Sobre o riso em Aristóteles

  • Juliana Peixoto Universidade Federal de São Paulo

Resumo

Interessa-me, nesse estudo inicial, examinar o lugar que ocupa o riso na obra de Aristóteles. Há poucas ocorrências no corpus aristotelicum do termo gélôs (riso), bem como das suas formas adjetivadas e verbais. Passo, portanto, rapidamente por algumas considerações presentes nas obras de biologia, pela Poetica e detenho- -me sobretudo em Ethica Nicomachea. Apesar da ausência de uma investigação empreendida pelo próprio Estagirita do tema em questão, bastante conhecida é a afirmação aristotélica de que o único animal que ri é o humano (cf. De partibus animalium 673a9). Somente essa asserção parece-me tornar relevante um exame mais cuidadoso dessa noção, visto que se o riso na concepção do filósofo não de- fine o humano, certamente é algo próprio do humano que possibilita o riso.

Palavras-chave: Riso; Repouso;Vida; Mediania; Felicidade.

Publicado
2014-07-01
Edição
Seção
Dossiê Filosofia Antiga