Angiofibroma extranasofaríngeo em mulher<br>doi: 10.20513/2447-6595.2016v56n2p63-66

  • Mateus Aguiar de Azevedo Universidade Federal do Ceará
  • Marcos Rabelo de Freitas Universidade Federal do Ceará
  • André Alencar Araripe Nunes Universidade Federal do Ceará
  • Sebastião Diógenes Pinheiro Universidade Federal do Ceará
  • Marcos Aurélio Araújo Silveira Universidade Federal do Ceará
  • Viviane Carvalho da Silva Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Angiofibroma. Tumor. Mulher.

Resumo

OBJETIVO: Apresentar uma manifestação atípica de um angiofibroma extranasofaríngeo (AEN) e revisar a literatura acerca do tema. MÉTODOS: relato de caso de uma paciente de doze anos com um AEN de seio maxilar e revisão da literatura de relatos publicados a respeito dos AENs na base de dados PubMed. RESULTADOS: AENs ocorrem mais comumente durante a segunda década e 30% do total de casos ocorrem em mulheres. O local mais comum de ocorrência é a maxila, seguido da cavidade nasal. A análise histológica é similar entre os AENs e seus correspondentes na nasofaringe, mas estudo imunohistoquímico adicional pode ser útil para a confirmação do diagnóstico, uma vez que alguns AENs podem mimetizar outros tipos de tumor. CONCLUSÕES: O diagnóstico de um AEN deve ser levado em conta em todo tipo de lesão tumoral sangrante, uma vez que podem ocorrer em quase toda localização em cabeça e pescoço, tornando seu diagnóstico um desafio.

Biografia do Autor

Mateus Aguiar de Azevedo, Universidade Federal do Ceará
Residente de Otorrinolaringologia do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Marcos Rabelo de Freitas, Universidade Federal do Ceará
Concluiu seu curso de Medicina em 1990 na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (FAMED-UFC). Fez o primeiro ano de residência médica de Cirurgia Geral no Hospital Universitário Walter Cantídio (UFC). Em seguida optou pela especialidade de Otorrinolaringologia que foi concluída em 1995 no Hospital Universitário da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP - Ribeirão Preto). Em 1998 obteve o título de Mestre em Otorrinolaringologia pela mesma universidade. Também em 1998 cursou a especialização em Otorrinolaringologia Pediátrica na Disciplina de Otorrinolaringologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP - EPM). Em dezembro de 2006 defendeu Tese de Doutorado intitulada "Caracterização morfofuncional da ototoxicidade por cisplatina em ratos: avaliação do papel da apoptose e da otoproteção por amifostina". Entre maio de 2010 e janeiro de 2011 realizou postdoctoral fellowship no Gruppo Otologico de Piacenza, Itália, um centro quaternário, referência em Otologia, Neurotologia e Cirurgia de Base de Crânio. Atualmente é Professor Adjunto e Coordenador da Disciplina de Otorrinolaringologia da FAMED - UFC e Supervisor do Programa de Residência Médica em Otorrinolaringiologia do Hospital Universitário Walter Cantídio.
André Alencar Araripe Nunes, Universidade Federal do Ceará
Professor Adjunto da disciplina de Otorrinolaringologia e Chefe do Serviço de Otorrinolaringologia da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Sebastião Diógenes Pinheiro, Universidade Federal do Ceará
Doutorado em Medicina, Universidade de São Paulo (USP), Professor associado da disciplina de Otorrinolaringologia da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Marcos Aurélio Araújo Silveira, Universidade Federal do Ceará
Residente de Otorrinolaringologia do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Viviane Carvalho da Silva, Universidade Federal do Ceará
Médica assistente do Serviço de Otorrinolaringologia da Universidade Federal do Ceará, Mestrado em Saúde Pública, Universidade Federal do Ceará.
Publicado
2016-12-20
Seção
RELATOS DE CASO