Ética Civilizacional e Teoria Sociológica: uma revisão conceitual de Durkheim

  • André Oda Universidade do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA)
Palavras-chave: Durkheim, Ética, Natureza, Sociedade

Resumo

Neste artigo, faço revisão de alguns dos conceitos acionados por Durkheim em vista de um postulado ético-moral que atravessa as diferentes fases de sua obra: este postulado é o do valor moral da civilização, expresso na dicotomia entre natureza e sociedade. A partir disso, revisei o problema sociológico da anomia e o de sua distinção teórica em relação ao do egoísmo. Em seguida, mostro de que modo as determinações naturais e as figuras simbólicas do irracional aparecem na compreensão histórica e sociológica de Durkheim. Fiz isso através da análise de três categorias de forças históricas: (1) forças histórico-naturais de individuação, (2) forças históricas de tipo interacional e (3) a ação racional do Estado como sujeito social autônomo e privilegiado. Concluo mostrando de que modo, em vista do postulado ético-moral de prevalência da sociedade sobre a natureza, a democracia se apresenta para ele como o sentido histórico da civilização. 

Biografia do Autor

André Oda, Universidade do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA)
Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP).
Mestre e bacharel em Ciências Sociais pela Universidade
Estadual Paulista (UNESP/Marília) e Professor de Teoria
Social na Universidade do Sul e Sudeste do Pará

Referências

BELLAH, Robert N. (1959). Durkheim and history. American Sociological Review, volume 24, nº 4, p. 447-461.

BESNARD, Phillipe (1993). Anomie and fatalism in Durkheim’s Theory of Regulation. In: Turner, S. (ed.), Émile Durkheim: sociologist and moralist. New York: Routledge, 1993.

COLLINS, Randall (1990). Durkheimian tradition in sociology. In: Alexander, Jeffrey C. (ed.) Durkheimian sociology: cultural studies. Cambridge University Press, 1990, reprinted in 1992.

DURKHEIM, Émile (1893/2004).Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes.

DURKHEIM, Émile (1895/1978). As regras do método sociológico. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

DURKHEIM, Émile (1897/2004a). O suicídio. São Paulo: Martins Fontes.

DURKHEIM, Émile (1897/2004b). Lições de sociologia. São Paulo: Martins Fontes.

DURKHEIM, Émile (1912/2000). As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

DURKHEIM, Émile (1924/1970).Sociologia e filosofia. Rio de Janeiro: Forense.

DURKHEIM, Émile (1986). Durkheim on politics and the State(ed. Anthony Giddens). Stanford: Stanford University Press.

GIDDENS, Anthony (1998). Politica, sociologia e teoria social. São Paulo: Editora da UNESP.

HUNT, Lynn (1990). The sacred and the French Revolution. In: Alexander, J. (ed.) Durkheimian sociology: cultural studies. Cambridge University Press.

MEŠTROVIĆ, Stjepan (1985). Anomie and sin in Durkheim’s thought. In: Journal for the scientific study of religion, 24 (2): 119-236.

PINHEIRO FILHO, Fernando (2004). A noção de representação em Durkheim. Lua Nova, nº 61, 2004.

SHILLING, Chris and MELLOR, Philip A. (1988), Durkheim, Morality and modernity: Collective Effervescence, Homo duplex and the sources of moral action. British Journal of Sociology, 49(2): 193-209.

Publicado
2016-01-21