Gamificação para prevenção de acidentes na infância

revisão sistemática

Palavras-chave: Prevenção de acidentes, Saúde da criança, Jogos e brinquedos

Resumo

Introdução: A gamificação pode ser utilizada como estratégia para prevenção de acidentes na infância, pois pode influenciar positivamente mudanças no comportamento de crianças e adolescentes. Objetivo: Identificar evidências sobre a utilização de games educativos como estratégia para prevenção de acidentes infantis. Metodologia: Realizaram-se buscas nas bases de dados LILACS, BDENF e MEDLINE, utilizando descritores DeCS. Selecionaram-se artigos disponíveis e publicados no período de 2013 a 2019 no idioma português; os critérios de exclusão foram indisponibilidade e duplicatas. Resultado: Encontraram-se 85 artigos. Destes, quatro atenderam os critérios de inclusão desta revisão. Na análise, foram identificados os acidentes como principais causas de morbimortalidade infantil e o domiciliar como principal agravo causador de morte, tendo o sexo masculino como mais acometido. ¾ dos artigos destacaram atividades lúdicas como instrumento de educação para o público infantil. Discussão: Segundo resultados, os acidentes domésticos foram relatados como uma das principais causas contribuintes para mortalidade infantil, tal informação corrobora com dados apresentados pelo Ministério da Saúde. Conclusão: 75% dos artigos apresentaram intervenções com recursos lúdicos, considerando as técnicas de educação eficientes para o público infantil. Games são descritos na literatura como recursos lúdicos, portanto, podem ser utilizados como ferramentas eficazes no processo de ensino-aprendizagem de crianças e adolescentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vânia Chagas da Costa, Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças/Universidade de Pernambuco

Mestre. Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco.

Luana Ketlen Cavalcanti de Lima Felix, Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco.

Emanuela Batista Ferreira e Pereira, Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco

Professora Adjunto da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco - FENSG/UPE. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Informática em Saúde-GPIS/UPE. Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Cirurgia pela Universidade Federal de Pernambuco. Mestre em Hebiatria - Determinantes de Saúde na Adolescência pela Universidade de Pernambuco. Residência de Enfermagem em Centro Cirúrgico pela SES/PE. Graduação em Enfermagem e Licenciatura Plena em Enfermagem pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Enfermeira Assistencial da Secretaria de Saúde de Pernambuco - Hospital da Restauração.Tem experiência na área de Enfermagem e saúde pública, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem perioperatória, enfermagem em clínica cirúrgica, recuperação anestésica, centro de material e esterilização, controle de infecção, pacientes críticos, tecnologia educativas, educação em saúde.

Marília Perrelli Valença, Universidade de Pernambuco

possui graduação em Enfermagem pela Universidade de Pernambuco e especialização em Educação profissional na Área de Saúde pela Universidade de Pernambuco - FENSG e em Estomaterapia ( Feridas, Estomias e Incontinências) pela Universidade de Pernambuco - FENSG, é Doutora e Mestre em Ciências da Saúde pela Faculdade de Ciências Médicas/ Universidade de Pernambuco. Atualmente é enfermeira da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - PROCAPE/ Universidade de Pernambuco e Professora da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças - FENSG - Universidade de Pernambuco. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Controle de Infecção Hospitalar e Estomaterapia, atuando principalmente nos seguintes temas.

Claudinalle Farias Queiroz de Souza, Universidade de Pernambuco

Doutora em Cirurgia pelo Programa de Cirurgia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora Adjunto da Faculdade de Enfermagem da Universidade de Pernambuco (FENSG/UPE). Líder do Grupo de Pesquisa Informática em Saúde (GPIS/UPE). Pesquisadora do Grupo TIS no Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal de Pernambuco (TIS/NUTES/UFPE). Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), ênfase em Cardiologia Invasiva. Residência de Enfermagem em Cardiologia pela UPE. Graduação em Enfermagem e Licenciatura Plena em Enfermagem pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Tem experiência na área de Enfermagem, Cardiologia; Unidade Terapia Intensiva, Informática em Saúde e Telessaúde.

Referências

Criança Segura Brasil [homepage on the Internet]. Dados sobre acidentes. [cited 2018, abr 20]. Disponível em <http://criancasegura.org.br/dados-de-acidentes.

Secretaria Municipal De Saúde. Manual de prevenção de acidentes e primeiros socorros nas escolas/Secretaria de Saúde. Coordenação de Atenção Básica. 2ed. ver. São Paulo: SMS, 2010

Batalha S, et al. Acidentes em crianças e jovens, que contexto e que abordagem? Experiência de nove meses no Serviço de Urgência num Hospital de Nível II. Acta Pediatr Port 2016; 47:30-7

Castro DF; Tredezini ALM. A importância do jogo/lúdico no processo de ensino- aprendizagem. Revista Perquierre, 11(1):166-181, jul. 2014.

Silva CB, Kantorski KIC, Motta MGC da et al. Atividades de educação em saúde junto ao ensino infantil: relato de experiência. Rev enferm UFPE on line. Recife, 11(Supl. 12):5455-63, dez., 2017.

Ramos DK; Segundo FR. Jogos digitais na Escola: aprimorando a atenção e a flexibilidade cognitiva. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 2, p. 531-550, abr./jun. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623665738

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

Cotonhoto LA; Rossetti CB. Prática de jogos eletrônicos por crianças pequenas: o que dizem as pesquisas recentes? Rev. Psicopedagogia 2016; 33(102): 346-57

Bunchball INC. Gamification 101: an introduction to the use of game dynamics to influence behavior. 2010. Disponível em <http://www.bunchball.com/sites/default/files/downloads/gamification101.pdf>. acesso em 24 de outubro de 2018

Costa ACS; Marchiori PZ. Gamificação, elementos de jogos e estratégia: uma matriz de referência. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 44-65, set. 2015/fev.2016

Silva LB; Barreto BLM; Batista M; Andrade FB; Malheiros CA. Revisão Sistemática e Metanálise. In: Campos, Josemberg. Manual prático de pesquisa – da graduação à pós-graduação/Josemberg Campos Álvares Ferraz. – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Revinter, 2016.

Roever L. Compreendendo os estudos de revisão sistemática. Rev Soc Bras Clin Med. 2017 abr-jun;15(2):127-30. Disponível em < https://fi-admin.bvsalud.org/document/view/r34d2> Acesso em 05 de fevereiro de 2020.

Baracat E; et al. Acidentes com crianças e sua evolução na região de Campinas, SP. Disponível em <https://www.researchgate.net/profile/Emilio_Baracat/publication/8982795_Accidents_with_children_in_the_region_of_Campinas_Brazil/links/550721cc0cf2d7a28122ffb0.pdf> Acesso em 25 de Abril de 2019

Araujo RAS. et al. Uso de atividades lúdicas no processo de humanização em ambiente hospitalar pediátrico: intervenção Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET/Saúde REDES - Urgência e Emergência). Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 98-106, dez. 2016. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582016000200007&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 29 maio 2019.

Espíndula AP, et al. Perfil de pacientes queimados do Hospital de Clínicas: uma proposta de intervenção com escolares. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(1):16-21. Disponível em <http://www.rbqueimaduras.com.br/export-pdf/139/v12n1a05.pdf> Acesso ‎2‎ de ‎abril‎ de ‎2019.

Lima DB, et al. Promoção à saúde e prevenção de acidentes na infância: uma ação de estudantes de medicina. Rev Med (São Paulo). 2013 abr.-jun.;92(2):119-27. Disponível em <https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/download/79951/83885/> Acesso em ‎3‎ de ‎abril‎ de ‎2019.

Margotti E, et al. A importância da prevenção de acidentes na infância: um relato de experiência. Rev Enferm Atenção Saúde [Online]. Jan/Jul 2018; 7(1):200-208. Disponível em <http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/download/2281/pdf> Acesso em 6‎ de ‎abril‎ de ‎2019.

Meschial WC, et al. Fatores de risco e medidas de prevenção das queimaduras infantis: revisão integrativa da literatura. Rev Bras Queimaduras. 2016;15(4):267-73. Disponível em <http://rbqueimaduras.com.br/details/325/pt-BR/fatores-de-risco-e-medidas-de-prevencao-das-queimaduras-infantis--revisao-integrativa-da-literatura > Acesso em ‎8‎ de ‎abril‎ de ‎2019.

Publicado
2020-04-17