Relações étnico-raciais na Argentina

história, desigualdades e resistência

Resumo

O estudo a seguir pretende analisar as questões étnico-raciais na Argentina a partir de uma perspectiva histórica e demográfica, como funciona o racismo e a invisibilização dos afro-argentinos e quais medidas o Estado e a sociedade civil têm aplicado em relação a esse problema. Por meio de uma análise da narrativa predominante desde a formação do Estado Nacional argentino e dos fatores que levaram a uma diminuição drástica (mas não a uma extinção) da população afro-argentina, pretende-se entender e desmitificar a ideia de uma “Argentina Branca” e defrontar as questões da desigualdade racial na Argentina e no Brasil.

Palavras-chave: Argentina; relações étnico-raciais; racismo;
afro-argentinos; eurocentrismo.

Biografia do Autor

Wlange Keindé, Universidade Federal Fluminense, Brasil

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense.

Vitor Rebello Ramos Mello, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Possui graduação em Letras Português - Francês pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009) e mestrado em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2012). Atua como Professor Docente de Língua Portuguesa da Rede Estadual de Educação do Rio de Janeiro (2014 -) e Professor Substituto de Língua Portuguesa no Colégio de Aplicação da UFRJ (2018 -). Cursa licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. 

Referências

AVENA, S.; VIA, M.; ZIV, E.; PÉREZ-STABLE, E. J.; GIGNOUX, C. R.; DEJEAN, C.; et al. Heterogeneity in Genetic Admixture across Different Regions of Argentina. Abril 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.1371/journal.pone.0034695> Acesso em 21 jun 2018.

COWLES, William. Los afro-descendientes de Buenos Aires: mitos e realidades. SIT Southern Cone: Regional Integration, Development and Social Change, Buenos Aires Fall, 2007.

FRIGERIO, Alejandro; LAMBORGHINI, Eva, Criando um movimento negro em um país “branco”: ativismo político e cultural afro na Argentina. Afro-Ásia, v. 39, 2010, pp. 153-181.

LAMADRID, María, En Argentina no “hay negros”. BBC, 2002. Entrevista. Disponível em: < http://news.bbc.co.uk/hi/spanish/misc/newsid_2285000/2285932.stm> Acesso em 21 jun. 2018.

MARTÍNEZ, Yael. Entrevista. Publicable, 2016. Disponível em: <http://www.diariopublicable.com/26/6369-ser-negro-en-argentina.html?preview=true&revision=40361> Acesso em 25 jun 18.

TELLES, Edward. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

VÉLEZ, Fredy Rivera, MALUF, Norma Alejandra. "Después de la negación: El Estado Argentino frente ao racismo y la discriminación". In: Cuadernos del CENDES - Dossier: Argentina durante la postconvertibilidad. Año 34. n° 95. Tercera época. Mayo -Agosto 2017, Caracas –Venezuela. p.155-182.

YAO, Jean Arsène. “ Negros en Argentina: integración e identidade”, Amnis [En ligne], 2 | 2002, mis en ligne le 30 juin 2002, consulté le 25 juin 2018. URL : http://journals.openedition.org/amnis/183 ; DOI : 10.4000/amnis.183

______. “La prensa afroporteña y el pensamiento afroargentino a finales des siglo XIX”. In: Historia y Comunicación Social. Vol. 20, n. 1. 2015.

Publicado
2019-08-09
Seção
Dossiê: Novos sujeitos, novos direitos e cidadania: pluralismos e perspectivas do Sul