Estudo comparativo de aplicativos móveis disponíveis para pacientes transplantados renais

Palavras-chave: Aplicativos Móveis, Benchmarking, Transplante de Rim

Resumo

Objetivo: Avaliar os diferentes aplicativos disponíveis para pacientes que passaram por um transplante renal e propor melhorias a essas novas tecnologias. Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada a partir de uma revisão de aplicativos em smartphones usando a técnica benchmarking, pois esta é uma forma de estratégia que busca melhoria contínua, além de um importante elemento para aprimorar o mercado competitivo. Além disso, realizada avaliação de usabilidade e utilização da técnica SCAMPER. Resultados: Inicialmente, por meio da busca realizada com auxílio dos descritores, em inglês e português, foram identificados 943 aplicativos, sendo selecionados sete para o estudo. Quanto ao idioma, havia predomínio na língua inglesa (86%). No teste de usabilidade apenas três (42,9%) atingiram escore de corte de 68 pontos do System Usability Scale (SUS), dito como satisfatório. A técnica SCAMPER possibilitou a transparência entre as possíveis transformações e as modificações favoráveis e oportunas para as tecnologias móveis. Conclusão: Os resultados sugerem que é necessário desenvolver melhorias nos aplicativos já existentes, além de conceber ideias inovadoras para um protótipo destinado aos pacientes transplantados, resultando em ferramentas para melhor adesão farmacológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Rodrigues da Silva, Departamento de Transplantes, Universidade Estadual do Ceará – UECE.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Durante a graduação foi bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET - SESU/MEC) do curso de Farmácia da UNIFOR (2015-2018), membro fundador da Liga Acadêmica de Fitoterapia (LAFITO) (2016), participou do programa de Iniciação Científica da UNIFOR (2016-2017) e participou do Programa de Monitoria Voluntária do Centro de Ciências da Saúde. Farmacêutico residente no programa de Residência Multiprofissional em Transplante de Órgãos e Tecidos pelo Hospital Geral de Fortaleza – HGF. Atualmente é Mestrando em Transplante pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Geraldo Bezerra da Silva Junior, Universidade de Fortaleza - UNIFOR

Médico graduado pela Universidade Federal do Ceará; Residência em Clínica Médica pelo Hospital Geral César Cals, da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará; Residência em Nefrologia pelo Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará; Mestrado e Doutorado em Ciências Médicas pela Universidade Federal do Ceará; Pós-Doutorado em Saúde Coletiva/Epidemiologia pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é Professor Adjunto do Curso de Medicina e dos Programas de Pós-Graduação em Saúde Coletiva e Ciências Médicas da Universidade de Fortaleza. Tem experiência na área de Medicina, atuando principalmente nas áreas de Clínica Médica e Nefrologia. Desenvolve pesquisas na área de Medicina Interna, Nefrologia, Medicina Tropical, Saúde Coletiva, Educação Médica e eHealth, com ênfase nas doenças renais. Membro da Sociedade Brasileira de Nefrologia e International Society of Nephrology.

Klébia Magalhães Pereira Castello Branco, Hospital de Messejana - Dr. Carlos Alberto Studart.

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal Do Ceará (1991) e residência médica em Pediatria pela Universidade de São Paulo- USP- Ribeirão Preto, com especialização em Terapia Intensiva Pediátrica pela Escola Paulista de Medicina e Cardiologia Pediátrica pelo Instituto do Coração- FMUSP- SP. Doutora em ciências, com área de concentração em cardiologia pela Universidade de São Paulo- USP. Atualmente é medica chefe do Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital de Messejana e médica assistente do Hospital Das Clinicas da UFC. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Cardiologia Pediátrica e Terapia Intensiva.

Referências

Pinto LF, Rocha CMF. Inovações na atenção primária em saúde: O uso de ferramentas de tecnologia de comunicação e informação para apoio à gestão local. Cienc e Saude Coletiva. 2016;21(5):1433–48.

Galván P, Rivas R, Ortellado J, Portillo J, Mazzoleni JHE. Rev. salud publica Parag. Vol. 10 N° 1 Ene – Jun 2020 Galván P, et al.. “Aplicación de tecnologías disruptivas en telemedicina.” 2020;10(1):52–8.

Velasco HF, Cabral CZ, Pinheiro PP, Azambuja RDCS, Vitola LS, Costa MR Da, et al. Use of digital media for the education of health professionals in the treatment of childhood asthma. J Pediatr (Rio J) [Internet]. 2015;91(2):183–8. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2014.07.007

Vieira LB, Ramos CDÁ, Castello MDB, Do Nascimento LC. Development of an electronic device to organize medications and promote treatment adherence. Rev Panam Salud Publica/Pan Am J Public Heal. 2016;39(4):208–12.

Gong K, Yan Y-L, Li Y, Du J, Wang J, Han Y, et al. Mobile health applications for the management of primary hypertension. Medicine (Baltimore). 2020;99(16):e19715.

Oliveira GG. Proposição de um sistema de informação de benchmarking para empresas desenvolvedoras de produtos. pgdesign. 2017;1:1–322.

Ferreira RC, Lanne G, Luna M, Bezerra AG. Benchmarking na identificação de aplicativos móveis internacionais sobre a violência na escola. 2016;4:138–43.

John Brooke. SUS - A quick and dirty usability scale. Usability Eval Ind. 1996;189–94.

Tenório JM, Cohrs FM, Sdepanian VL, Pisa IT, Marin HDF. Desenvolvimento e Avaliação de um Protocolo Eletrônico para Atendimento e Monitoramento do Paciente com Doença Celíaca. Rev Informática Teórica e Apl. 2011;17(2):210.

Marimon BR, Margarida Rockenbach TL. Avaliação de Ambiente Virtual de Aprendizagem com o uso do SUS - System Usability Scale. Renote. 2014;11(3).

Taifa IWR, Desai DA, Bulsara NM. The development of an ergonomically designed product through an integrated product team approach. Int J Occup Saf Ergon [Internet]. 2019;0(0):1–32. Available from: https://doi.org/10.1080/10803548.2018.1557398

Moher D, Liberati A, Tetzlaff J AD. Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiol e Serviços Saúde. 2015;24(2):335–42.

Barra DCC, Paim SMS, dal Sasso GTM, Colla GW. Métodos para desenvolvimento de aplicativos móveis em saúde: Revisão integrativa da literatura. Texto e Context Enferm. 2017;26(4):1–12.

Watanabe N, Horikoshi M, Yamada M, Shimodera S, Akechi T, Miki K, et al. Adding smartphone-based cognitive-behavior therapy to pharmacotherapy for major depression (FLATT project): Study protocol for a randomized controlled trial. Trials. 2015;16(1).

Suzart F, Santana EB, Santos É, Silva J, Carvalho M, Luís F, et al. Uso De Apps Para a Promoção Dos Cuidados À Saúde. An do Semin Tecnol Apl a Educ e Saúde. 2017;0(0).

Caivano S, Ferreira BJ, Domene SMÁ. Avaliação da usabilidade do Guia Alimentar Digital móvel segundo a percepção dos usuários. Cienc e Saude Coletiva. 2014;19(5):1437–46.

Tibes CM dos S, Dias JD, Zem-Mascarenhas SH. Mobile applications developed for the health sector in Brazil: an integrative literature review. REME Rev Min Enferm. 2014;18(2):471–8.

Nívea TATN, Balduíno DAY, Melo CC, Leite DE, Cardoso S, Matias E, et al. Tendências De Estudos Sobre Aplicativos Móveis Para Saúde: Revisão Integrativa. XV Congr Bras Informática em Saude [Internet]. 2016;499–508. Available from: www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis

Sarkar U, Gourley GI, Lyles CR, Tieu L, Clarity C, Newmark L, et al. Usability of Commercially Available Mobile Applications for Diverse Patients. J Gen Intern Med [Internet]. 2016;31(12):1417–26. Available from: http://dx.doi.org/10.1007/s11606-016-3771-6

Yasini M, Marchand G. Mobile Health Applications, in the Absence of an Authentic Regulation, Does the Usability Score Correlate with a Better Medical Reliability? Stud Health Technol Inform. 2015;216:127–31.

Serrat O, Serrat O. The SCAMPER Technique. In: Knowledge Solutions. Springer Singapore; 2017. p. 311–4.

Siddique AB, Krebs M, Alvarez S, Greenspan I, Patel A, Kinsolving J, et al. Mobile apps for the care management of chronic kidney and end-stage renal diseases: Systematic search. J Med Internet Res. 2019;21(9):1–9.

Formagini TDB, Ervilha RR, Machado NM, Andrade BABB de, Gomide HP, Ronzani TM. Revisão dos aplicativos de smartphones para cessação do tabagismo disponíveis em língua portuguesa. Cad Saude Publica. 2017;33(2):1–10.

Cahyati H, Muin A, Musyrifah E. Efektivitas Teknik SCAMPER dalam Mengembangkan Kemampuan Berpikir Kreatif Matematis Siswa. J Medives J Math Educ IKIP Veteran Semarang. 2018;2(2):173.

Özyaprak M. The effectiveness of SCAMPER technique on creative thinking skills. J Educ Gift Young Sci. 2016;4(1):31–40.

Publicado
2020-12-22