O povo indígena Anacé e o complexo industrial e portuário do Pecém, no Ceará

Desenvolvimento e resistências no contexto da "barbárie por vir"

  • Luciana Nogueira Nóbrega UECE
Palavras-chave: conflito socioambiental, desenvolvimento, resistências, povo indígena Anacé

Resumo

O artigo pretende explorar as narrativas em torno da construção do Complexo Industrial e Portuário do Pecém, no Ceará, em contraponto às demandas dos indígenas Anacé pela demarcação do seu território, visibilizando os conflitos entre a perspectiva indígena e a perspectiva do Estado que, aliada ao capital nacional e internacional, pretende garantir a implantação de inúmeras indústrias primárias na região. Resultado de um estudo qualitativo que triangula diversos métodos (observação participante, entrevistas livres e semi-estruturadas, além do levantamento bibliográfico e documental), busquei refletir sobre a agência e as mobilizações engendradas pelos Anacé para que suas narrativas, que conflitavam diretamente com as propostas do Estado do Ceará, fossem visibilizadas, tornando públicos, assim, outros sentidos de “desenvolvimento”.

Biografia do Autor

Luciana Nogueira Nóbrega, UECE

Pesquisadora nas áreas de direitos dos povos indígenas, interculturalidade, descolonização, conflitos socioambientais, democracia e América Latina. Doutoranda em Sociologia pelo PPGS da Universidade Estadual do Ceará. Mestre e graduada em Direito pela Universidade Federal do Ceará. 

Publicado
2020-06-02
Seção
Dossiê Ecologia Política: contribuições da América Latina