A construção do abandono como traço identitário dos filhos adotivos

  • Amanda Marques Duque
  • Pedro Oliveira Filho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Palavras-chave: Adoção, abandono, identidade, discurso

Resumo

A adoção é um tema complexo e multifacetado. Por razões históricas e culturais, algumas vezes, reporta-se a ideia de que os filhos adotivos vivenciam um drama e possuem a marca do abandono em suas identidades. Para a Psicologia Social Discursiva e teóricos pós-estruturalistas, as identidades são construídas através das práticas sociais, discursivas e são objetos negociados e disputados por diferentes discursos. Assim, analisamos discursos da mídia e de pessoas que trabalham em prol da adoção, procurando compreender os seus posicionamentos diante da suposta relação entre adoção e abandono na identidade dos filhos adotivos e a natureza dos argumentos que mobilizam nesses posicionamentos. Posto isso, realizamos entrevistas semiestruturada com militantes de dois grupos de apoio à adoção (GAA), coleta do material discursivo disponibilizado no site da Associação Nacional de Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD) e matérias do Jornal Folha de S. Paulo. Na análise foi utilizado o referencial teórico-metodológico da Psicologia Social Discursiva, a qual dispensa uma especial atenção às ações realizadas com o uso da linguagem. Os resultados indicam que o abandono é construído como um atributo central na identidade dos filhos adotivos, especialmente na mídia, porém aparece de maneira ambígua nos relatos dos militantes da adoção.

Biografia do Autor

Amanda Marques Duque
Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Pedro Oliveira Filho, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), Professor Associado II no curso de Psicologia da Unidade Acadêmica de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e colaborador no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Referências

Alvarenga, L. L. (2012). Adotabilidade x inadotabilidade. Que questão é esta? In. E. F. Queiroz & M. C. Passos. (Orgs.) A clínica da adoção (pp. 171- 182). Recife: Ed. Universitária UFPE.

Antaki, C., & Widdicombe, S. (2008). Identity as an achievement and as a tool. In Antaki, C., & Widdicombe, S. (Eds.). Identities in talk (pp. 1-14). London: Sage.

Ayres, L. S. M. (2005). De menor a criança, de criança a filho: discursos de adoção. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Benwell, B., & Stokoe, E. (2006). Discourse and identity. Edinburgh: University Press.

Bittencourt, S. (2013). O movimento nacional dos grupos de apoio à adoção. In S. Bittencourt. A nova Lei de Adoção: do abandono à garantia do direito à convivência familiar e comunitária (pp. 17-30). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Billig, M. (1987). Arguing and thinking: a rhetorical approach to social psychology. Cambridge: Cambridge University Press.

Dinamarco, P. P. (2006). Adoção: entendendo os contextos os contextos. Contrapontos, 6(1), 163-168.

Duque, A. M. (2011). No faz de conta e na realidade: as narrativas de crianças sobre adoção. Dissertação não publicada (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Gagno, A. P., & Weber, L. N. D. (2003). A adoção na mídia: revisão da literatura nacional e internacional. Paidéia, 13(25), 111-118.

Jenkins, R. (2008). Social identity. (Key ideas) Canada: Routledge.

Laclau, E., & Mouffe, C. (1985). Hegemony and socialist strategy: toward a radical democratic politics. London: Verso.

Ladvocat, C., & Diuana. S. (2014). Guia de adoção: no jurídico, no social, no psicológico e na família. São Paulo: Roca.

Motta, M. A. P. (2014). Das mães que entregam seus filhos em adoção: histórias de amor ou de terror? In C. Ladvocat, & S. Diuana. Guia de adoção: no jurídico, no social, no psicológico e na família (pp. 415-436). São Paulo: Roca.

Oliveira Filho, P. (2016). Discurso e identidade: a pobreza e a miséria nordestinas em relatos de jornais paraibanos e pernambucanos. In M. E. O. Lima, A. R. R. Torres, & E. M. Techio (Org.) Identidade nacional e representações do Brasil (pp. 149-175). São Paulo: Scortecci.

Potter, J. (1998). La representation de la realidade: discurso, retórica y construcción social. Buenos Aires: Paidós.

Potter, J., & Wetherel, M. (1987). How to analyse discourse. In J. Potter, & M. Wetherell. Discourse and Social Psychology: beyond attitudes and behavior (pp. 158-177). London: Sage Publications.

Rodrigues, L., & Hennigen, I. (2012). Entre cenas de acolhimento institucional e da adoção: incitamento à vontade de família. In L. R. Cruz, & N. Guareschi (Org.). O psicólogo e as políticas públicas de assistência social (pp. 66-90). Petrópolis: Vozes.

Silva, M. B. T. A. (2014). Papel dos grupos de apoio à adoção na garantia do direito à convivência família. In C. Ladvocat, & S. Diuana (Orgs.). Guia de adoção: no jurídico, no social, no psicológico e na família (pp. 65-78). São Paulo: Roca.

Singer, L. M., Brodzinsky, D. M., & Braff, A. M. (1982). Children’s beliefs about adoption: a developmental study. Journal of applied developmental psychology, 3, 285-294.

Waggenspack, B. M. (1998). The symbolic crises of adoption. Adoption Quarterly, 1(4), 57-82.

Weber, L. (2004). Pais e filhos por adoção no Brasil: características, expectativas e sentimentos. Curitiba: Juruá.

Weber, L. (2011). Laços de ternura: pesquisas e histórias de adoção (3ª ed., rev. e ampl.). Curitiba: Santa Mônica.

Weber, L. (2014). Aspectos psicológicos da adoção (2ª ed). Curitiba: Juruá.

Wetherell, M. & Potter, J. (1992). Mapping the language of racism: discourse and the legitimation of exploitation. London and New York: Harvester Wheatsheaf and Columbia University Press.

Publicado
2018-07-01
Como Citar
Duque, A. M., & Oliveira Filho, P. (2018). A construção do abandono como traço identitário dos filhos adotivos. Revista De Psicologia, 9(2), 117-126. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/18899
Seção
Artigos