EXPANDIR SEM DEMOCRATIZAR: DA EXPANSÃO PRIVADO/MERCANTIL DA EDUCAÇÃO AO MITO DA DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR EM MOÇAMBIQUE.

  • Lucas Alberto Essilamo Nerua
  • Andréa Borges Leão
  • Edgar Manuel Bernardo
  • Tiago Tendai Chingore

Resumo

Este artigo visa refletir em torno do modelo de expansão da educação superior em Moçambique nos últimos dez anos (2004-2014). Buscamos no mesmo, demonstrar o que se forja no país desde a última década, um modelo de expansão de educação superior marcado pelo crescente predomínio de interesses privado/mercantis, que desafiam a regulação estatal de caráter pública e nos levam a questionar o mito de que, o crescimento e expansão da educação superior em Moçambique sejam sinônimos de democratização do acesso ao ensino superior para todos os moçambicanos, independentemente do seu extrato social e econômico. Para refletir sobre os dados estatísticos do ensino superior em Moçambique (no que concerne ao número de instituições de ensino superior, públicas e privados e número de matriculados em cada uma delas), usaremos categorias analíticas como as de expansão e democratização trazidas por Alfredo de Sousa (1996), de educação/mercadoria e mercadoria/educação referenciadas por Valdemar Sguissardi (2008) e por último mostraremos como este modelo de expansão interfere e destorce as funções da universidade mencionadas por Anísio Teixeira (1969; 1998), e enfatiza a predominância de um modelo mercantil de fins lucrativo no mercado educacional nacional, que torna a democratização do acesso ao ensino superior um mito bem distante de acontecer na vida das populações excluídas e vulneráveis da sociedade moçambicana.

Biografia do Autor

Lucas Alberto Essilamo Nerua
Bolsista do CNPq, mestrando em Sociologia pelo programa de pós-graduação em Sociologia da UFC, possui graduação em sociologia pela Universidade Eduardo Mondlane-Moçambique. É membro do grupo de pesquisa saúde e sociedade do departamento de sociologia da UEM.
Andréa Borges Leão
Professora associada do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará, doutora em sociologia pela Universidade de São Paulo, bolsista do CNPq. Linhas de pesquisa, sociologia da educação, da cultura e sociologia da literatura.
Edgar Manuel Bernardo
Sociólogo, Bolsista do CNPq, Mestrando em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará. Colaborador do Núcleo Tramas (Trabalho, Ambiente e Saúde).
Tiago Tendai Chingore
Professor assistente da Universidade Pedagógica de Moçambique, Doutorando em Filosofia pela UP, possui mestrado e graduação em filosofia pela Universidade Pedagógica. Linhas de pesquisa, Filosofia pratica e Filosofia da Educação.
Publicado
2017-03-16
Seção
Artigos