Trabalho Feminino nas Colônias Alemãs da África

  • Simoni Mendes de Paula Universidade Federal de Santa Catarina
  • Ana Carolina Schveitzer Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Colonialismo, Colonização Alemã, Trabalho Feminino

Resumo

O colonialismo alemão foi uma experiência de poucas décadas de duração, entre 1884 e 1914. Neste breve período, a Sociedade de Colonização Alemã foi uma das principais instituições que se empenhou para a construção de uma sociedade colonial branca e germânica em África. Também a sua Liga Feminina teve papel importante, notadamente ao se mobilizar para o envio de mulheres brancas para as colônias africanas. Nas colônias, as mulheres alemãs trabalhavam, entre outras atividades, como professoras, governantas, secretárias, enfermeiras e domésticas em casas, no meio urbano, ou em fazendas, no meio rural. Através da análise de fotografias, livros autobiográficos e de publicações da Liga Feminina objetiva-se analisar um conjunto de atividades compartilhadas por mulheres adventícias e nativas. Também identificar os espaços do trabalho que eram compartilhados entre mulheres alemãs e africanas, embora o convívio entre elas não anulasse necessariamente certas distâncias sociais, bem como idiossincrasias entre elas.

Biografia do Autor

Simoni Mendes de Paula, Universidade Federal de Santa Catarina
Simoni Mendes de Paula é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina, suas pesquisas abordam os seguintes temas: Colonialismo, Desastres Ambientais e História Ambiental
Ana Carolina Schveitzer, Universidade Federal de Santa Catarina
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina. Participa do Laboratório de Estudos de História da África (LEHAf/UFSC). Sua pesquisa aborda o circuito social de fotografias durante o colonialismo alemão em África

Referências

BREPOHL, Marion. Imaginação Literária e Política: Os Alemães e o Imperialismo 1880/1945. Uberlândia: EDUFU, 2010

BRODERSEN-MANNS, H. Wie alles anders kam in Afrika. Südwester Erinnerungen aus den Jahren 1914/1915, 1991

CONCEIÇÃO, Ângela Maria Agostinho da.Colonialismo e mulheres em Moçambique: anos 50/60 : mulheres brancas em terra de negros. Lisboa, 2004.

CORREA, Sílvio M. de S. Imigração e privatização dos recursos naturais na África durante o colonialismo alemão (1884-1914) in NODARI, Eunice S. (org.) História Ambiental e Migrações. São Leopoldo: OIKOS, 2012, p.15 – 34.

CORREA, Sílvio M. de S. As ambiguidades do trabalho na África Oriental Alemã (1885-1914). I Seminiário Internacional Mundos do Trabalho: Histórias do Trabalho no Sul Global. UFSC – Florianópolis, 25-28 de outubro de 2010.

CORREA, Sílvio M. de S. Fronteiras da educação na África sob domínio colonial alemão.Revista História da Educação – RHE , v. 16, n. 37 (2012). Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação – Asphe/ Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1990

ELIAS, Norbert. Os Alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus no século XIX e XX. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 1997.

ERICHSEN, Casper W. “The Angel ofDeath.” .A study of Namibia's concentration camps and prisoners-of-war, 1904-08.Leiden: ASC University of Leiden, 2005.

KAROW, Maria. Wo sonst der Fuss des Kriegers trat: Farmerleben in Südwest nach dem Kriege. Verlegt bei Ernst Siegfried Mittler und Sohn Königliche, Berlin, 1909.

MATA, Inocência; PADILHA, Laura (orgs.) A mulher em África – Vozes de uma margem sempre presente. Lisboa: EdiçõesColibri, 2007.

REAGIN, Nancy R..Sweeping the German Nation: Domesticity and National Identity in Germany, 1870–1945.New York: Cambridge University Press, 2007.

SCOTT, Joan.Gênero: Uma categoria útil de analise histórica. In: Educação e Realidade. Porto alegre: Faculdade de Educação/ UFRGS, v.20, n.2, p.71-99, 1995.

SMITH, Woodruff D.The German Colonial Empire.University of North Carolina Press, 1978, p. 51.

ZAMPARONI, Valdemir (2002) “As ‘escravas perpétuas’ & o ‘ensino prático’: raça, gênero e educação no Moçambique Colonial, 1910-1930”, in Estudos Afro-Asiáticos24 (3), pp. 459-482.

Publicado
2016-04-19