Maquinarias de guerra e mortes juvenis nas periferias do Ceará / War machines and juvenile deaths in the peripheries of Ceará

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar como maquinarias de guerra em territorialidades periferizadas operam na produção de juventudes matáveis no bojo da intensificação da violência letal no Brasil, tomando a cidade de Fortaleza como exemplo empírico e a noções de necropolítica e políticas de inimizade, de Achille Mbembe, como operadores conceituais. Num primeiro momento, traz reflexões teóricas sobre essa própria tecnologia de gestão e produção da morte. Num segundo momento, analisa-se como “maquinarias de guerra” engendram “zonas de morte”, sendo a articulação entre disciplinamento, regulação biopolítica e produção/gestão de um “fazer morrer” característica da ocupação colonial na atualidade. Com isso, apontamos como o recrudescimento da violência letal nas margens urbanas expressa sua condição de colônias contemporâneas, em que processos de racialização maximizam a precarização de corpos juvenis negros, sob o fundamento da perpetuação de relações de inimizade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dagualberto Barboza da Silva, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Mestrando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

Referências

Agamben, G. (2004). Estado de exceção. São Paulo, SP: Boitempo.

Barros, J. P. P. & Benicio, L. F. S. (2017) “Eles nascem para morrer?” uma análise psicossocial da problemática dos homicídios de jovens na cidade de fortaleza. Revista de Psicologia, 8(2), 34-43. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/19313

Barros, J. P. P., Acioly, L. F., & Ribeiro, J. A. D. (2016). Re-tratos da juventude na cidade de Fortaleza: direitos humanos e intervenções micropolíticas. Revista de psicologia, 7(1), 84-93.

Barros, J. P. P., Paiva, L. F. S., Rodrigues, J. S., Silva, D. B. & Leonardo, C. S. (2018). “Pacificação” nas periferias: discursos sobre as violências e o cotidiano de juventudes em Fortaleza. Revista de Psicologia, 9(1), 117-128. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/30781

Batista, V. M. (2012). Adesão subjetiva à barbárie. In: Loic Wacquant e a questão penal no capitalismo neoliberal. Rio de Janeiro: Revan.

Borges, J. (2018) O que é encarceramento em massa? Belo Horizonte, MG: Letramento.

Butler, J. (2016) Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto? (2 ed.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Cavalcante, R. M. B. (2011). Vidas breves: investigação acerca do assassinato de jovens em Fortaleza. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual do Ceará, Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Sociedade, Fortaleza, CE.

Coimbra, C. (2001). Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro, RJ: Intertexto.

Coimbra, C.; Scheinvar, E. (2012). Subjetividades punitivo-penais. In: V. M. Batista (Org.), Loic Wacquant e a questão penal no capitalismo neoliberal (pp. 59-68). Rio de Janeiro, RJ: Revan.

Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. (2017). Cada vida importa: relatório do primeiro semestre de 2017 do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Assembléia Legislativa. Fortaleza, CE: Autor. Recuperado de https://www.al.ce.gov.br/phocadownload/relatorio_primeiro_semestre.pdf

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. Em: Rabinow, P.; Dreyfus, H. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária. 231-249.

Foucault, M. (1999). História da sexualidade I: A vontade de saber (13ª ed.). Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Foucault, M. (2014) Vigiar e punir: Nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Hilário, L. C. (2016). Da necropolítica à biopolítica: variações foucaultiana na periferia do capitalismo. Sapere aude. v. 7, p. 194-210. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article/view/P.2177-6342.2016v7n13p194/9735

Mac Gregor, H. C. (2013) Necropolítica: La política como trabajo de muerte. Revista Ábaco, 4(78) 23-30.

Mbembe, A. (2012) Necropolítica: Una revisión crítica. Em: Mac Gregor, H. C. (Org.). Estética y violencia: Necropolítica, militarización y vidas lloradas. México: Muac, 130-139.

Mbembe, A. (2017). Políticas da inimizade. Lisboa: Antigona.

Mbembe, A. Necropolítica seguido de Sobre el gobierno privado indirecto. [S. l.]: Melusina, 2011.

Melo, D. L. B. & Cano, I. (2017) . Índice de homicídios na adolescência: IHA 2014. Rio de Janeiro: Observatório de Favelas.

Nascimento, A. (2017) O genocídio do negro brasileiro: Processo de um racismo mascarado. 2. ed. São Paulo, SP: Perspectiva.

Paiva, L. F. S. (2018). Dinâmicas das violências em tempos de facções criminosas no Ceará. (Cada vida importa: relatório do segundo semestre de 2017 do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência). Fortaleza, CE: Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência, (2017.2) 23-26. Recuperado de http://cadavidaimporta.com.br/wp-content/uploads/2018/05/Relato%CC%81rio-2017.2-CORRIGIDO.pdf

Paiva, L. F. S.(2015). Mortes na periferia: Considerações sobre a chacina de 12 de novembro em Fortaleza. O Público e O Privado, Fortaleza, CE, n. 26, 269-281.

Serra, C. H. A.; Zaccone, O. (2012). Guerra é paz: os paradoxos da política de segurança de confronto humanitário. Em: Ramos, B. V. et al. Paz armada - Criminologia de cordel. Rio de Janeiro, RJ: Revan.

Torres, F. T. P. (2017). “O sentimento é um só”: criminalização da juventude e produção do medo na cobertura televisiva da “Chacina da Messejana”. Monografia (Especialização) - Curso de Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Triana, S. V. (2012) Capitalismo gore y necropolítica en México contemporáneo. Relaciones Internacionales. Madrid, n. 19, 83-102. Recuperado de: http://www.relacionesinternacionales.info/ojs/article/view/331.html

Valois, L. C. (2017). O direito penal da guerra às drogas (2ª ed.). Belo Horizonte, MG: D'plácido.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Pereira Barros, J. P., Barboza da Silva, D., & Filipe Augusto Barbosa Alencar. (2020). Maquinarias de guerra e mortes juvenis nas periferias do Ceará / War machines and juvenile deaths in the peripheries of Ceará. Revista De Psicologia, 12(1), 23 - 36. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.1.2021.2