O ANDARILHO BERNARDO NA PRODUÇÃO POÉTICA DE MANOEL DE BARROS

Yanna Karlla Honório Gontijo Cunha

Abstract


A partir da análise da produção poética de Manoel de Barros, este artigo tem como objetivo a construção de uma narrativa que contempla a vida estética do andarilho Bernardo, personagem mais recorrente deste poeta, que personifica o vagar sem pressa, a despreocupação com o tempo e o rompimento com a ideia de uma identidade fixa. O intuito é apontar como o mundo vivido por Bernardo surge por meio de imagens que abandonam cada vez mais seu caráter social, nas primeiras obras, e passam a expressar uma visão mítica, rompendo-se o fio entre passado/presente/futuro. Para isso, pautei-me, principalmente, na perspectiva poético-filosófica de Gaston Bachelard para mostrar que o movimento dessa personagem amplia a relação do homem com a natureza e consigo mesmo, bem como para pensar as imagens como devaneio poético, vividas primeiramente na imaginação, sem a preocupação de buscar uma causa psíquica que explique o seu surgimento. Também utilizei as discussões de Octavio Paz e Mircea Eliade para destacar a relação de Bernardo com o sagrado.  

 


References


BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BACHELARD, Gaston . A terra e os devaneios do repouso: ensaio sobe as imagens da intimidade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas: a segunda infância. São Paulo: Planeta do Brasil, 2006.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas: a terceira infância. São Paulo: Planeta do Brasil, 2008.

BARROS, Manoel de. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

BARROS, Manoel. Manoel de Barros busca o sentido da vida. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2013. Entrevista concedida a José Castelo.

BARROS, Manoel. Três momentos de um gênio. Revista Caros amigos, São Paulo, edição 117, dez, 2006. Entrevista concedida a Bosco Martins, Cláudia Trimarco e Douglas Diegues.

CHEVALLIER, Jean e GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. 20 ed. Rio Cidades, 1978. de Janeiro: José Olympio, 2006.

ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ELIDADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

GONÇALVES, C. Walter Porto. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo:Contexto, 1998.

PAZ, Octávio. O arco e a Lira. São Paulo: Perspectiva, 1982.

PESSOA, Fernando. Poemas de Alberto Caeiro: poética II. Porto Alegre: L&PM, 2010.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.