Os “Rufinos” – vivendo entre o Agreste da Paraíba e a cidade do Rio de Janeiro: uma discussão sobre Trabalho, Migração e a condição quilombola.

  • Vanessa Emanuelle Souza Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
  • Mercia Rejane Rangel Batista Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Palavras-chave: Quilombo, Trabalho, Migração, Memória, Família

Resumo

Esse trabalho é fruto de uma relação de pesquisa que vem sendo desenvolvida desde 2008. Nosso objetivo é explorar as diferentes relações de trabalho dos moradores de Matão com as cidades, relações que foram se transformando e se tornando essenciais para a sobrevivência do grupo e a permanência das pessoas na localidade que hoje é pensada como um território quilombola. Para entendermos essas questões, buscamos realizar uma etnografia. Começamos com visitas periódicas ao campo que foram substituídas por estadias em momentos distintos, como férias escolares, festas juninas, para que as entrevistas dessem lugar a conversas cotidianas. Procuramos ouvir as memórias dos moradores, tentando entender como eles contam suas vidas e suas trajetórias. As leituras sobre história da região, migrações e etnicidade foram fundamentais na compreensão dos processos.

Referências

ALMEIDA, Alfredo W. B. Terras de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2ed. Manaus: PGCSA-UFAM, 2008.

ARAÚJO, Eulália Bezerra; BATISTA, Mércia R. R. Quilombos na Paraíba: notas sobre a emergência de uma comunidade quilombola. Revista Ariús, v. 14. N. 1/2, Campina Grande, 2008.

BARTH, Fredrick. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe; STREIFF-FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade – seguido de Os grupos étnicos e suas fronteiras, de Fredrik Barth. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

BATISTA, Mércia Rejane Rangel. E tinha uma índia pura no começo da família: exercício etnográfico em torno de categorias identitárias em algumas comunidades quilombolas na Paraíba. Raízes, v. 31, n. 2, jul-dez / 2011.

BOURDIEU, Pierre. O sentimento da honra na sociedade Cabília. In: PERISTIANY, J. G. Honra e vergonha: valores das sociedades mediterrânicas. 2 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 1998.

CAVALCANTI, M. H. P. et al. Uma história do Ingá. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 1993.

CLIFFORD, James. Prácticas espaciales: el trabajo de campo, el viaje y la disciplina de la antropología. In: Itinerarios Transculturales. Barcelona: Gedisa Editorial. 1997.

DURHAN, Eunice R. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

ESTERCI, Neide. Migrações e migrantes: uma nova versão. Textos para discussão nº 4. Mestrado em Ciências Sociais/UFRJ, 1985.

GARCIA JÚNIOR, Afrânio Raul. O sul: caminho do roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1989.

GRÜNEWALD, Rodrigo de Azeredo. Os negros do Matão: etnicidade e territorialidade. Campina Grande: EDUFCG, 2011.

LIRA, Gitana Maria Figueirêdo. O homem ou o boi: o roçado ou o capim. Dissertação de Mestrado – UFPB. Campina Grande, 1983.

MENEZES, Marilda Aparecida. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes: um estudo de famílias de camponeses-migrantes. Rio de Janeiro: Relume Dumará; João Pessoa: EDUFPB, 2002.

O’DWYER, Eliane Cantarino. Os quilombos e a prática profissional dos antropólogos. In: O’DWYER, Eliane Cantarino (org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

______. Terras de quilombo no Brasil: direitos territoriais em construção. Revista Ariús. Campina Grande, v. 14. n. 1/2. 2008.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana – estudos de antropologia social. PPGAS/MN/UFRJ, 4/1, 1998.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol 2, n. 3, 1989.

______. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n° 10, 1992.

SALVARO, G.; LAGO, M.; WOLFF, C. Limites e possibilidades da militância política em um movimento social rural de mulheres. Estudos Feministas, Florianópolis, 2014.

SOUZA, Vanessa Emanuelle. “Tomar destino” para a terra do trabalho ou ficar no destino da terra sem trabalho: um exercício etnográfico acerca das migrações e seus impactos na comunidade quilombola do Matão – PB. Monografia de conclusão de curso em Ciências Sociais. Universidade Federal de Campina Grande, 2009.

______. Honra, migração e memória em Matão – PB. Dissertação de Mestrado – UFCG. Campina Grande, 2012.

______. Trabalho, migração e identidade no quilombo do Matão (PB). In: MENEZES, Marilda A.; GODOI, Emilia Pietrafesa de. (Orgs.). Uma terra para se viver: assentados, colonos e quilombolas. São Paulo: Annablume; Brasília: CNPq, 2013.

SALES, Teresa. Agreste, Agrestes: transformações recentes na agricultura nordestina. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo: Editora Brasileira de Ciências, 1982.

SIGAUD, Lygia. Armadilhas da honra e do perdão: usos sociais do direito na mata pernambucana. Mana, nº 10, 2004.

SILVA. Maria Aparecida de Moraes. Contribuições metodológicas para a análise das migrações. In: DEMARTINI, Zélia de Brito Fabri; TRUZZI, Oswaldo Mário Serra (Orgs). Estudos migratórios: perspectivas metodológicas. São Carlos: EdUFSCar, 2005.

WOORTMANN, Klaas. “Com parente não se neguceia”: o campesinato enquanto ordem moral. In: Anuário Antropológico 87. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro; Brasília, Editora da UnB, 1990.

WOORTMANN, Ellen F. Herdeiros, compadres e nomes: colonos do Sul e sitiantes do Nordeste. São Paulo: Hucitec; Brasília: Edunb, 1995.

Publicado
2018-11-01