As Desigualdades Categóricas e Duradouras de Propriedade, Raça e Sexo na Sociologia Paulista das Décadas de 1950 e 1960

  • André Victorino Mindoso Sociologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • José Miguel Rasia Universidade Federal do Paraná.
Palavras-chave: Desigualdades Categóricas, Propriedade, Raça, Sexo, Sociologia Paulista

Resumo

O artigo propõe-se a identificar e analisar a forma como a geração de sociólogos que estudou o Brasil nas décadas de 1950-1960 discutiu as desigualdades sociais. Trabalha-se aqui textos de Donald Pierson (1966), Roger Bastide e Florestan Fernandes (1959), Antonio Candido (1977), Maria Isaura P. Queiroz (1957) e Maria Sylvia de Carvalho Franco (1997).[i] A leitura da produção desses autores foi orientada pela concepção de desigualdades categóricas e duradouras de Charles Tilly. Da análise chegou-se à conclusão de que, apesar das transformações sociais que o país estava vivenciando nas décadas de 1950-60, em face do processo de modernização, as desigualdades categóricas de propriedade, raça e sexo, longe de terem desaparecido, estavam aí presentes, passando a assumir novas formas.


Notas

[i] A data dos textos aqui tomados para análise corresponde ao ano da edição que tínhamos em mãos. Cruz das Almas, de Donald Pierson, teve sua primeira edição publicada pelo Institute of Anthropology, Smithsonian Istitution de Washingtons em 1951; a primeira edição do texto de Roger Bastide e Florestan Ferdandes é de 1957, publicada pela Editora Anhembi com o título Relações Raciais entre Negros e Brancos em São Paulo. Maria Isaura Pereira de Querioz publica seu texto em um número especial da Revista Anhembi em 1957. Participam dessa revista, além de Maria Isaura, Carlo Castaldi, Eunice T. Ribeiro e Carolina Martuscelli. A primeira edição de Os Parceiros do Rio Bonito, de Antonio Candido, é de 1964, publicada pela José Olympio.  O texto de Maria Sylvia de Carvalho Franco, Homens Livres na Ordem Escravocrata, teve sua primeira edição publicada pelo IEB/USP (Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo) em 1969.

Biografia do Autor

André Victorino Mindoso, Sociologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Doutorando em Sociologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR); Bolsista PEC-PG/Capes-Brasil
José Miguel Rasia, Universidade Federal do Paraná.
Professor Titular de Sociologia do Departamento de Ciência Política e Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Paraná. Última publicação: MACIEL-LIMA, Sandra Mara et al. The impact that the influenza A (H1N1) pandemic had on news reporting in the state of Paraná, Brazil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 22, p. 273-291, jan./mar, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702015000100273&script=sci_arttext

Referências

BASTIDE, Roger e FERNANDES, Florestan. Brancos e Negros em São Paulo: Ensaio sociológico sobre aspectos de formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulista. 2ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

BENDIX, Reinhard. Construção Nacional e Cidadania: Estudos de nossa ordem social em mudança. São Paulo: Edusp, 1996.

BRESSER PEREIRA, L. C. Desenvolvimento e Crise no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

CANDIDO, Antonio. Os Parceiros do Rio Bonito: Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 4ª edição. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1977.

______ A Sociologia no Brasil. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v.18, n.1, jun. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ts/v18n1/30018.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2014.

FERNANDES, Florestan (a). A Revolução Burguesa no Brasil: Ensaio de Interpretação. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

____ Circuito Fechado. São Paulo: Hucitec, 1976.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens Livres na Sociedade Escravocrata. 4ª edição. São Paulo: Editora UNESP, 1997.

____ Organização do Trabalho no Período Colonial. Discurso. São Paulo: Maio,1978, n.8, p.1-45.

HOBSBAWN, E. Formaciones Económicas Precapitalista. Buenos Aires: Siglo XXI, 1972.

MARX, K. El Capital: Libro I, Capítulo VI (Inédito). Buenos Aires: Siglo XXI, 1974.

____ A Ideologia Alemã. Lisboa/São Paulo: Presença/Martins Fontes, Sd.

___ Elementos Fundamentales para la Crítica de la Economia Política. (Borrador). 1857-1858. Buenos Aires: Siglo XXI, 1973.

PIERSON, Donald. Brancos e Pretos na Bahia: Estudo de contacto racial. 2ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.

____ Cruz das Almas. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1966.

PEREIRA DE QUEIROZ, Maria Isaura. O Mandonismo Local na vida Política Brasileira: Da colônia à primeira República. Estudos de Sociologia e História, São Paulo, Editora ANHEMBI, 1957, Pag.194-301.

TELAROLLI, Rodolpho. Poder Local na República Velha. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977.

TILLY, Charles. Durable inequality. Berkeley e Los Angeles: University of California Press, 1998.

___ Identities, Boundaries and Social Ties. Boulder e London: Paradigm publishers, 2005.

WOLFF, Cristina S. e PASSOS, Lídia M.V. Escrevendo a História no Feminino. Estudos Feministas, Florianópolis, v.13, n. 2, set.-dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v13n3/a07v13n3.pdf. Acesso em 20 dez. 2013.

Publicado
2016-04-19