Margens, mulheres e maternidades

tecendo alguns diálogos interseccionais

  • Ingrid Lorena Silva Leite Universidade Estadual do Ceará
  • Leila Maria Passos de Souza Bezerra Universidade Estadual do Ceará
Palavras-chave: Gênero, Maternidades, Interseccionalidades, Margens

Resumo

Este artigo objetiva refletir sobre articulações entre as categorias mulher, feminismos, interseccionalidades, relações étnicos raciais e maternidade, compreendendo as múltiplas opressões vivenciadas por mulheres, especificamente, negras. Considera-se raça/etnia, gênero e classe social como eixos estruturantes que balizam as relações sociais no Brasil. Diante disso, construímos um diálogo contemporâneo e crítico entre e com categorias fundantes que perpassam uma perspectiva interseccional evidenciando as multiplas e complexas violências reproduzidas. Para tanto, em termos metodológicos, realizamos pesquisa exploratória, alicerçada no estudo bibliográfico com uma abordagem qualitativa.

Biografia do Autor

Ingrid Lorena Silva Leite, Universidade Estadual do Ceará

Assistente Social -8702 / Cress- 3ª Região
Especialista em Serviço Social, Direitos Sociais e P. Públicas (UECE)
Mestre em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Desigualdades Sociais, Territórios e Margens Urbanas (GEP Margens)  Doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Ceará
Leila Maria Passos de Souza Bezerra, Universidade Estadual do Ceará

Pós-Doutorado em Sociologia - Programa de Pós-Graduação em Sociologia - UFC

Docente do Curso de Serviço Social - Universidade Estadual do Ceará (UECE) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas - Mestrado Profissional em Planejamento e  Políticas Públicas (MPPP-UECE) Programa de Pós-Graduação em Avaliação de Políticas Públicas (MAPP-UFC) Pesquisadora dos Laboratórios de Pesquisa LABVIDA, LASSOSS e NUAFRO - UECE

Referências

ALENCAR, Larissa Siqueira de; CASTILHO, Maria Augusta de. “Gênero e relações étnico-raciais: a mulher negra brasileira em debate”. Revista Contribuciones a las Ciencias Sociales, (abril-junio 2016). Disponível em:< http://hdl.handle.net/20.500.11763/CCCSS-2016-02-mulheres-negras>. Acesso 28.nov.14.

ALMEIDA, Antonio Luis Campos. Pós-modernismo, pós-estruturalismo e a nova história: a recusa da razão totalizante. Pro-posições, v.8, n. 23, março, 1999.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAHRI, Deepika. Feminismo e/no pós-colonialismo. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.21, n.2, p. 659 – 688, agosto de 2013.

BEZERRA, Leila Maria Passos de Souza. Pobreza e lugar (es) nas margens urbanas: lutas de classificação em territórios estigmatizados do Grande Bom Jardim. – Tese (doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós Graduação em Sociologia, Fortaleza, 2015.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

______. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2014.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, José Jorge de. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 7, n.15, p.107 – 147, julho de 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2015.

GUIMARÃES, Antônio Sergio Alfredo. Como trabalhar com raça em sociologia. Educação e Pesquisa, v.29, n.1, São Paulo, jan./jun.2003.

HENNING, Carlos Eduardo. Interseccionalidade e pensamento feminista: as contribuições históricas e os debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença. Interseccionalidades e pensamento feminista, v.20, n. 2, p. 97-128, jul./dez. 2015.

HOOKS, Bell. Mulheres negras; moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, nº 16, p.193-210, jan/.abr. 2015.

MESTRE, S.O. Amor só de Mãe: drama e estigma de mães de adolescentes privados de liberdade. Monografia. Universidade Estadual de Rondônia, Porto Velho, 2013.

PELÚCIO, Larissa. Subalterno quem, cara pálida? Apontamentos às margens sobre pós-colonialismos, feminismos e estudos queer. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 2, n. 2, p. 395 – 418, jul-dez 2012.

PISCITELLI, Adriana. Recriando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, L. (Org.). A prática feminista e o conceito de gênero. Textos Didáticos, n. 48. Campinas: IFCH/Unicamp, p. 7 – 42, 2002.

______. Atravessando fronteiras: teorias pós-coloniais e leituras antropológicas sobre feminismos, gênero e mercados do sexo no Brasil. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 3, n. 2, pp. 377 – 404, jul-dez. 2013.

______. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, Goiás, v.11, n.2, p.263 – 274, jul./dez. 2008.

SARTI, Cynthia Andersen. Feminismo e contexto: lições do caso brasileiro. Cardenos Pagu, n. 16, p. 31-48, set. 2001.

SCHUCK, Elena de Oliveira. O papel do pensamento feminista nos pós-colonialismos latino-americanos. In: I Seminário Internacional de Ciência Política (SICP), 2015, Porto Alegre. O papel do pensamento feminista nos pós-colonialismos latino-americanos.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Trad. Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. 1989.

SILVA, Luiz Antônio Machado da. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Revisa Sociedade e Estado, Brasília, v. 19, n. 1, p. 53-84, jan./jun., 2004.

SILVA, Maria O.S. Desigualdade, pobreza e programas de transferência de renda na América latina. Editorial. São Luís. Revista de Políticas Públicas. V.13. n.2. p. 157 a 159. jul./dez. 2009.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TELLES, Vera. A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2010.

WILLIAMS, James. Pós-estruturalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

Publicado
2019-11-06