A Expansão da Jurema na Península Ibérica

  • Ismael Pordeus Jr Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Transnacionalização, Religiões Lusoafrobrasileiras, Jurema, Transe, Possessão, Árvore Encantada

Resumo

RESUMO

Depois da Umbanda e do Candomblé, a Jurema Encantada é a mais recente religião brasileira a cruzar o Atlântico e a entrar no complexo de transnacional da Península Ibérica, particularmente, de Portugal, onde dá sinais de expansão. As religiões são por excelência, adeptas do transnacional. A transferência entre comunidades passa de uma a outra cultura, podendo existir nas duas, e se estender, em um sentido bem mais amplo, como que a designar as vias de passagem e a permitir o fenômeno de uma terceira via, uma hibridização da produção de componentes culturais: em constante re-composição, aparecendo, frequentemente, nas culturas das sociedades coloniais e pós-coloniais. Tudo isso faz emergir uma nova categoria de modelo ideal, o peregrino carismático, fundador de novas comunidades na modernidade religiosa. É o que será tratado neste ensaio a partir de tópicos de um estudo em uma Jurema, o Centro Espírita Vila Alhandra, situada em São Lourenço, Azeitão, Portugal.

Biografia do Autor

Ismael Pordeus Jr, Universidade Federal do Ceará
Antropólogo e professor Titular da Universidade Federal do Ceará

Referências

AGIER, Michel (2013). La condition cosmopolite. L’antropologie à l’eupreuve du piege identitaire.Paris: La découverte.

ANDRADE, M. (1993). Fotógrafo e turista aprendiz. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros/USP.

ASSUNÇÃO, L. (2006). O reino dos mestres: a tradição da Jurema na Umbanda nordestina. Rio de Janeiro: Pallas.

BAKHTIN, M. (1978). Esthétique et théorie de roman. Paris: Galimard.

BASTIDE, R. (1945). Imagens do Nordeste mítico em preto e branco. Rio de Janeiro: O Cruzeiro.

BASTOS, C. (2001). Omulu em Lisboa: etnografias para uma teoria da globalização. Etnográfica, vol. V, nº 2, 303-324.

CONERTON, P. (1993). Quando as sociedades recordam. Oeiras-PT: Celta.

GUILLOT, M. (2009). Du myth de l’unité luso-afro-brésilienne: le candomblé et l’umbanda au Portugal. Lusotopie, vol. XVI, nº 2, Paris, Brill.

HERVIEU-LÉGER, D. (1999). Le pèlerin et le converti. La religion en movement. Paris: Flamarion.

MONTENEGRO, M. 20050. Les bruxos: des thérapeutes traditionnels et leur clientèle au Portugal. Paris: L’Harmattan.

MOTA, R.(1976). Jurema. Recife: IJNPS, Centro de Estudos Folclóricos (Folclore, 22).

PAIS, JOSÉ M. (1994). Souza Martins e suas memórias sociais: sociologia de uma crença popular. Lisboa: Gradiva.

PORDEUS JÚNIOR, Ismael (2000). Uma casa luso-afro-brasileira com certeza: emigrações e metamorfoses da Umbanda em Portugal. São Paulo: Terceira Margem. Coleção África.

PORDEUS JÚNIOR, Ismael (2009). Portugal em transe: a transnacionalização das religiões afro brasileiras: conversão e performances. 2ª edição. Lisboa: ICS.

PORDEUS JÚNIOR, Ismael (2010). Bricolage(s) de l’imaginaire dans l’Umbanda. InStéphane Pawloff (orgs.) L’art d’inventer l’existence dans las pratiques médico-sociales. Lyon: Reliance, Édition Érès.

PORDEUS JÚNIOR, Ismael (org.). (2012). Apresentação. In BURGOS, A. Jurema sagrada: do Nordeste brasileiro à Península Ibérica. Fortaleza: LEO/UFC.SARAIVA, Clara (2010). Afro-Brazilian religons in Portugal: bruxos, priests and pais de santo. Lisboa. Etnográfica, vol. 14, nº 2, p. 265-288.

TOURNER, V. (1987). The antropologiy of performance. N.Y.: P A J Publication.

TOURNER, V. (1972). O processo ritual: estrutura e anti estrutura. Petrópolis-RJ: Vozes.

ZUNTHOR, P. (1978). La letre et la voix. Paris: Seuil

Publicado
2016-01-21