Ruth First e a História das Ciências Sociais em Moçambique: o “ouro negro” e o trabalhador migrante nas minas sul-africanas

  • Diogo Valença de Azevedo Costa Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL)
Palavras-chave: Ruth First, Moçambique, Ouro Negro, Trabalhador Migrante, África do Sul

Resumo

Resumo: O presente artigo aborda a obra clássica das ciências sociais moçambicanas Black gold: the Mozambican miner, proletarian and peasant (1983) redigida por Ruth First, militante comunista e opositora do regime do Apartheid, em fins da década de 1970. O livro aborda a situação social dos trabalhadores migrantes nas minas da África do Sul, provenientes da província de Inhambane em Moçambique. A referida obra é fundamental, de um lado, para entender o caráter das ciências sociais moçambicanas logo após sua Independência em 1975 e, de outro, como uma fonte de hipóteses para investigações atuais sobre a exploração do trabalho nas minas africanas. Por fim, uma discussão sobre a pertinência de se utilizar as categorias de proletário e camponês em países africanos ajudará a aprofundar a compreensão das possibilidades teóricas da África como objeto de estudo das ciências sociais. 

Biografia do Autor

Diogo Valença de Azevedo Costa, Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL)
Professor Adjunto III do Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL) e Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais: Desigualdades, Desenvolvimento e Cultura da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Possui pós-doutorado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Universität Basel (Unibas), nesta última como bolsista da CAPES - Proc. no BEX 10774/13-0

Referências

ALLINA, Éric. Slavery by any other name: African life under Company Rule in Colonial Mozambique. Cadernos de Estudos Africanos, 25, 2013, p. 209-212.

AMIN, Samir. L’accumulation à l’échelle mondiale. Paris: Éditions Anthropos, 1970.

______ O desenvolvimento desigual: ensaios sobre as formações sociais do capitalismo periférico. São Paulo: Forense, 1976.

______ O capitalismo e a renda fundiária, in: AMIN, S., VERGOPOULOS, K. (orgs.). A questão agrária e o capitalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

BALANDIER, Georges. Sociologia da África Negra: dinâmica das mudanças sociais na África Central. Lisboa/Luanda: Edições Pedago/Edições Mulemba, 2014.

BAMBIRRA, Vânia. O capitalismo dependente latino-americano. 2. ed. Florianópolis: Insular, 2013.

BRAGANÇA, Aquino de, O’LAUGHLIN, Bridget. O trabalho de Ruth First no Centro de Estudos Africanos: o curso de desenvolvimento, in: MONDAINI, M. (org.). Sonhar é preciso: Aquino de Bragança: independência e revolução na África Portuguesa (1980-1986). Recife: Editora UFPE, 2014.

CARCANHOLO, Reinaldo A., NAKATANI, Paulo. O capital especulativo parasitário: uma precisão teórica sobre o capital financeiro, característico da globalização. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 284-304,1999.

CENTRO DE ESTUDOS AFRICANOS-UEM. O mineiro moçambicano: um estudo sobre a exportação de mão de obra em Inhambane. Maputo: CEA-UEM, 1998.

FERNANDES, Florestan. A natureza sociológica da sociologia. São Paulo: Ática, 1980.

FIRST, Ruth. Black Gold: the Mozambican Miner, proletarian and peasant. Sussex/New York: The Harvester Press/ St. Matins’s Press, 1983.

______ Subdesenvolvimento e trabalho migratório, in: MONDAINI, M. (org.). Sonhar é preciso: Aquino de Bragança: independência e revolução na África Portuguesa (1980-1986). Recife: Editora UFPE, 2014.

HARRIES, Patrick (1976), Labour migration from the Delagoa Bay hinterland to South Africa, 1852 to 1895. The Societies of Southern Africa in the 19th and 20th centuries, v. 7, London, ICS, 1976.

HARRIS, Marvin. Labour emigration among the Mozambique Thonga: cultural and political factors. Africa, 29, 1959, p. 50-66.

GEFFRAY, Christian. Fragments d’un discour du pouvoir (1975-1985): du bon usage d’une méconnaissance scientifique. In: GUILLAUD, Y., LÉTANG, F. (orgs.). Du social hors la loi: l’anthropologie analytique de Christian Geffray. Marseille: IRD, 2009, p. 58-72.

JAMES, C. L. R. Os jacobinos negros: Toussaint L’Ouverture e a revolução de São Domingos. São Paulo: Boitempo, 2000.

KOFI, Tetteh A. Peasants and economic development: populist lessons for Africa. African Studies Review, v. 20, n. 3, p. 91-119, dec. 1977.

LABARTHE, Gilles. L’or africain: pillages, trafics & commerce international. Marsaille: Agone, 2007.

MACAGNO, Lorenzo. Do assimilacionismo ao multiculturalismo: educação e representações sobre a diversidade cultural em Moçambique. 2000. 2 v. (Doutorado em Sociologia e Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e utopia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

MARINI, Ruy Mauro. Subdesenvolvimento e revolução. Florianópolis: Insular, 2012.

MARTINS, Carlos Eduardo. Globalização, dependência e neoliberalismo na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. El 18 Brumario de Luis Bonaparte. Buenos Aires: Longseller, 2005.

______ O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008. v. 5.

MONDLANE, Eduardo. Lutar por Moçambique. Maputo: CEA, 1995.

MOSCA, João. Economia de Moçambique: século XX. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista/O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PÉLISSIER, René. História de Moçambique: formação e oposição 1854-1918. Lisboa: Estampa, 2000.

PEREIRA, Rui M. Raça, sangue e robustez: os paradigmas da Antropologia Física colonial portuguesa. Cadernos de Estudos Africanos. 7/8, 2005, p. 209-241.

RITA-FERREIRA, António. Recentes contribuições para o estudo do trabalho migratório de Moçambique para a África do Sul. Cadernos do Noroeste. v. 4 (6-7), 1991, p. 23-40.

SANSONE, Livio. Eduardo Mondlane and the social sciences, Vibrant, v. 10, n. 2, p. 73-111, 2013.

SHORE, Herbert. Resistência e revolução na vida de Eduardo Mondlane, Estudos Moçambicanos, Maputo, n. 16, p. 19-59, 1999.

SANTOS, Theotonio dos. Democracia e socialismo no capitalismo dependente. Petrópolis: Vozes, 1991.

______ A teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

TRASPADINI, Roberta, STÉDILE, João Pedro (orgs.). Ruy Mauro Marini: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

WELCH JR., Claude E. Peasants as focus in African Studies. African Studies Review, v. 20, n. 3, p. 1-5, dec. 1977

ZAMPARONI, Valdemir. De escravo a cozinheiro: colonialismo e racismo em Moçambique. 2. ed. Salvador: EDUFBA, 2012.

Publicado
2016-04-19