OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA PÓS-MODERNIDADE: COMO A SOCIEDADE QUE SE TRADUZ NO RISCO E NO CONSUMO PODERÁ TUTELAR DIREITOS

João Luís Nogueira Matias, Manuela Caldas Fontenele Alves

Resumo


O presente trabalho busca o enfrentamento transdisciplinar entre a sociologia, a economia e o direito, principalmente, para questionar a compatibilidade entre a teoria dos direitos fundamentais e a pós-modernidade. Trata primeiro do ocaso da modernidade e da construção de um conceito pós-moderno, ainda aberto e fragmentado, para, depois, situar o indivíduo na posição que lhe é conferida numa sociedade que se traduz no risco e no consumo. A temática justifica-se pela inevitabilidade das transformações e dos questionamentos por elas desencadeados, exigindo que o fenômeno jurídico seja encarado sob uma nova visão. A metodologia ora adotada consiste na investigação descritiva e transdisciplinar.

Palavras-chave


DIREITOS FUNDAMENTAIS; PÓS-MODERNIDADE; SOCIEDADE DE RISCO; SOCIEDADE DE CONSUMO.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Política. Tradução de Pedro Constantin Tolens. 6ª ed., 7ª reimpressão. São Paulo: Martin Claret, 2011. Título original: Politikón. Tradução cotejada com a tradução inglesa de Benjamin Jowet e a tradução francesa de M. Thurot.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Tradução de José Gradel. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Tradução de Magda Lopes. Revisão técnica de Cibele Saliba Rizek. 2ª ed. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

COMPARATO, Fabio Konder. Rumo à justiça. São Paulo: Saraiva, 2010.

DE GIORGI, Raffaele. Direito, democracia e risco: vínculos com o futuro. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1998.

DURKHEIM, Emile. Da divisão do trabalho social. Tradução de Eduardo Brandão. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GADEA, Carlos A. A modernidade e o ocaso do social. In: Política e Sociedade / Revista de Sociologia Política da UFSC, v. 7, n. 12, abr/ 2008. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2008v7n12p205/7001>. Acesso em 13 de junho de 2015.

LANDES, David S. A riqueza e a pobreza das nações: por que algumas são tão ricas e as outras tão pobres. Tradução de Álvaro Cabral. 12ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998, p. 593.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Tradução de Maria Lúcia Machado. 2ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

PESSOA, Fernando. O banqueiro anarquista. Disponível em . Acesso em 15 de junho de 2015.

PINHEIRO, Luís de Lima. Direito Internacional Privado. Coimbra: Almedina, 2003.

REICH, Robert B. Supercapitalismo: como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

SALDANHA, Nelson Nogueira. O jardim e a praça: o privado e o público na vida social e histórica. São Paulo: Edusp, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Nomos



ISSN 1807-3840

Rua Meton de Alencar, s/n - Centro
Fortaleza, Ceará, CEP 60.035-160
Telefone: +55 (85) 3366 7850

Bases de dados

Resultado de imagem para library of congress logo
http://www.cnen.gov.br/images/logo_livre2.png   Find in a library with WorldCat