Carregadores, Guias e Caçadores: trabalho e resistência na expedição portuguesa ao interior da África (1884-1885)

  • Antonio José Alves de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina
  • José Nilo Bezerra Diniz Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Trabalho, Expedições Científicas, Africanos, Resistências

Resumo

O trabalho tem como objetivo discutir a presença essencial e imprescindível do trabalho de africanos e luso-africanos nas expedições científicas no interior do continente africano, principalmente após a publicação de um corpo legislativo em relação à gestão do trabalho “indígena” por parte dos portugueses após 1850 e mais detidamente em relação à expedição de Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens de Angola à Moçambique entre 1884 e 1885. Através da Historia Social do Trabalho e a História Social das Ciências almeja-se atentar para a experiência e para as resistências cotidianas de cozinheiros, caçadores e guias na expedição de Costa à Contra-costa empreendida pelos portugueses no último quartel do século XIX.

Biografia do Autor

Antonio José Alves de Oliveira, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Cultural na Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista Capes. Graduado em História pela Universidade Federal do Ceará e Mestrado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Ênfase em pesquisas na área de História Ambiental, principalmente no que concerne às ideias, valores e percepções do mundo natural na extensão do Império colonial português na segunda metade do século XVIII
José Nilo Bezerra Diniz, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em História Cultural na Universidade Federal de Santa Catarina. Graduado em História pela Universidade Federal do Ceará e Mestrado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Desenvolve trabalhos em História da África principalmente no que concerne à movimentação dos reinos e impérios, hidrografia e cartografia ao longo do século XIX.

Referências

ALEXANDRE, Valentim. Portugal em África (1825-1974): Uma perspectiva global. Penélope: Fazer e desfazer a História. Lisboa, n. 11, p. 53-66, maio. 1993.

______. Traumas do Império. História, Memória e Identidade Nacional. Cadernos de Estudos Africanos. Ano 06, vol. 9/10, p. 23-41, Ag. 2006. Disponível em < http://cea.revues.org/1201; DOI: 10.400/cea.1201>. Acesso em: 31 de maio de 2015.

BANDEIRA, Marquês de Sá. O trabalho rural africano e a administração colonial. Lisboa: Imprensa Nacional, 1873.

CAPELO, Hermenegildo; IVENS, Roberto. De Angola à Contracosta: Descrição de uma viagem pelo continente africano. Lisboa: Imprensa Nacional, 1886.

______. Diários da viagem de Angola a Contra-costa. Lisboa: Agencia Geral do Ultramar, 1952.

CASTELO, Cláudia. “Novos Brasis” em África: desenvolvimento e colonialismo português tardio. Varia História. Belo Horizonte, n. 53, vol. 30, p. 507-532, Ago. 2014.

COOPER, Frederick. Condições análogas à escravidão: Imperialismo e ideologia da mão-de-obra livre na África. In: COOPER, Frederick; HOLT, Thomas & SCOTT, Rebecca (orgs.). Além da Escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

CONRAD, Joseph. O Coração das Trevas. Rio de Janeiro: Coleção LP & M Pocket, 1998 (1ª edição, 1902).

ENNES, António J. O Trabalho dos Indígenas e O Crédito Agrícola. In: VÁRIOS. Antologia Colonial Portuguesa. Vol. 1: Política e Administração. Lisboa: Agencia Geral das Colônias, 1946. p. 23-55.

GEBARA, Alexander. A África presente no discurso de Richard Francis Burton: uma análise da construção de suas representações. Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação História social do Departamento de História da FFLCH-USP, para obtenção do título de doutor. São Paulo, 2006.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HEINTZE, Beatrix. Hidden transfers: Luso-africans as european explorers experts in nineteenth- century west-central Africa. In: LANDAU, Paul Stuart. The power of doubt: essays in honor of David Henige. Parallel Press Chapbooks, Parallel Books, Winsconsin, 2011, p. 16 – 40. Disponível em: < http//digital.library.wisc.edu/1711.dl/AfricanStudies.PowerofDoubt > Acesso em 18 de Ago. 2015.

______. A lusofonia no interior da África Central no período pré-colonial: um contributo para a sua historia e compreensão na atualidade. Cadernos de Estudos Africanos: Lisboa, ano 05, n. 7-8, p.181-207, Abr. 2005.

JORGE, Lia Santos. A coleção Henrique de Carvalho da Sociedade de Geografia de Lisboa à luz de um plano de estudo conservação e restauro. Tese submetida ao departamento de História e antropologia do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. Lisboa, 2008.

KILLINGRAY, David. Labour exploitation for military campaings in British Colonial Africa 1870-1945. Journal of Contemporary History. Londres, Vol. 24, nº 3, p. 483-501, jul. 1989.

KIPLING, Rudyard. O Fardo do Homem Branco (1899). Disponível em: <http://historiacontemporaneaufs.blogspot.com.br/2010/10/o-fardo-do-homem-branco-1899.html>. Acesso em: 15 jan. 2015.

MARGARIDO, Alfredo. Les porteurs: formes de domination et agents de changement en Angola (XVII-XIX siècles). Revue Française d’Histoire d’Outre-mer. Tomo LXV, vol. 65, n. 240, p. 377-400. 1978. Disponível em: <http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/outre_0300-9513_1978_num_65_240_2133> . Acesso em: 18 de Ago. 2015.

MARTINEZ, Esmeralda Simões. O Trabalho forçado na legislação colonial portuguesa: O caso de Moçambique (1899-1926). Dissertação apresentada a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa para obtenção do grau de Mestre em História da África. Lisboa, 2008.

MARTINS, Luciana de Lima. O Rio de Janeiro dos Viajantes: O Olhar britânico (1800-1850). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2011.

OLIVEIRA MARTINS, J. P. de. O Brazil e as Colonias Portuguezas. Lisboa: Livraria Bertrand, 1880.

PINTO, Alexandre de Serpa. Como eu atravessei a África do Atlântico ao Mar Índico: de Benguela à Contra-costa através de regiões desconhecidas. Dois volumes. Londres: Sampson Low, Marston Searle, Rivington editores. Crown buildings, Fleet Street, 1881. Edição fac-símilar The Project Gutenberg, 2007.

REVEL, Jacques (org.). Jogos de Escalas: A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

RODRIGUES, Eugênia. Ciência europeia e exploradores africanos: a viagem de Francisco José de Lacerda e Almeida ao Kazembe. Africana Studia, Porto, n. 17, edição do centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, p. 81- 102, Ago. 2011.

SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SANTOS, Elaine Ribeiro da Silva. Barganhando sobrevivências: os trabalhadores centro-africanos da expedição de Henrique de Carvalho a Lunda (1884-1888). Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Historia – USP, São Paulo, 2010.

SANTOS, Maria Emilia Madeira. Capelo e Ivens: um fecho europeu para uma tradição nacional. Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), Lisboa, 1987.

SERRÃO, Joel; MARQUES, A. H. Oliveira (dir.). Nova História da Expansão portuguesa. Vol. X: O Império africano (1825-1890). Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

SILVA, Ana Cristina Nogueira da. Fotografando o mundo colonial africano: Moçambique, 1929. Varia História, Belo Horizonte. Vol. 25, n. 41, p. 107–128, jan-jun. 2009.

Texto do Regimento de Administração da Justiça nas Províncias Ultramarinas, promulgado em 20 de Setembro de 1894 e assinado pelo ministro da Marinha e Ultramar, João Antonio de Brissac das Neves Ferreira, que regulamentava o decreto de 20 de fevereiro do mesmo ano. Disponível em: <http://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/1422.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2014.

VERNE, Jules. L'Eternel Adam. In: Hier et Demain: contes et nouvelles. Paris: Collection Hetzel, 1910. Disponível em: <https://archive.org/details/hieretdemaincont00vernuoft>. Acesso em: 15 jan. 2015.

WESSELING, H. L. Dividir para Dominar: a Partilha da África (1880 – 1914). Rio de Janeiro: Editora UFRJ / Editora Revan, 1998.

_______ Les Empires Coloniaux européens (1815 – 1919). Paris: Gallimard, 2009.

ZAMPARONI, Valdemir. De escravo a cozinheiro: colonialismo e racismo em Moçambique. Salvador: EDUFBA, 2007.

Publicado
2016-04-19