A CRISE DO TRABALHO DOCENTE NO SOCIEDADE DO TRABALHO

  • Eduardo Donizeti Girotto
  • Najla Mehanna Mormul

Resumo

O presente trabalho, efeito de pesquisas realizadas em escolas públicas na região metropolitana de São Paulo, busca analisar a crise do trabalho relacionando-a com uma crise mais ampla e que envolve a sociedade moderna, totalizada pelo modo de produção capitalista. Esta sociedade assenta suas bases e fundamentos em uma noção de trabalho que, ao contrário de dar identidade e significado para as práticas sócio-espaciais de homens e mulheres espalhados por diversos territórios do mundo, tem como único objetivo reproduzir um modo de produção pautado na mercadoria. Este trabalho abstrato, produtor de alienação, visa totalizar todas as formas de produção. Com o crescente processo de proletarização do professor, verificado pela retração das condições de realização de seu trabalho ao mínimo necessário, o trabalho abstrato passa também a totalizar as atividades docentes. Com isso, de construtor de reflexões e questionamentos sobre a sociedade, o professor passa a se inserir nesta lógica como apenas mais um trabalhador alienado pela reprodução de um trabalho abstrato que só tem sentido no interior do modo de produção de mercadorias.

Biografia do Autor

Eduardo Donizeti Girotto
Eduardo Donizeti Girotto: Mestre em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo, Professor Assistente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Campus Francisco Beltrão, Colegiado de Geografia.
Najla Mehanna Mormul
Najla Mehanna Mormul: Mestre em Educação pela Universidade de Maringá, Professora  Assistente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Campus Francisco Beltrão, Colegiado de Geografia.
Publicado
2017-03-25
Seção
Artigos