A experiência com o uso do e-learning na aprendizagem baseada em problemas de um curso de medicina

Palavras-chave: Aprendizagem Baseada em Problemas, Educação a distância, Educação Médica

Resumo

Introdução: A Aprendizagem Baseada em Problema (ABP) vem estimulando transformações nos currículos de escolas médicas desde a década de 1960. Nos dias atuais, novas tecnologias educacionais (TE) se multiplicam e potencializam diferentes modos de ensinar e aprender. Nos cursos de saúde, o avanço das TE produziu a ABP Híbrida, metodologia que usa recursos do e-learning, combinando atividades a distância e presenciais, para promover o ensino-aprendizagem de forma ativa. Objetivo: Relatar a experiência do uso de recursos de e-learning na ABP em um curso de medicina. Método: Descrever e analisar a experiência do uso do e-learning incorporado como estratégia facilitadora e integradora da ABP no curso de graduação em medicina recém-implantado no interior no Nordeste brasileiro.  Resultado: Estratégias de e-learning são empregadas em todos os passos da ABP, seja como ferramenta de registro, seja como mediação de discussões virtuais, facilitando a interação e construção coletiva do conhecimento, oportunizando, assim, experiências diversas de aprendizado para estudantes com diferentes estilos de aprendizagem. Conclusão: A flexibilidade de tempo e espaço, ao realizar atividades à distância, amplia as possibilidades do ensinar e aprender, tocando aspectos como interação entre os estudantes, profundidade de discussões e envolvimento no processo tutorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nara Miranda Portela, Núcleo de Ciências da Vida do Campus do Agreste, UFPE

Atualmente é professora de Saúde Digital e de Inovação e Empreendedorismo do curso de medicina do Campus Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco.  Possui doutorado em Ciência da Computação na Universidade Federal de Pernambuco, mestrado em Engenharia da Computação na Universidade de Pernambuco e graduação em Engenharia Biomédica pela Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência nas áreas de Saúde Digital, Inovação e empreendedorismo, Tecnologias Educacionais, Reconhecimento de Padrões, Processamento Digital de Imagens e Processamento de Sinais Biológicos.

Juliana Martins Barbosa da Silva Costa, Núcleo de Ciências da Vida do Campus do Agreste, UFPE.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2000) e Doutorado em Saúde Pública pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (2015). Atualmente é professora do curso de medicina do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco, Diretora de Promoção, Monitoramento e Avaliação da Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco e docente permanente do Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Avaliação em Saúde do Instituto de Medicina Integral prof. Fernando Figueira. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes áreas: epidemiologia, atenção primária e avaliação em saúde.  

Gustavo Sérgio de Godoy Magalhães, Núcleo de Ciências da Vida do Campus do Agreste, UFPE.

Médico pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2006) com residência em Medicina de Família e Comunidade pela mesma universidade (2009). Mestre em Ensino em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP (2012). Possui ainda especialização em Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa pelo Colégio Médico de Acupuntura (2010). No momento, em curso de Doutorado em Educação Matemática e Tecnológica no EDUMATEC - UFPE. Participa da linha de pesquisa Coreografias Didáticas e Institucionais do Laboratório de Pesquisa e Práticas - Educação, Metodologias e Tecnologias - EDUCAT. Atua como professor da graduação em Medicina do Núcleo de Ciências da Vida (NCV) do Centro Acadêmico do Agreste (CAA) da UFPE e coordenador do Núcleo Municipal de Telessaúde - DEGTES - SESAU Recife. Desenvolve atividades de gestão, ensino, pesquisa e extensão em Educação Tecnológica, Saúde Digital, Atenção Primária à Saúde e Práticas Integrativas e Complementares.  

Referências

Bate E; Hommes J; Duvivier R; Taylor DC. Problem-based learning (PBL): Getting the most out of your students–Their roles and responsibilities: AMEE Guide. No. 84. 2014; 36(1): 1-12. [Acesso em: 15 de julho de 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24295273

Schmidt HG. Problem‐based learning: Rationale and description. Medical education. 1983; 17(1): 11-16. [Acesso em: 15 de julho de 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/6823214

Barrows HS. A taxonomy of problem‐based learning methods. Medical education. 1986: 20(6): 481-486. [Acesso em: 15 de julho de 2019]. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1365-2923.1986.tb01386.x

Davis MH; Harden RM. AMEE Medical Education Guide N° 15: Problem-based learning: a practical guide. Medical teacher. 2009; 21(2): 130-140. [Acesso em: 18 de julho de 2019]. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01421599979743

Harden RM; Davis MH. The continuum of problem-based learning. Medical teacher. 1998; 20(4): 317-322. [Acesso em: 17 de julho de 2019]. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01421599880733

Souza SCD; Dourado L. Aprendizagem baseada em problemas (ABP): um método de aprendizagem inovador para o ensino educativo. Holos. 2015; 5: 182-200. [Acesso em: 15 de julho de 2019]. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2880

UFPEa. Campus Agreste. Núcleo de Ciências da Vida. Curso de Medicina. Manual do Tutor. Caruaru: UFPE; 2014.

Ellaway R; Masters K. AMEE Guide 32: e-Learning in medical education Part 1: Learning, teaching and assessment. Medical teacher. 2008; 30(5): 455-473. [Acesso em: 15 de julho de 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18576185

Bacich L; Tanzi Neto A; Trevisani FM. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso Editora; 2015.

Magnagnagno CC; Ramos MP; Oliveira LMPD. Estudo sobre o uso do moodle em cursos de especialização a distância da UNIFESP. Rev. bras. educ. méd. 2015; 39(4): 507-516. [Acesso em: 15 de julho de 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-55022015000400507&script=sci_abstract&tlng=pt

Magalhães GSG; Portella NM; Padilha MA. Aprendizagem híbrida e integração curricular: potencialidades da coreografia institucional em uma nova escola médica no brasil. In: Vaquero TE; Brescó BE; Coiduras RJL; Carrera X. EDUcación con TECnología: un compromiso social. Iniciativas y resultados de investigaciones y experiencias de innovación educativa. Lleida: Edicions de la Universitat de Lleida; 2018. [Acesso em 25 de julho de 2019]. Disponível em: https://doi.org/10.21001/edutec.2019.

Escolas Médicas do Brasil. Todas as Escolas Médicas. [Acesso em 27 de julho de 2019]. Disponível em: http://www.escolasmedicas.com.br.

Borges MC; Chachá SGF; Quintana SM; Freitas LCC; Rodrigues MDLV. Aprendizado baseado em problemas. Medicina (Ribeirão Preto. Online). 2014; 47(3): 301-307. [Acesso em: 18 de julho de 2019]. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86619

Brasil. Ministério da Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. [internet]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 2014 jun. 23; 1: 8-11. [Acesso em: 27 de julho de 2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192

UFPEb. Campus Agreste. Núcleo de Ciências da Vida. Curso de Medicina. Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Caruaru: UFPE; 2014.

Brasil. Ministério da Educação. Portaria nº 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior - IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial.[internet]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 2018 dez. 31; 1:250. [Acesso em: 27 de julho de 2019]. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57496468/do1-2018-12-31-portaria-n-1-428-de-28-de-dezembro-de-2018-57496251

Alamro AS; Schofield S. Supporting traditional PBL with online discussion forums: A study from Qassim Medical School. Medical teacher. 2012; 34(sup1): S20-S24. [Acesso em: 8 de agosto de 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22409186

Crawford TR. Using problem-based learning in web-based components of nurse education. Nurse education in practice. 2011; 11(2): 124-130. [Acesso em: 8 de agosto de 2019]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21111680

Donlan P. Use of the Online Discussion Board in Health Professions Education: Contributions, Challenges, and Considerations. Journal of Continuing Education in the Health Professions. 2019; 39(2): 124-129. [Acesso em: 8 de agosto de 2019]. Disponível em: https://europepmc.org/article/med/30998568

Silva ASR; Oliveira LR; Cavalcante LE; Rolim RM; Sousa LF. Metodologias ativas de ensino e aprendizagem em educação à distância em saúde. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais.2018; 3(1): 15-26. [Acesso em: 14 de outubro de 2019]. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/resdite/article/view/40059

Dent J; Harden RM; Hunt D. A practical guide for medical teachers. Amsterdam: Elsevier health sciences, 2017.

Publicado
2020-04-17