O FANTASMA DE SALÒ: Pulsão midiática no último filme de Pier Paolo Pasolini

Rafael Duarte Oliveira Venâncio

Resumo


O presente artigo deseja entender como a lógica diegética de Salò, último filme de Pier Paolo Pasolini, engendra um fascismo pulsional. Isso é demonstrado a partir da lógica lacaniana do desejo centrado na figura conceitual do fantasma. Com a leitura sexual do conceito feita por Contardo Calligaris, o artigo mostra que o fascismo que Pasolini critica não precisa ser apenas o político, mas também pode ser posto em uma situação econômica tal como aquela que o capitalismo midiatizado coloca em movimento.


Palavras-chave


Psicanálise midiática, Cinema, Salò

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMATTI, M. M. A crítica cinematográfica e o star system nas revistas de fãs: A Cena Muda e Cinelândia (1952-1955). Dissertação de Mestrado em Ciências da Comunicação. São Paulo: ECA-USP, 2008.

BUCCI, E. Televisão Objeto: A crítica e suas questões de método. Tese de Doutorado em Ciências da Comunicação. São Paulo: ECA-USP, 2002.

BUCCI, E. & VENANCIO, R. D. O. “O Valor de Gozo: um conceito para a crítica da indústria do imaginário”. Matrizes. A. 8. Nº 1. São Paulo: PPGCOM-USP, 2014.

CALLIGARIS, C. Hipótese sobre o Fantasma na Cura Psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

CHAVES, W. C. A Determinação do Sujeito em Lacan. São Carlos: EdUFSCar, 2005.

FREITAS, J. M. M. Comunicação e Psicanálise. São Paulo: Escuta, 1992.

LACAN, J. O Seminário – Livro 17. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1987.

LACAN, J. Escritos. São Paulo: Perspectiva, 2008.

QUINET, A. Um olhar a mais. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2002.

TASKALE, A. R. “Pasolini’s Salò: Torture is Political”. Criticallegalthinking.com, 29/12/2012. Disponível em: http://criticallegalthinking.com/2012/11/29/pasolinis-salo-torture-is-political/. Acesso em 27/09/2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2179-9938