Índice de vulnerabilidade clínico-funcional e as dimensões da funcionalidade em idosos

Fabiana Ferraz Queiroga Freitas, Sônia Maria Soares

Resumo


Objetivo: analisar a associação entre o Índice de Vulnerabilidade Clínico-Funcional-20 e as dimensões da funcionalidade de idosos. Métodos: estudo transversal, com 307 idosos. Utilizou-se o Índice de Vulnerabilidade Clínico-Funcional-20, Mini Exame do Estado Mental, Depressão Geriátrica Abreviada, Timed Up and Go, Teste de audição e Sussurro. Os dados foram analisados com recurso à estatística descritiva e significância 5%. Resultados: a prevalência de fragilidade correspondeu a 16,6% e em risco de fragilização 43,0%, com maiores proporções para deficit cognitivo, risco para depressão, alto risco de quedas, disfunção visual e auditiva. Houve associação significativa entre fragilidade e estado mental, depressão, mobilidade funcional (p<0,001), Teste de Sinais de Snellen (olho direito p=0,015; esquerdo p=0,025) e Teste do Sussurro (ouvido direito e esquerdo p˂0,001). Conclusão: o rastreamento precoce da fragilidade e sua associação com as dimensões da funcionalidade são essenciais para propor intervenções de cuidado capazes de garantir autonomia e independência dos idosos.


Palavras-chave


Envelhecimento; Idoso Fragilizado; Atenção Primária à Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.20192039746

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este trabalho está licenciado sob Creative Commons – Licença CC BY  https://creativecommons.org/licenses/

Marca ABEC Completa