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=OJ:C:2006:313E:TOC. Acesso em 22 set. 2017.

HAUG, Frigga. Para uma teoria das relações de gênero. Tradução de Rodrigo Rodrigues. Buenos Aires: Clacso, 2007. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/formacion virtual/20100715081939/cap14.pdf. Acesso em 20 set. 2017.

MORALES, Ofelia W. La migración de las mujeres: un proyecto individual o familiar? REHMU- Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana. Ano XV, n. 29, 2007. Disponível em: . Acesso em 29 jul. 2017.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. Tradução: Ana Venite Fuzatto. São Paulo: Moderna; Campinas: Editora Unicamp, 1999.

OIM. Organización Internacional para las Migraciones; MNISTÉRIO del Desarrollo Social del Gobierno de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Las mujeres migrantes y la violencia de género: aportes para la reflexión y la intervención. Buenos Aires: VCR Impresores S.A., 2014.

PETROZZIELLO, Allison J. Género en marcha: trabajando el nexo migración – desarrollo desde una perspectiva de género. República Dominicana: Onu Mujeres, 2013.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Estrategia de Igualdad de Género del PNUD 2014-2017 – el futuro que queremos: derechos y empoderamiento. 2014. Disponível em: http://www.undp.org/content/undp/es/home/librarypage/womens-empowerment/gender-equality-strategy-2014-2017/. Acesso em: 22 set. 2017.

_______. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Relatório de Desenvolvimento Humano 2009 – Ultrapassar Barreiras: Mobilidade e desenvolvimento humanos. 2009. Disponível em: http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr2009-portuguese-summary.pdf. Acesso em: 22 set. 2017.

RIBEIRO, Jullyane C. Articulações de gênero, práticas de controle migratório e produção da vítima humanitária na gestão do refúgio. Cadernos OBMigra. V. 2, N. 2, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2017.

RIOS, Roger R.; SILVA, Rodrigo da. Discriminação múltipla e discriminação interseccional: aportes do feminismo negro e do direito da antidiscriminação. Revista Brasileira de Ciência Política. N. 16, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151602 .

ROSAS, Carolina. Implicaciones mutuas entre el género y la migración: mujeres y varones peruanos arribados a Buenos Aires entre 1990 y 2003. Buenos Aires: Eudeba, 2015.

SCHOUTEN, Maria J. Uma sociologia do género. Portugal: Húmus, 2011.

SCHPUN, Mônica R. (org.). Masculinidades. São Paulo: Boitempo Editorial; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Tradução: Guacira Lopes Louro. Educação & Realidade. Vol. 20 (2), jul./dez. 1995, p. 71-99.

SUDART, Heloneida. Mulher objeto de cama e mesa. 17ª edição. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

UN WOMEN. Progress of the World’s Women 2015-2016:Transforming Economies, Realizing Rights. Publicado em 2015. Disponível em: http://progress.unwomen.org/en/2015/. Acesso em 20 set. 2017.

UNHCR. The UN Refugee Agency. Global Trends Forced Displacement in 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marli Marlene Moraes da Costa, Simone Andrea Schwinn

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSN 1807-3840

Rua Meton de Alencar, s/n - Centro
Fortaleza, Ceará, CEP 60.035-160
Telefone: +55 (85) 3366 7850

Bases de dados

Periódicos

Resultado de imagem para library of congress logo  http://www.cnen.gov.br/images/logo_livre2.png   Find in a library with WorldCat