A construção do abandono como traço identitário dos filhos adotivos

Amanda Marques Duque, Pedro Oliveira Filho

Resumo


A adoção é um tema complexo e multifacetado. Por razões históricas e culturais, algumas vezes, reporta-se a ideia de que os filhos adotivos vivenciam um drama e possuem a marca do abandono em suas identidades. Para a Psicologia Social Discursiva e teóricos pós-estruturalistas, as identidades são construídas através das práticas sociais, discursivas e são objetos negociados e disputados por diferentes discursos. Assim, analisamos discursos da mídia e de pessoas que trabalham em prol da adoção, procurando compreender os seus posicionamentos diante da suposta relação entre adoção e abandono na identidade dos filhos adotivos e a natureza dos argumentos que mobilizam nesses posicionamentos. Posto isso, realizamos entrevistas semiestruturada com militantes de dois grupos de apoio à adoção (GAA), coleta do material discursivo disponibilizado no site da Associação Nacional de Grupos de Apoio à Adoção (ANGAAD) e matérias do Jornal Folha de S. Paulo. Na análise foi utilizado o referencial teórico-metodológico da Psicologia Social Discursiva, a qual dispensa uma especial atenção às ações realizadas com o uso da linguagem. Os resultados indicam que o abandono é construído como um atributo central na identidade dos filhos adotivos, especialmente na mídia, porém aparece de maneira ambígua nos relatos dos militantes da adoção.

Palavras-chave


Adoção; abandono; identidade; discurso

Texto completo:

PDF

Referências


Alvarenga, L. L. (2012). Adotabilidade x inadotabilidade. Que questão é esta? In. E. F. Queiroz & M. C. Passos. (Orgs.) A clínica da adoção (pp. 171- 182). Recife: Ed. Universitária UFPE.

Antaki, C., & Widdicombe, S. (2008). Identity as an achievement and as a tool. In Antaki, C., & Widdicombe, S. (Eds.). Identities in talk (pp. 1-14). London: Sage.

Ayres, L. S. M. (2005). De menor a criança, de criança a filho: discursos de adoção. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Benwell, B., & Stokoe, E. (2006). Discourse and identity. Edinburgh: University Press.

Bittencourt, S. (2013). O movimento nacional dos grupos de apoio à adoção. In S. Bittencourt. A nova Lei de Adoção: do abandono à garantia do direito à convivência familiar e comunitária (pp. 17-30). Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Billig, M. (1987). Arguing and thinking: a rhetorical approach to social psychology. Cambridge: Cambridge University Press.

Dinamarco, P. P. (2006). Adoção: entendendo os contextos os contextos. Contrapontos, 6(1), 163-168.

Duque, A. M. (2011). No faz de conta e na realidade: as narrativas de crianças sobre adoção. Dissertação não publicada (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Gagno, A. P., & Weber, L. N. D. (2003). A adoção na mídia: revisão da literatura nacional e internacional. Paidéia, 13(25), 111-118.

Jenkins, R. (2008). Social identity. (Key ideas) Canada: Routledge.

Laclau, E., & Mouffe, C. (1985). Hegemony and socialist strategy: toward a radical democratic politics. London: Verso.

Ladvocat, C., & Diuana. S. (2014). Guia de adoção: no jurídico, no social, no psicológico e na família. São Paulo: Roca.

Motta, M. A. P. (2014). Das mães que entregam seus filhos em adoção: histórias de amor ou de terror? In C. Ladvocat, & S. Diuana. Guia de adoção: no jurídico, no social, no psicológico e na família (pp. 415-436). São Paulo: Roca.

Oliveira Filho, P. (2016). Discurso e identidade: a pobreza e a miséria nordestinas em relatos de jornais paraibanos e pernambucanos. In M. E. O. Lima, A. R. R. Torres, & E. M. Techio (Org.) Identidade nacional e representações do Brasil (pp. 149-175). São Paulo: Scortecci.

Potter, J. (1998). La representation de la realidade: discurso, retórica y construcción social. Buenos Aires: Paidós.

Potter, J., & Wetherel, M. (1987). How to analyse discourse. In J. Potter, & M. Wetherell. Discourse and Social Psychology: beyond attitudes and behavior (pp. 158-177). London: Sage Publications.

Rodrigues, L., & Hennigen, I. (2012). Entre cenas de acolhimento institucional e da adoção: incitamento à vontade de família. In L. R. Cruz, & N. Guareschi (Org.). O psicólogo e as políticas públicas de assistência social (pp. 66-90). Petrópolis: Vozes.

Silva, M. B. T. A. (2014). Papel dos grupos de apoio à adoção na garantia do direito à convivência família. In C. Ladvocat, & S. Diuana (Orgs.). Guia de adoção: no jurídico, no social, no psicológico e na família (pp. 65-78). São Paulo: Roca.

Singer, L. M., Brodzinsky, D. M., & Braff, A. M. (1982). Children’s beliefs about adoption: a developmental study. Journal of applied developmental psychology, 3, 285-294.

Waggenspack, B. M. (1998). The symbolic crises of adoption. Adoption Quarterly, 1(4), 57-82.

Weber, L. (2004). Pais e filhos por adoção no Brasil: características, expectativas e sentimentos. Curitiba: Juruá.

Weber, L. (2011). Laços de ternura: pesquisas e histórias de adoção (3ª ed., rev. e ampl.). Curitiba: Santa Mônica.

Weber, L. (2014). Aspectos psicológicos da adoção (2ª ed). Curitiba: Juruá.

Wetherell, M. & Potter, J. (1992). Mapping the language of racism: discourse and the legitimation of exploitation. London and New York: Harvester Wheatsheaf and Columbia University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.