HANNAH ARENDT E A DESOBEDIÊNCIA CIVIL

Palavras-chave: Hannah Arendt, Desobediência civil, Consciência moral, Consentimento

Resumo

Frequentemente, Hannah Arendt trata com destreza e profundidade o “fato político” em suas reflexões. Publicada em 1972, a sua obra Crises da República, oferece quatro interessantes ensaios sobre questões políticas intrinsecamente ligadas à conjuntura política contemporânea e se compromete em instaurar análises de temas de forte apelo à atualidade. Entre eles, um, especificamente, busca analisar e discutir o problema da “desobediência civil”. Considerando esse problema, o presente artigo tem como objetivo principal analisar e discutir o problema da “desobediência civil” na teoria política de Hannah Arendt tendo como arrimo teórico a obra Crises da República. Sendo assim, esse estudo se concentrará basicamente em três momentos: no primeiro, será examinado se as figuras de Sócrates e H.D. Thoreau podem ser consideradas expoentes da “desobediência civil”; no segundo, perscrutaremos as distinções entre dois tipos de desobediência: a civil e a criminosa, e, no terceiro, investigaremos as possíveis relações entre a “desobediência civil” e a noção de “consentimento”. Assim, almejamos promover uma investigação acerca do fenômeno da desobediência civil e provavelmente estabelecer uma pertinente reflexão.

Referências

ADAMS, J. Novanglus. Works, Boston, 1851, v. IV.
ADVERSE, H. Arendt, a democracia e a desobediência civil. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, 2012.
ARENDT, H. Crises da república. São Paulo: Perspectiva, 1973.
ARISTÓTELES. A política. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
BAY, C. Civil disobedience. International Encyclopedia of th social sciences, 1968.
CALHOUN, J.C. A disquisition on gouvernment (1853). New York, 1947.
COHEN, M. Civil disobedience in a constitutional democracy. The Massachussetts Review, 1969.
COHEN, C. Civil disobedience and the law. In: Rutgers law review , v. 21. p.1-17. 1966.
JEFFERSON, T. Political writings. Cambridge: Cambridge University, 2004.
GREENBERG, N.A. Socrates choice im the Crito. Havard studies in classical philology, v. 70, n.1, 1965.
HARROP, A., FREEMAN. Civil disobedience and the law. Rutgers law review, v. 21, p.8, 1966.
HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
HUGHES, G. Civil Disobedience and the political question doctrine. New Yorker University law review, 1968.
LOCKE, John. Dois tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
MAQUIAVEL, N. Discurso sobre a primeira década de Tito Lívio. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
McCLOSKEY, R. The american supreme court. Chicago, 1966.
McWILLIAMS, W, C. Civil disobedience and contemporary constitutionalism. In: Comparative politics. V. I, 1969.
MILTON, John. Political writings. Martin Dzelzains. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.
MONTESQUIEU. O espírito das leis. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
PLATÃO. Apologia de Sócrates. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
________. Críton. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
________. Górgias. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
________. O sofista. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
________. Teeteto. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
PUNER, N. Civil disobedience: na analysis and rationale. New Yorker University law review, 1968.
ROSTOW, E. V. Law, power, and the pursuit of Peace. Harper & Row, 1968.
ROUSSEAU, J.-J.. Do contrato social. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Os Pensadores).
SIDNEY, Algernon. Discourses concerning government. Indianapolis: Liberty Fund, 1996.
THOREAU, H.D. Civil disobedience. In: THOREAU. The portable Thoreau. London: Peguin, pp.109-137, 1982.
TOCQUEVILLE, A. A democracia na América. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
Publicado
2021-08-28