Experiência existencial de crianças em tratamento quimioterápico sobre a importância do brincar

Palavras-chave: Criança; Neoplasias; Jogos e Brinquedos; Ambulatório Hospitalar.

Resumo

Objetivo: compreender a experiência existencial de crianças em tratamento quimioterápico sobre a importância do brincar. Métodos: pesquisa qualitativa realizada no ambulatório de um hospital escola com cinco crianças em tratamento quimioterápico. A coleta de dados foi realizada por meio da técnica de entrevista, e a análise dos dados ocorreu à luz da Teoria Humanística de Enfermagem. Resultados: os discursos revelaram a compreensão das crianças sobre sua doença e seu tratamento, evidenciando as privações vivenciadas por elas e a situação de desequilíbrio emocional. Brincar, segundo os relatos das crianças, suscitou sentimentos positivos, constituindo uma maneira de o tempo passar mais rápido. Conclusão: o tratamento quimioterápico foi considerado ambíguo, sendo uma experiência desagradável, mas necessária para cura. As brincadeiras no serviço de quimioterapia ambulatorial foram uma ferramenta viável para o descontentamento diante da situação vivida, suscitando sentimentos positivos, como felicidade e satisfação.

Referências

Guimarães RCR, Gonçalves RPF, Lima CA, Torres MR, Silva CSO. Nursing actions facing reactions to chemotherapy in oncological patients. Rev Pesqui Cuid Fundam Online. 2015; 7(2):2440-52. doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i2.2440-2552

Teixeira HC, Volpini MN. A importância do brincar no contexto da educação infantil: creche e pré-escola. Cad Educ Ens Soc [Internet]. 2014 [citado 2018 jan. 17]; 1(1):76-88. Disponível em: http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cadernodeeducacao/sumario/31/04042014074001.pdf

Silva LF, Cabral IE. Rescuing the pleasure of playing of child with cancer in a hospital setting. Rev Bras Enferm. 2015; 68(3):337-42. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680303i

Depianti JRB, Silva LF, Carvalho AS, Monteiro ACM. Nursing perceptions of the benefits of ludicity on care practices for children with cancer: a descriptive study. Online Braz J Nurs. 2014; 13(2):158-65. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1676-4285.20144314

Falqueto J, Farias J. Saturação teórica em pesquisas qualitativas: relato de uma experiência de aplicação em estudo na área de administração. CIAIQ2016 [Internet]. 2016 [citado 2018 jan. 21]; 25:560-9. Disponível em: http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2016/article/view/1001/977

Paterson JG, Zderad LT. Enfermería humanística. México: Editorial Limusa; 1979.

Bossols AMS, Zavaschi ML, Palma RB. A criança frente à doença e à morte: aspectos psiquiátricos. Rev Bras Psicoter [Internet]. 2013 [citado 2018 jan. 17]; 15(1):12-25. Disponível em: http://rbp.celg.org.br/detalhe_artigo.asp?id=108

Gomes IP, Lima KA, Rodrigues LV, Lima RAG, Collet N. From diagnosis to survival of pediatric cancer: children’s perspective. Texto Contexto Enferm. 2013; 22(3):671-9. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000300013

Gomes NS, Maio R. Avaliação subjetiva global produzida pelo próprio paciente e indicadores de risco nutricional no paciente oncológico em quimioterapia. Rev Bras Cancerol [Internet]. 2015 [citado 2018 mar. 25]; 61(3):235-42. Disponível em:http://www.inca.gov.br/rbc/n_61/v03/pdf/06-artigo-avaliacao-subjetiva-global-produzida-pelo-proprio-paciente-e-indicadores-de-risco-nutricional-no-paciente-oncologico-em-quimioterapia.pdf

Dias JJ, Silva APC, Freire RLS, Andrade ASA. Experience of children with cancer and the importance of recreational activities during hospitalization. Rev Min Enferm. 2013; 17(3):608-19. doi: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20130045

Silva LF, Cabral IE. Rescuing the pleasure of playing of child with cancer in a hospital setting. Rev Bras Enferm. 2015; 68(3):391-7. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680303i

Almico T, Faro A. Coping of caregivers of children with cancer in chemoterapy process. Psicol Saúde Doenç. 2014; 15(3):723-37. doi: http://dx.doi.org/10.15309/14psd150313

Hostert PCCP, Motta AB, Enumo SRF. Coping da hospitalização em crianças com câncer: a importância da classe hospitalar. Estud Psicol. 2015; 32(4):627-39. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2015000400006

Schein CF. Efeitos colaterais da quimioterapia em pacientes oncológicos hospitalizados. Disc Sci [Internet]. 2006 [citado 2018 mar. 25]; 7(1):101-7. Disponível em: https://periodicos.unifra.br/index.php/disciplinarumS/article/view/907

Silva DF, Brandão EC. As práticas lúdicas no cotidiano da enfermagem pediátrica. Rev Enferm FACIPLAC [Internet]. 2017 [citado 2018 jan. 17]; 2(2):1-12. Disponível em: http://revista.faciplac.edu.br/index.php/REFACI/article/view/266

Ferrari R, Alencar GB, Viana DV. Análise das produções literárias sobre o uso do brinquedo terapêutico nos procedimentos clínicos infantis. Rev Eletr Gestão Saúde. 2012; 3(2):381-94. doi: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v3i2.24281

Publicado
2018-06-07
Seção
Artigos de Pesquisa