Aceitabilidade e compreensão de um aplicativo tecnológico para idosos atendidos em uma clínica escola do nordeste brasileiro

Palavras-chave: Avaliação de Tecnologias de Saúde, Tecnologia Aplicada à Assistência à Saúde, Saúde do Idoso

Resumo

Objetivo: analisar a aceitabilidade, a compreensão e a usabilidade do aplicativo tecnológico “Idoso ativo” no intuito de estimular a realização de exercícios de membros inferiores dos idosos. Metodologia: pesquisa do tipo descritiva, exploratória, com abordagens quantitativa e qualitativa. A pesquisa foi realizada em uma clínica escola denominada Fanor/DeVry. A amostra foi composta por 17 idosos que realizaram fisioterapia. Inicialmente, mapearam-se, a partir de uma lista de cadastro, os pacientes idosos atendidos pela Fisioterapia no NIS. No segundo momento, aplicou-se o Mini Exame do Estado Mental com o intuito de avaliar a condição cognitiva dos idosos mapeados na fase anterior. Já no terceiro momento, apresentou-se o aplicativo ‘Idoso Ativo’, no qual os idosos da pesquisa tiveram a oportunidade de manuseá-lo em um smartphone com acesso à internet. Por fim, utilizou-se um questionário que avalia a aceitação e a usabilidade de tecnologias por idosos. Resultados: dos idosos participantes, 29,4% referiram não possuir boas experiências com tecnologias. Muitos dos pesquisados tinham acesso às novas tecnologias e possuíam interesse em aprender a usar aparelhos eletrônicos digitais. Conclusão: os idosos deste estudo passam por vários conflitos ou misturas de sentimentos no que diz respeito à aceitação e ao uso das tecnologias.

CAAE: 89032817.1.0000.5052

Número do Parecer: 2.685.588

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jhenny Marylin Dimarães Braga, UniFanor Wyden

Fisioterapeuta (UniFanor Wyden). Especialista em Gerontologia pela Faculdade Ateneu.

Rafaella Bastos Leite, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Estadual da Paraíba. Mestre em Patologia Oral pela Universidade Estadual da Paraíba. Doutora em Patologia Oral pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Juliana Campos Pinheiro, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Cirurgiã-Dentista graduada pela Universidade Tiradentes. Mestre em Patologia Oral pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Doutoranda em Ciências Odontológicas (Universidade Federal do Rio Grande do Norte). Membro da Sociedade Brasileira de Estomatologia e Patologia Oral.

Gabriel Coutinho Gonçalves, Universidade Estadual do Ceará

Fisioterapeuta (UniFanor Wyden). Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade (ESP/CE). Especialista em Micropolítica na Gestão e no trabalho em Saúde (UFF). Mestrando em Planejamento e Políticas Públicas (Universidade Estadual do Ceará).

Patriciane Hedwiges Barreto, UniFanor Wyden

Fisioterapeuta (UniFanor Wyden). Residência Multiprofissional em Terapia Intensiva (UFC), Mestre em Ciências Médicas (Universidade Federal do Ceará).

Dennys Ramon de Melo Fernandes Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Cirurgião-dentista (Universidade Federal do Ceará). Especialista em Endondontia (FAC7). Especialista em Micropolítica na Gestão e Trabalho em Saúde (Universidade Federal Fluminense). Mestre em Patologia (Universidade Federal do Ceará). Doutorando em Ciências Odontológicas (Universidade Federal do Rio Grande do Norte).

Anairtes Martins de Melo, UniFanor Wyden

Fisioterapeuta (UniFanor Wyden). Especialista em Ventilação Mecânica (FIC/ESTÁCIO SÁ). Especialista em Desenvolvimento Infantil (Universidade Federal do Ceará). Mestre em Ensino na Saúde (Universidade Estadual do Ceará). Orientadora, docente da UniFanor Wyden.

Referências

Cruz DT, Cruz FM, Ribeiro AL, Veiga CL, Leite ICG. Associação entre capacidade cognitiva e ocorrência de quedas em idosos. Cadernos Saúde Coletiva. 2015; (23): 386-393.

Mol MA. Recomendações de usabilidade para interface de aplicativos para smartphones com foco na terceira idade. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais-Belo Horizonte. 2011.

Grande TPF. INSTRUMEDS: um instrumento para materiais educacionais digitais em dispositivos móveis para idosos. 2016.

Saccol AICZ et al. Novas Perspectivas da Aprendizagem Móvel e Ubíqua. 1.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

Alves GAC, Correa MC, Gomes RMS, Afonso-Junior OP. Comunicabilidade e acessibilidade: identificando padrões de construção de design de aplicativos móveis para a terceira idade. Anais do Computer on the Beach. 2017; 1(1); 445-447.

Berbel DB, Rigolin CCD. Educação e promoção da saúde no Brasil através de campanhas públicas. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. 2011; 1(2): 25-38.

Cardial CIS. Jogos de computador utilizados em treino cognitivo com idosos: uma revisão bibliográfica. 2014; (20). Monografia (Bacharelado em Terapia Ocupacional). Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

Beck AP, Antes DL, Meurer ST, Benedetti TRB, Lopes MA. Fatores associados às quedas entre idosos praticantes de atividade física. Texto & Contexto - Enfermagem. 2011; 20(2): 280-286.

Raymundo TM. Aceitação de tecnologias por idosos. 2013. Dissertação (Mestrado em Bioengenharia) - Bioengenharia, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2013.

Sales MB, Mazzali MR, Rocha RGO, Brito R. Inclusão digital de pessoas idosas: relato de experiências de utilização de software educativo. Revista Kairós: Gerontologia. 2017; 1(17): 63-81.

Ferreira AF, Silva VB. Acessibilidade e usabilidade da informação na terceira idade: A recuperação, organização e uso da informação na internet para usuários acima dos 60 anos. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação. 2014; 1(3): 2237-6658.

Meireles RR, Costa MLR, Paiva WC, Silva FD, Francisco AMMB, Ferreira SMWS. A inclusão digital de adultos e idosos. Reflexões a respeito de uma práxis. Revista Portal de Divulgação. 2014; 1(42): 109-116.

Kachar V. A terceira idade e a inclusão digital. Revista O mundo da saúde. 2002;1(26): 376-381.

Santos, RF, Almêda KA. O Envelhecimento Humano e a Inclusão Digital: análise do uso das ferramentas tecnológicas pelos idosos. Ciência da Informação em Revista. 2017; 1(4): 59-68.

Publicado
2020-12-22