A ESSÊNCIA NÔMADE DA PALAVRA ROSEANA: UMA INCURSÃO PELO ESPAÇO LITERÁRIO DE AVE, PALAVRA

Resumo

Na obscuridade do espaço literário a palavra ressurge incorporada e consubstanciada de inúmeros sentidos e valores semeados no solo desértico de Ave, Palavra. Por meio dos movimentos de recuo da linguagem a opacidade da poesia roseana anula a representação de um significado primeiro, o verbo essencial já não se desvela como termo, porquanto se abre a uma intenção e transborda para outra realidade. Essa coletânea recria o mundo por meio de uma poesia sóbria, todavia essencial, decantada de uma linguagem vigorosa e enérgica que nunca se cansa de assombrar por sua natureza rebelde e inapreensível. Ave, Palavra comporta uma ação lírica articulada no espaço soberano da obra, um fenômeno que converte toda a superficialidade do mundo exterior em um dito incessante, inesgotável e avassalador. Pretendemos nesse trabalho, fundamentados nos estudos de Maurice Blanchot, estabelecer um diálogo acerca da transcendência abstraída da palavra essencial arraigada no solo poético de Ave, Palavra, tendo como escopo o poema Nascimento.

Biografia do Autor

Elvira Livonete Costa, PUC GO
Mestrado em Letras - Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Graduação em Letras - Português e Inglês pela Universidade Estadual de Goiás. Pós-Graduação em Psicologia da Educação pela Faculdade de Anápolis. Atualmente é professora de Língua Portuguesa e Inglês na Secretaria da Educação de Goiás - SEDUCE, Professora de Língua Portuguesa da Faculdade Itapuranga - FAI, membro do Núcleo Docente Estruturante do curso de Ciências Contábeis (NDE) da FAI e do Corpo Editorial da Revista Científica FAI. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa e Literatura, atuando principalmente nos seguintes temas: Guimarães Rosa, Michel Foucault.

Referências

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

___________. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

___________. O Livro Por Vir. Rio de janeiro: Rocco, 1984.

____________. Conversa infinita 2: a experiência limite. São Paulo: Escuta, 2007.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanitas, s/d, 2006.

FOUCAULT, M. Prefácio à Transgressão. In: M. FOUCAULT, Ditos e Escritos III. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro Forense Universitária, 2001. p. 28-46.

________. A Linguagem ao Infinito. In: M. FOUCAULT, Ditos e Escritos III. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2001. p. 47-59.

FRIEDRICH, H. Estrutura da Lírica Moderna: metade do século XIX a metade do século XX. Trad. Marisa M. Curioni (texto) e Dora F. da Silva (poesias). São Paulo: Duas Cidades, 1978. RICOEUR, Paul. A Metáfora Viva. Trad. Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 2000.

ROSA, J. G. Ave, Palavra. 5ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

ROSENFELD, Anatol. Texto e Contexto I: Reflexões sobre o romance Moderno. São Paulo: Editora Perspectiva, 1996.

Publicado
2019-04-29
Seção
Estudos Literários