A NARRATIVA NA EXPERIÊNCIA COMUNICATIVA DOS NARCÓTICOS ANÔNIMOS

  • Marcela Schneider Faria ECA-USP
  • Tamires Gomes da Silva Fapcom
Palavras-chave: Narcóticos Anônimos, Narrativa, Corpo Mediador

Resumo

O artigo se propõe a uma reflexão acerca das práticas comunicativas utilizadas pela irmandade dos Narcóticos Anônimos, acentuando como a comunicação é utilizada pelo grupo para praticar seu programa de recuperação que é pautado pela experiência narrada nas reuniões e transmitida pelo corpo dos presentes. Trata-se de uma discussão que busca apresentar o corpo como perspectiva fundamental para construção e expansão, sendo a narrativa responsável pelo formato exercido pelos Narcóticos Anônimos.

Biografia do Autor

Marcela Schneider Faria, ECA-USP

Mestra em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

Tamires Gomes da Silva, Fapcom

Bacharel em RTVI pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação (Fapcom).

Referências

BAITELLO, Norval Júnior. A serpente, a maça e o holograma. São Paulo: Paulus, 2010

BAITELLO, Norval Júnior. O tempo lento e o espaço nulo: mídia primária, secundária e terciária. In: FAUSTO Neto Antônio et al. (Org). Interação e sentidos no ciberespaço e na sociedade. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2001

BENJAMIN, Walter. O narrador. In: Magia e Técnica, arte e politica. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2012

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza.. In: Magia e Técnica, Arte e Politica. Trad. Paulo Sérgio Rouanet. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1986.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2003

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2006.

SARLO, Beatris. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

Publicado
2018-12-03
Seção
Temática Livre