Escritas literárias africanas

memórias, narrativas e elaboração de traumas coletivos

Palavras-chave: Memórias de guerra; experiências literárias africanas; traumas coletivos.

Resumo

A presente proposta visa reunir trabalhos em torno da temática Memórias de Guerra em Experiências Literárias Africanas e de como a escrita tem elaborado traumas coletivos. Evocando noções como narrativa, trajetórias e memória, pensamos que é possível observar como os processos de recordação e elaboração têm se construído através da escrita literária. O que essas narrativas mobilizam de suas paisagens coletivas? como narram os enfrentamentos e as consequências da guerra civil? como se esboçam nessas narrativas as trajetórias desses escritores, de seus países e de seus repertórios culturais? Enfim, como são mobilizados em suas escritas as recordações. Que espaços da recordação são mobilizados na montagem de suas escrituras?  A memória do trauma é uma forma de recuperar na fragilidade dos rastros individuais a compreensão para a história e para as condições socioantropológicas de cada sociedade. Propomos reunir, neste Dossiê, reflexões que ponham em diálogo preocupações do campo das ciências humanas, sociais e literárias que nos permitam refletir sobre essas experiências nas literaturas africanas.

 

Biografia do Autor

Cristina Maria Da Silva, Departamento de Ciências Sociais UFCProfa Associada.

Professora Associada do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará- UFCE (Desde 2010). Formação: Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará (2002), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2005), Doutorado em Ciências Sociais na Universidade Estadual de Campinas. No Exterior (2007-2008): Estágio de doutorado no exterior, pela Capes, na Université René Descartes Paris V, Sorbonne no Centre d'étude sur l'actuel et le quotidien- CEAQ. Entre 2009-2010: Pós-doutorado em Antropologia no Departamento de Antropologia da Unicamp. Membro da área de Sociologia na Universidade Federal do Ceará. Licença Capacitação de Fevereiro a Abril de 2018 no Centre d´Histoire de Science Politique à Paris- France no Arquivo Gabriel Tarde. http://chsp.sciences-po.fr/le-laboratoire Membro Efetivo da Associação Brasileira de Antropologia - ABA. Membro Efetivo da Associação Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica - BIOGRAPH.

Terezinha Taborda, PUC-MG

Professora Adjunta III da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas (1998). Graduou-se em Letras na Universidade Federal de Minas Gerais (1989), realizou mestrado em Letras na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1995) e doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2000). Fez pós-doutorado em Literatura Angolana na Universidade Federal Fluminense. É pesquisadora nível 2 do CNPq. É Editora da Área de Literatura da Revista Scripta e dos Cadernos Cespuc de Pesquisa, do Centro de Estudos Luso-afro-brasileiros da PUC Minas. Coordena o Grupo de Pesquisa África e Brasil: repertórios literários e culturais, que intenta pensar os repertórios literários e culturais relacionados ao Brasil e ao continente africano indagando sobre as proposições e visões de África e Brasil que podem ser percebidas nos textos literários e artísticos em geral; as formas que as produções artísticas e críticas elegem para inserir África e Brasil no cenário cultural contemporâneo e os diálogos que a literatura e as outras artes têm promovido com os horizontes políticos e sociais. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira e Literatura Comparada. Suas principais linhas de pesquisa são: identidade e alteridade na literatura; formas de representação do outro e estudos pós-coloniais. É autora e/ou organizadora de várias publicações científicas, além de capítulos de livros, artigos em periódicos, etc. Dentre sua produção científica, ressalta a obra "O vão da voz: a metamorfose do narrador na ficção moçambicana" (2005).

Referências

ASSMANN, Aleida. Espaços da Recordação. Formas de transformação da memória cultural. – Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sério Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.
ESLAVA, Fernando Villarraga; PEREIRA, Luciara. A narrativa de testemunho: um caso exemplar. In: Ipotesi, Juiz de Fora, v. 12, n. 1, p. 213 - 223, jan./jul. 2008.
FOUCAULT, Michel. (1964). Conferência. Linguagem e Literatura. In: MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. 2ª.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.
FREUD, Sigmund. (1917). Conferência XVIII Fixação em Traumas – O inconsciente. Terceira parte: Teoria geral das neuroses. In: Obras completas, vol. 13: Conferências introdutórias à psicanálise. (1916-1917). Tradução Sérgio Tellarolit; revisão da tradução Paulo César de Souza, 1ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar Escrever Esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.
GINSBURG, J. Autoritarismo e literatura – a história como trauma. In: Revista Vidya. Universidade Franciscana. V. 19, n. 33, 2000. pp. 43-52. Disponível em http://sites.unifra.br/Portals/35/Artigos/2000/33/ autoritarismo.pdf. Acesso em: 7 de janeiro de 2016.
MANGUEL, Alberto. À Mesa com o Chapeleiro Maluco: ensaios sobre corvos e escrivaninhas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicol. clin., Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008.
Available from . access on 15 May 2020.
Publicado
2021-02-17
Seção
Dossiê Memórias de Guerra