Promoção do aleitamento materno e da doação de leite humano em um grupo de apoio virtual

Palavras-chave: Aplicativos Móveis, Aleitamento Materno, Bancos de leite

Resumo

Objetivo: Analisar um grupo em uma rede social virtual (WhatsApp®) como estratégia para fortalecer a prática de amamentação e doação de leite humano. Método: Estudo qualitativo de intervenção com uma amostra intencional composta por 24 doadoras de leite humano. Durante três meses, foram compartilhados conteúdos conforme temas definidos por uma entrevista inicial. Ao final da intervenção, realizaram-se entrevistas semiestruturadas para avaliar o processo educativo mediado pelo WhatsApp®.  Adotou-se a modalidade temática da análise de conteúdo. A ação educativa fundamentou-se nos seguintes princípios de Paulo Freire: rigor científico, ética, diálogo, respeito à sabedoria e à vivência prática das participantes. Resultados: Dois núcleos temáticos foram evidenciados com a análise: “As expectativas em relação a um grupo virtual de apoio à amamentação” e “A experiência em um grupo virtual de apoio à amamentação”. A expectativa das mães com o grupo consistia em resolver as suas dificuldades com a amamentação e em apoiar outras mães. O grupo revelou a possibilidade de aprendizagem, trocas e estímulo à doação. Conclusão: O grupo na rede social fortaleceu a prática da amamentação, promoveu aprendizado, apoio à amamentação e estímulo à doação de leite humano, conforme as percepções das participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Medeiros Bastos Roriz Barbo, Universidade Federal de Goiás

Nutricionista graduada pela Universidade Federal de Goiás com Residência em Nutrição Clínica pela Escola Superior de Ciências da Saúde do Distrito Federal. Mestre em ensino na Saúde (2019). Especialista em saúde/ nutricionista do Banco de Leite Humano do Hospital Regional da Asa Norte da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Consultora Internacional em Lactação certificada pelo Internacional Board of Lactation Consultant Examiners (2016- IBCLC L107066).

Ida Helena Carvalho Francescantonio Menezes, Universidade Federal de Goiás

Nutricionista pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Mestre em em Educação/UFG e Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Professora associada 3 da UFG. Tem experiência nas seguintes áreas temáticas: formação de profissionais de saúde, avaliação curricular, ações afirmativas e nutrição, com ênfase em análise nutricional de população, atuando principalmente nos seguintes temas: promoção da saúde, educação em saúde, gestante, lactente, aleitamento materno e educação permanente. Docente permanente do Mestrado Profissional Ensino na Saúde/Faculdade de Medicina/UFG, área de concentração ensino na saúde e linha de pesquisa processo educativo no trabalho em saúde.

Karine Anusca Martins, Universidade Federal de Goiás

Graduada em Nutrição pela Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Goiás - FANUT/UFG (2000), com desenvolvimento de iniciação científica PIBIC (1999/2000); especialista em Nutrição Clínica pela Universidade São Camilo-SP (2002); mestre em Ciências da Saúde pelo convênio UFG, UNB e UFMS (2006); especialista em Saúde da Família (Convênio FANUT/UFG, OPAS, SMS/Goiânia) (2008) e doutora em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da UFG - FM/UFG (2010). Atuou na coordenação de alguns produtos desenvolvidos no Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição do Escolar da UFG (CECANE UFG) de 2010 a 2014 e integra a equipe de coordenação dos planos de trabalho de 2017 a 2020. Atualmente é professora Associada II e Coordenadora de Curso da FANUT/UFG. Esteve como vice-diretora (no biênio 2018-2019). Atua como professora colaboradora dos Programas de Pós-Graduação em Nutrição e Saúde da FANUT/UFG e Mestrado em Ensino na Saúde (MEPES) da FM/UFG. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Saúde Pública (foi nutricionista servidora pública concursada da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia entre 2005 e 2010); Nutrição Clínica (nutricionista na área hospitalar entre 2002 e 2006) e Docência Universitária (desde 2001).

Referências

Rollins NC, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Lutter CK, Martines JC, Martines JC, Piwoz EG, Richter, LM, Victora, CG. Why invest, and what it will take to improve breastfeeding practices? Lancet. 2016; 387(10017):491-504.

Boccolini CS, Boccolini PMM, Monteiro FR, Venâncio SI, Giugliani ERJ. Tendência de indicadores do aleitamento materno no Brasil em três décadas. Rev de Saude Publica. 2017 ;51:1-9.

Almeida JAG, Novak FR. Amamentação: um híbrido natureza-cultura. J Pediatr. 2004; 80(Supl. 5): 119-125.

Abrahams SW. Milk and social media: online communities and the International Code of Marketing of Breast-milk Substitutes. J Hum Lact. 2012; 28(3):400-406.

Maia PRdS, Almeida JAGd, Novak FR, Silva DAd. Rede Nacional de Bancos de Leite Humano: gênese e evolução. Rev Bras Saude Mater Infant. 2006; 6(3):285-292.

Silva CM, Pellegrinelli ALR, Pereira SCL, Passos IR, Santos, LC. Práticas educativas segundo os “Dez passos para o sucesso do aleitamento materno” em um Banco de Leite Humano. Cien Saude Colet. 2017; 22(5):1661-1671. [periódico na internet]. Disponível em https://www.scielosp.org/article/csc/2017.v22n5/1661-1671/.

Brasil. Anvisa – Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Bancos de leite humano: funcionamento, prevenção e controle de riscos. Brasília, DF; 2008.

Meneses TMXd, Oliveira MICd, Boccolini CS. Prevalence and factors associated with breast milk donation in banks that receive human milk in primary health care units. J Pediatr. 2017; 93(4):382-388.

Balogun OO, O’Sullivan EJ, Mcfadden A, Ota E, Gavine A, Garner CD, Renfrew MJ, McGillivray S. Interventions for promoting the initiation of breastfeeding. Cochrane System Rev [periódico online]. 2016; 11. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD001688.pub3/full.

Pellegrine JB, Koopmans FF, Pessanha HL, Rufino CG, Farias HPSd. Educação Popular em Saúde: doação de leite humano em comunidade do Rio de Janeiro, Brasil. Interface – Com, Saude, Educ. 2014; 18 (supl. 2):1499-1506.

Sinha B, Chowdhury R, Sankar MJ, Martines J, Taneja S, Mazumder S, Rollins N, Bahl R, Bhandari N. Interventions to improve breastfeeding outcomes: a systematic review and meta-analysis. Acta Pediatr. 2015; 104 (supl. S467): 114-135.

Moretti FA, Oliveira VEd, Silva EMKd. Acesso a informações de saúde na internet: uma questão de saúde pública? Rev Assoc Med Bras. 2012; 58(6):650-658.

Brasil. PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. Acesso à internet, à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal. [acessado 2017 Dez 08]. Disponível em: http://www.mcti.gov.br/documents/10191/0/pnad-tic-2014.pdf.

Laranjo L, Arguel A, Neves AL, Gallagher AM, Kaplan R, Mortimer N, Mendes GA, Lau AYS. The influence of social networking sites on health behavior change: a systematic review and meta-analysis. J Amer Medic Inform Assoc. 2015; 22(1):243-56.

Guerra-Reyes L, Christie VM, Prabhakar A, Harris AL, Siek KA. Postpartum Health Information Seeking Using Mobile Phones: Experiences of Low-Income Mothers. Matern and child healt J. 2016;20(Suppl 1):13-21.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 1979.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social: teoria, métodos e criatividade. Editora Vozes, Petrópoles, 2013.

Sousa AFd, Claro MdL, Sousa ALd, Lima LHdO, Santana AGdS. Avanços e desafios do aleitamento materno no Brasil: Uma revisão integrativa. Rev Bras Prom Saude. 2015; 28(3): 434-442.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007;19(6):349-357

Alencar LCEd, Seidi EMF. Doação de leite humano: experiência de mulheres doadoras. Rev Saude Publica. 2009;43 (1):70-7.

Carvalho ML, Boccolini CS, Oliveira MId, Leal MdD. The baby-friendly hospital initiative and breastfeeding at birth in Brazil: a cross sectional study. Reprod Health. 2016; 13 (Supl. 3):208-265.

Alves JdS, Oliveira MICd, Rito RVVF. Orientações sobre amamentação na atenção básica de saúde e associação com o aleitamento materno exclusivo. Cien Saude Colet. 2018; 23(4):1661-1671.

Péres-Escamilla R, Curry L, Minhas D, Taylor L, Bradley E. Scaling up of Breastfeeding Promotion Programs in Low– and Midle-Income Countries: the “Breastfeeding Gear” Model. Advan in Nutrition. 2012; 2(6):790-800.

Nascimento VCd, Oliveira MICd, Herdy V, Silva KSd. Associação entre as orientações pré-natais em aleitamento materno e a satisfação com o apoio para amamentar. Rev Bras de Saude Materno. 2013; 13(2):147-159.

Linhares FMP, Pontes CM, Osório MM. Construtos teóricos de Paulo Freire norteando as estratégias de promoção à amamentação. Rev Bras Saude Mater Infant. 2014; 14(4):433-439.

Bridges N, Howel G, Schmied V. Exploring breastfeeding support on social media. Internat breastfeeding J. 2018;13(22):1-9.

Renfrew MJ. Breastfeeding in the 21st century. Lancet. 2016; 387(10033):2089.

Oliveira MICd, Souza IEdO, Santos EMd, Camacho LAB. Avaliação do apoio recebido para amamentar: significados de mulheres usuárias de unidades básicas de saúde do Estado do Rio de Janeiro. Cien Saude Colet. 2010; 15(2):599-608.

Fujimori E, Nakamura E, Gomes MM, Jesus LAd, Rezende MA. Aspectos relacionados ao estabelecimento e à manutenção do aleitamento materno exclusivo na perspectiva de mulheres atendidas em uma unidade básica de saúde. Interface – Com, Saude, Educ. 2010; 14(33):315-327.

Morgado CMdC, Werneck GL, Hasselmann MH. Rede e apoio social e práticas alimentares de crianças no quarto mês de vida. Cien Saude Colet. 2013; 18(2):367-376.

Kaunonen M, Hannula L, Tarkka M-T. Peer support interventions for breastfeeding: a systematic review. J Clin Nurs. 2012 (13-14):1943-1954.

Marques ES, Cotta RMM, Magalhães KA, Sant’Ana LFdR, Gomes AP, Siqueira-Batista R. A influência da rede social da nutriz no aleitamento materno: o papel estratégico dos familiares e dos profissionais de saúde. Cien Saude Colet. 2010; 15(Supl. 1):1391-1400.

Silva CME, Pellegrinelli ALR, Pereira SCL, Passos IR, Santos LCD. Educational practices in accordance with the "Ten steps to successful breastfeeding" in a Human Milk Bank. Cien Saude Colet. 2017; 22(5):1661-71.

Müller FS, Silva IA. Social representations about support for breastfeeding in a group of breastfeeding women. Rev Latino-Am. De Enf. 2009; 17(5):651-657.

Brasil. Conselho Nacional de Secretaria de Saúde. Política Nacional da Educação Popular em Saúde. Brasília: DF, 2013.

Brandão, CR. O que é o método Paulo Freire. São Paulo, Brasiliense, 1981.

Carvalho Sd, Martins Filho J. As relações da família com os pediatras: as visões maternais. Rev paul pediatr. 2016; 34(3):330-335.

Lima SGP, Guimarães KMF, Gerhardt PC, Cassiano ACM, Vermelho ACSD, Bortolozzi F. A utilização de redes sociais digitais na área da saúde: uma revisão sistemática. Pesq e Saude. 2015; 8:79-91.

Maia F, Struchiner M. Utilização dos weblogs e de comunidades do orkut como ferramentas pedagógicas em cursos da área da saúde. Interface – Com, Saude, Educ. 2010; 14(35):905-918.

Niela-Vilen H, Axelin A, Melender HL, Salantera S. Aiming to be a breastfeeding mother in a neonatal intensive care unit and at home: a thematic analysis of peer-support group discussion in social media. Matern & child Nutr. 2015; 11(4):712-26

Publicado
2020-12-22