OS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA PÓS-MODERNIDADE: COMO A SOCIEDADE QUE SE TRADUZ NO RISCO E NO CONSUMO PODERÁ TUTELAR DIREITOS

  • João Luís Nogueira Matias UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA
  • Manuela Caldas Fontenele Alves UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA
Palavras-chave: DIREITOS FUNDAMENTAIS, PÓS-MODERNIDADE, SOCIEDADE DE RISCO, SOCIEDADE DE CONSUMO.

Resumo

O presente trabalho busca o enfrentamento transdisciplinar entre a sociologia, a economia e o direito, principalmente, para questionar a compatibilidade entre a teoria dos direitos fundamentais e a pós-modernidade. Trata primeiro do ocaso da modernidade e da construção de um conceito pós-moderno, ainda aberto e fragmentado, para, depois, situar o indivíduo na posição que lhe é conferida numa sociedade que se traduz no risco e no consumo. A temática justifica-se pela inevitabilidade das transformações e dos questionamentos por elas desencadeados, exigindo que o fenômeno jurídico seja encarado sob uma nova visão. A metodologia ora adotada consiste na investigação descritiva e transdisciplinar.

Biografia do Autor

João Luís Nogueira Matias, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA
FACULDADE DE DIREITO
Manuela Caldas Fontenele Alves, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARA
FACULDADE DE DIREITO

Referências

ARISTÓTELES. Política. Tradução de Pedro Constantin Tolens. 6ª ed., 7ª reimpressão. São Paulo: Martin Claret, 2011. Título original: Politikón. Tradução cotejada com a tradução inglesa de Benjamin Jowet e a tradução francesa de M. Thurot.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Tradução de José Gradel. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Tradução de Magda Lopes. Revisão técnica de Cibele Saliba Rizek. 2ª ed. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

COMPARATO, Fabio Konder. Rumo à justiça. São Paulo: Saraiva, 2010.

DE GIORGI, Raffaele. Direito, democracia e risco: vínculos com o futuro. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1998.

DURKHEIM, Emile. Da divisão do trabalho social. Tradução de Eduardo Brandão. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GADEA, Carlos A. A modernidade e o ocaso do social. In: Política e Sociedade / Revista de Sociologia Política da UFSC, v. 7, n. 12, abr/ 2008. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2008v7n12p205/7001>. Acesso em 13 de junho de 2015.

LANDES, David S. A riqueza e a pobreza das nações: por que algumas são tão ricas e as outras tão pobres. Tradução de Álvaro Cabral. 12ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998, p. 593.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Tradução de Maria Lúcia Machado. 2ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Tradução de Mário Vilela. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

PESSOA, Fernando. O banqueiro anarquista. Disponível em <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=15729>. Acesso em 15 de junho de 2015.

PINHEIRO, Luís de Lima. Direito Internacional Privado. Coimbra: Almedina, 2003.

REICH, Robert B. Supercapitalismo: como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

SALDANHA, Nelson Nogueira. O jardim e a praça: o privado e o público na vida social e histórica. São Paulo: Edusp, 1993.

Publicado
2017-01-12
Seção
Doutrina Nacional