OPACIDADE (OU VITALIDADE) DAS CLASSES SOCIAIS?

  • Ricardo Antunes UNICAMP

Resumo

O artigo examina o potencial analítico da noção de classes sociais, tendo como referência a reflexão baseada em algumas obras recentes sobre o tema. No livro republicado de Sedi Hirano sobre castas, estamentos e classes sociais, são destacados elementos teóricos e metodológicos que se sobressaem nas obras de Max Weber e Karl Marx. Este diferencia-se de Weber, ao conceber as classes no âmbito do lugar ocupado no mundo da produção, estando o primeiro mais voltado para a posse de bens e oportunidades reguladas pelo mercado. No livro de Klauss Eder é destacado o elemento cultural, capaz de conferir teor analítico às classes sociais permeadas por conflitos e movimentos não-redutíveis ao plano estrutural. O livro de José Alcides Santos analisa a presença das classes na sociedade brasileira, articulando sua reflexão teórica com a construção de uma tipologia baseada em dados empíricos. Os estudos dos autores, por via distintas, comprovam que, ao invés do fim das sociedades de classes, observa-se o aumento de uma complexidade que é típica da sociedade contemporânea.

Biografia do Autor

Ricardo Antunes, UNICAMP

Professor TItular de Sociologia no IFCH/UNICAMP, pesquisador do CNPq e autor, dentre outros livros, de Os Sentidos do Trabalho (Boitempo), Adeus ao Trabalho? (Ed. CortezlEd.Unicamp) e Coordenador da Coleção Mundo do Trabalho (Boitempo Editorial).

Publicado
2018-10-29